Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Killing (2018)

Crítica | Killing (2018)

A não-violência é mesmo um caminho viável?

por Ritter Fan
303 views (a partir de agosto de 2020)

Killing, nome que Zan, primeiro longa de samurais de Shinya Tsukamoto, ganhou no circuito de festivais, é uma obra simples, quase contemplativa, apesar de sua duração acanhada, que impede que o passo da narrativa esmoreça. Na história, o jovem ronin Mokunoshin Tsuzuki (Sosuke Ikematsu) vive uma vida pacífica entre camponeses, ajudando-os em seu cotidiano e vivendo entre eles sob a guisa de protegê-los de ameaças que, até o começo do longa, nunca se avizinharam.

Só essa abordagem já é intrigante e diferente o suficiente para prender a atenção do espectador que procura algo diferente no que se refere a filmes de samurai, pois o que vemos é, essencialmente um ronin pacífico, que faz de tudo para evitar combates, ainda que ele desembainhe sua espada – mas a de madeira – para treinar o adolescente Ichisuke (Ryûsei Maeda), que o admira, sempre sob os olhares da jovem Yu (Yû Aoi). Mas Mokunoshin não é um covarde, não é alguém que foge de suas obrigações mortíferas, mas sim uma pessoa que procura colocar a diplomacia à frente do fio da espada em um período tumultuado da história do Japão em meados do século XIX.

Essa vida simples, idílica e feliz que ele leva é interrompida quando um ronin mais experiente, Sawamura, vivido pelo próprio diretor, aparece por ali em meio a um duelo e logo recruta Mokunoshin para reunir-se a ele em uma jornada até Quioto para eles lutarem na guerra civil em andamento. O contraste entre os dois espadachins é claro, com Sawamura, apesar de mais vivido – ou talvez por isso – sempre colocando a espada em primeiro plano, com Mokunoshin hesitando em seguir esse caminho, mesmo considerando que ele se mostra inicialmente muito interessado em seguir para a guerra. Cria-se não exatamente um impasse, mas sim uma discussão quase que sem palavras entre os estilos de vida que são colocados em oposição, com a direção sutil de Tsukamoto e a fotografia naturalista dele com Satoshi Hayashi, aos poucos desfazendo a paz apresentada no início.

E essa quebra narrativa vem mesmo com a chegada de um grupo ruidoso e mal encarado de fora da lei que se aboleta na estra de entrada e saída do vilarejo e são logo vistos como ameaças pela população local que, imediatamente, pede auxílio a Mokunoshin. Os eventos que decorrem daí são resultados imediatos e evidentes das posturas diametralmente opostas dos jovem e velho ronins, o primeiro tentando encontrar uma saída na base da conversa, inclusive encetando amizade com alguns dos bandoleiros e o segundo mantendo-se distante, mas sempre pronto para usar sua espada a qualquer sinal de ameaça.

E o dilema que o longa coloca é que caminho seguir em uma situação como essa, com o roteiro lenta, mas certeiramente tornando inevitável o confronto de filosofias, o que gera alguns momentos de combate que Tsukamoto filma com câmera na mão e no meio da luta, mas sem que ele dê tempo para que o espectador se sinta desnorteado, já que tudo é muito rápido e eficiente, remontando às coreografias de combates semelhantes por Akira Kurosawa ou Hideo Gosha, só que de forma ainda mais econômica e discreta em razão do orçamento baixo do longa. Não há surpresas, não há tentativas de criar um espetáculo visual, pois o interesse do cineasta é deixar que o espectador chegue à sua própria conclusão, não havendo respostas erradas, por assim dizer.

Killing é um pequeno filme com uma grande discussão que o roteiro – também de Tsukamoto – aborda como aquelas clássicas inevitabilidades da vida. Um guerreiro define-se realmente pela guerra ou por sua habilidade de evitá-la sempre que humanamente possível? E quais são as potenciais consequências do derramamento de sangue? Assi como Mokunoshin Tsuzuki, nós aprendemos da forma mais dura possível que o caminho da não-violência pode ser apenas uma perigosa utopia efêmera… Mas será que vale persegui-lo mesmo assim?

Killing (Zan/斬、- Japão, 2018)
Direção: Shinya Tsukamoto
Roteiro: Shinya Tsukamoto
Elenco: Sosuke Ikematsu, Yū Aoi, Tatsuya Nakamura, Ryūsei Maeda, Shinya Tsukamoto
Duração: 80 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais