Home TVEpisódio Crítica | Krypton – 2X09: Blood Moon

Crítica | Krypton – 2X09: Blood Moon

por Ritter Fan
94 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há spoilers. Leiam, aqui, as críticas dos demais episódios.

É, pelo visto Cameron Welsh guardou o melhor para ele mesmo. Na direção do penúltimo episódio da temporada, o showrunner entrega talvez o melhor capítulo até agora sem a presença de Lobo e que, de quebra, é, também, o mais visceral e violento. A série já havia mostrado ser capaz de sanguinolência com o fator de cura do Maioral e também com a execução ao vivo do que agora sabemos ter sido o clone de Lyta-Zod, mas Blood Moon escancara as porteiras do gore, algo que surpreende, mas que, ao mesmo tempo, é muito bem-vindo.

O prometido uso de Apocalypse por Dru-Zod acontece aqui em uma história que se beneficia de sua simplicidade. Mesmo que o núcleo em Krypton não seja esquecido, o foco é mesmo na lua vermelha de Wegthor, sede da rebelião e para onde partem Seg-El e Nyssa-Vex para ajudar Val-El. No entanto, o tirano manda para lá sua arma biológica, agora completamente sob seu controle, e o estrago é grande.

A sequência da chegada do monstrengo que um dia mataria o Superman é imponente e cuidadosamente decupada de maneira a tirar o máximo proveito do bom, mas não tão alto orçamento para CGI e efeitos práticos. Vemos tudo o que precisamos ver, o que significa, na prática, que todo o embate corporal é escondido espertamente pelo jogo de câmera que nos aproxima da batalha campal, mas sempre privilegiando os humanos e suas mortes violentas, deixando Apocalypse para ser visto apenas de relance. Sem dúvida alguma, Welsh, que senta na cadeira de diretor da série pela primeira vez, mostra ter controle preciso sobre seu ofício, transformando a superfície – e depois o subterrâneo – da lua em um banho de sangue que faz jus à origem violenta do vilão.

O breve reencontro de Seg com seu avô, Adam Strange e Kem é bem equilibrado, sem piadinhas alongadas e sem muito chororô, só o suficiente para criar traços de tensão que são expandidos em seguida pelo roteiro de David Paul Francis que coloca nossos heróis em missão suicida para explodir os túneis e soterrar Apocalypse de forma que os sobreviventes tenham tempo de chegar à nave da força invasora de Zod que, de quebra, tem que ser capturada por uma pequena força liderada por Nyssa. Ou seja, há distribuição de funções para toda a quadra principal, com sequências debaixo da terra que trabalham muito bem o suspense e uma cena de ação com Nyssa que reconfirma a transformação completa da personagem cansativa que ela era na primeira temporada em uma sofrida guerreira completa.

Mas é claro, porém, que a grande surpresa é mesmo a morte de Kem. E vou apostar aqui – simplesmente porque sou otimista – que ele morreu de verdade e não voltará mais nem como clone, vejam bem. Apesar de eu nunca ter comprado a persona de Comando para Matar do sujeito, mudança radical demais para o bartender atrapalhado de boa índole da temporada anterior, seu sacrifício não pela rebelião, não por uma causa maior, mas sim pelo amigo de longa data foi um gesto clichê e esperado, mas bonito e lógico dentro da narrativa. Ele já vinha mostrando-se um herói e, agora, encontra seu fim definitivamente como um em uma sequência com boa construção de tensão, sem som e em câmera lenta que mostra detalhes de Apocalypse primeiro enfiando a mão em seu torso e, depois, destroçando a cabeça de Kem. Welsh definitivamente estava com vontade de gastar toda a reserva de sangue falso da produção, pelo visto.

E, como se isso não bastasse, a explosão deflagrada por Kem, mas ordenada por Val-El é literalmente apocalíptica, já que não fica contida na região, destruindo completamente a lua. O bom velhinho vovô de Seg tornou-se, oficialmente, o maior assassino da série até agora, primeiro determinando a destruição do elevador espacial com todo mundo lá dentro e, agora, por um erro de cálculo, chacinando todo mundo – menos os rebeldes – que morava ou trabalhava por aí. Nada mal para um cara que voltou há poucos meses da Zona Fantasma, não é mesmo? Aliás, espero que isso não seja varrido para debaixo do tapete e esquecido no episódio final, já que algo dessa magnitude precisa ter algum tipo de consequência.

O núcleo composto por Lyta, Jayna-Zod e Dev-Em, que permanece em Krypton, é o ponto fora da curva do episódio e que quebra um pouco o ritmo das sequências de ação sem trazer realmente coisas novas para a mesa de discussão. Sim, é interessante que Welsh não simplesmente passou por cima do tempo de recuperação mínimo que alguém precisaria ter depois de passar sei lá quanto tempo sob controle de Clemência Negra, mas a conexão entre os três é baseada em abraços e beijos demais para ser crível no contexto militarístico em que eles foram apresentados. Seja como for, o início da conversão do exército leal a Dru-Zod parece ser o começo do fim para o tirano.

Blood Moon foi um episódio inesperado em sua execução. Nada de amenidades, nada de esconder a ação. Tudo foi às escâncaras e sem economizar na violência explícita. Não sei se isso representa um ponto de virada na pegada da série, mas tomara que seja, mesmo que só falte um episódio para a temporada acabar. Zod que se cuide!

Krypton – 2X09: Blood Moon (EUA – 07 de agosto de 2019)
Showrunner: Cameron Welsh
Direção: Cameron Welsh
Roteiro: David Paul Francis
Elenco: Cameron Cuffe, Georgina Campbell, Shaun Sipos, Elliot Cowan, Ann Ogbomo, Aaron Pierre, Rasmus Hardiker, Wallis Day, Blake Ritson, Ian McElhinney, Colin Salmon, Hannah Waddingham, Emmett J. Scanlan
Duração: 45 min.

Você Também pode curtir

25 comentários

O Gambit dos x-men 26 de abril de 2020 - 17:26

Engraçado que uma hora o Cameron Welsh deu uma de Zack Snyder na cena em que a Nyssa e os rebeldes vão pegar a nave em que o Doomsday veio, foi uma bela homenagem kkkkk

Responder
Gustavo Silveira Machado 14 de agosto de 2019 - 14:16

Esses roteiros de Krypton têm mais furos que uma peneira.

Responder
planocritico 15 de agosto de 2019 - 14:41

Mas esse de Blood Moon até que não foi ruim.

Abs,
Ritter.

Responder
Nádisson Oliveira Macêdo 13 de agosto de 2019 - 01:12

Espero que alguém mate a Lyta de verdade no episódio final, chororo insuportável. Sou mil vezes a Nyssa, é bem mais gata e já provou ser bem mais bad-ass. Eu esqueci de perguntar alguns eps atrás, você cita morte do Superman pelo Doomsday bastante, essa referência é devido a história “A Morte do Superman” ou existe outra hq? Eu tinha uma quando moleque que era em preto e branco, porém ele morria nas mãos do Lex Luthor em uma máquina de radiação de kryptonita após o carecão fingir ser amigo do Super e enganá-lo. Existe outra história onde matam o Super além dessas?

Responder
planocritico 13 de agosto de 2019 - 15:35

A mais famosa história em que o Superman morre é A Morte de Superman em que o Apocalpyse o mata. É a essa história que eu me refiro.

Abs,
Ritter.

Responder
Isac Marcos 10 de agosto de 2019 - 23:08

Esse episódio é a prova de que a produção tem medo de tornar o seriado grande. De fato, tirando a sequência em Krypton (Lyta e cia.), foi muito bem feito e sem ficar de enrolação.
Obs.:
Nyssa tem que ser a protagonista na próxima temporada! 😅
Se esse Apocalypse ficou assim, com baixo orçamento, imagine se tivesse o do DCEU (Bvs.S)… Que bom que de alguma forma se desculparam aqui por aquela heresia.
Agora é cruzarmos os dedos para o episódio de fim de temporada manter essa “pegada”!

Responder
planocritico 12 de agosto de 2019 - 18:04

Exato. A prova do potencial ainda não realizado dessa série…

Abs,
Ritter.

Responder
Vsilas 10 de agosto de 2019 - 20:36

Este episódio 9 foi fantástico, a justificativa de litha ter voltado a vida foi uma pouco forçado mas da pra engoli “gosto muito da personagem ” expectativa boas para o final.

Responder
planocritico 12 de agosto de 2019 - 18:04

Foi um episódio fora da curva para uma temporada morna.

Abs,
Ritter.

Responder
lambo 10 de agosto de 2019 - 11:04

Ainda o melhor doomsday é de Smallville, é isto. Kkkkkkkkkkkk

Responder
planocritico 12 de agosto de 2019 - 17:50

Nossa, nem me lembra daquilo…

Abs,
Ritter.

Responder
Huckleberry Hound 9 de agosto de 2019 - 21:26

Achei que Kem fosse um daqueles personagens que servia como alivio cômico como Adam Strange mas a morte dele prova que ninguém está seguro nessa série (se não for outro clone)

Responder
planocritico 12 de agosto de 2019 - 17:50

“se não for outro clone”

SE

#medo

Abs,
Ritter.

Responder
Acepipe Satã🐂GADO, O PARCIAL 9 de agosto de 2019 - 02:45

Se você olhar bem de relance, vai achar que é um Godzilla desnutrido.

Responder
Fórmula Finesse 9 de agosto de 2019 - 10:09

hehehe, mas que maldade! Mas só pela imagem, já se percebe que tiveram ao menos um mínimo de respeito pelo personagem. Quando eu lembro do Orc gigante de Batman x Superman me dá oito tipos de raiva; Zack simplesmente errou de um jeito que nem o pior conhecedor de quadrinhos poderia elaborar, queimou tanto material, incinerou tantas referências e personagens…AHHHHHHHHHHHHHHHH, chega senão eu vou socar o teclado!!! rsrsrsr

Responder
planocritico 9 de agosto de 2019 - 10:20

Não dá nem para comparar com aquele negócio que fizeram em BvS. Se eu fosse chato, apenas diria que esse Apocalypse aí da série deveria ser maior e mais corpulento, mas só.

Abs,
Ritter.

Responder
Fórmula Finesse 9 de agosto de 2019 - 14:16

É, vi o bicho em movimento num vídeo bem curtinho e se ele fosse mais taludo ficaria quase perfeito.

Responder
planocritico 9 de agosto de 2019 - 17:35

Mas no quesito violência, esse aí manda muito bem!

Abs,
Ritter.

Fórmula Finesse 9 de agosto de 2019 - 18:26

Não sai raios da boca e dos olhos como aquela tosqueira medieval do filme de orçamento 15x maior, né? rsrsrs

planocritico 12 de agosto de 2019 - 17:50

Exato!

– Ritter.

Huckleberry Hound 9 de agosto de 2019 - 21:26

Dizem que aquele Apocalypse era só um clone do original isso se for um universo compartilhado

Responder
planocritico 12 de agosto de 2019 - 17:50

Clone com defeito…

Abs,
Ritter.

Stella 9 de agosto de 2019 - 02:35

me empolgou hein, irei assistir, ótima crítica.

Responder
planocritico 9 de agosto de 2019 - 10:20

Obrigado!

Esse deu gosto de ver!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 9 de agosto de 2019 - 10:20

Obrigado!

Esse deu gosto de ver!

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais