Home Colunas Crítica | Kung Fu – 1X01: Pilot (2021)

Crítica | Kung Fu – 1X01: Pilot (2021)

por Luiz Santiago
2362 views (a partir de agosto de 2020)

Bem-vindos ao Plano Piloto, coluna dedicada a abordar exclusivamente os pilotos de séries de TV.

Se o espectador deixar-se enganar ao menos pelos 15 primeiros minutos de Kung Fu (2021), conseguirá pelo menos um pouquinho de coisas bem interessantes vindas dessa estreia da série. O lamento aparece mais adiante, quando os já conhecidos elementos açucarados da CW dominam a narrativa e tornam o que deveria ser o verdadeiro foco do programa uma busca estranha por elementos místicos/mágicos ligados à História da China e do Kung Fu + o incremento de uma história pessoal que vem aos borbotões, cedo demais e mastigada demais para o gosto de qualquer um.

Remake da famosa e querida série de 1972 criada por Ed Spielman e Herman Miller, estrelada por David Carradine, Kung Fu nos faz acompanhar Nicky Chen (Olivia Liang), uma jovem descendente de chineses vivendo nos Estados Unidos que vai à China por um propósito escuso de sua mãe… e acaba entrando para um monastério onde recebe todo o treinamento que a transformará nessa personalidade lutadora que qualquer um consegue imaginar e entender quando se trata de uma série de TV dentro dos padrões super-heroicos. E mesmo que não exista uma explícita inserção desse Universo aqui na série, a linguagem contemporânea jamais conseguiria fazer algo diferente dentro de um show desse tipo. Tal aparência parece ser a “maldição da Era“, e que não tem necessariamente a ver com a CW ou com essa sequência específica.

Os tais “sinais dos tempos“, no entanto, ‘só’ imprimem a esse tipo de enredo uma cara heroica. Isso não quer dizer que ruim por tabela. A não ser que… — e eis onde a coisa toda desce a ladeira nesse início do show de Christina M. Kim — tal exploração esteja apenas preocupada em firmar raízes nesse terreno do heroísmo pelo heroísmo. Na prática, isso significa que qualquer outra coisa que poderia dar uma cara clássica ou mesmo uma profundidade narrativa à trama estará carcomida pelo romance, pela exaltação sem quê nem porquê da heroína da vez (e se fosse um herói, com essa mesma atmosfera, seria a mesma coisa: não nos esqueçamos de Punho de Ferro!) e por uma expansão quase desprovida de lógica com informações sobre a vida dessa pessoa, tudo para no final dar a ela uma inicial jornada de recuperação e reinstalação no coração familiar, ao mesmo tempo em que vence a sua primeira batalha, derrotando uma máfia local. Eis aí o tipo de coisa que a gente chama de “clichê ruim“.

Por conta da estrutura familiar, eu apostei algumas fichas que a CW direcionaria a série para algo mais ou menos na linha de Black Lightning, que teve um fantástico começo, lá em 2018. Mas o drama que a showrunner acabou escolhendo para a sua série foi um mix de romance, artes marciais, mitologia marcial chinesa, tempero super-heroico e drama familiar adolescente (apesar de estarmos falando de um elenco adulto), uma sopa dramática que, obviamente, não dá certo. Eu disse no início que a gente pode até cair no engano nos 15 primeiros minutos, porque pelo menos ali essa mistura ainda estava ausente. Tudo bem que a apresentação é dissociada de uma maior organicidade, mas ela não é ruim. Tampouco o princípio básico que empurra Nicky para o monastério e o seu subsequente treino. Tudo isso é basilar, um terreno já conhecido e que a roteirista/criadora percorre relativamente bem, seguindo a cartilha.

A partir do retorno da protagonista para os Estados Unidos é que essa potencial trama interessante vira um novelão com um número um pouco maior de porradaria, e é isso aí. Tem sua graça, é claro. Mas ao fim e ao cabo, é algo tão raso e tão enraivecedor (por desperdiçar tanta coisa boa) que termina se tornando ruim. Triste fim para os entusiastas de obras do tipo, como eu. Será uma maldição? Só falta o vindouro filme do Shang-Chi decepcionar também…

Kung Fu – 1X01: Pilot (EUA, 2021)
Ciradora:
Christina M. Kim
Direção: Hanelle M. Culpepper
Roteiro: Christina M. Kim (baseado na série e personagens de Ed Spielman e Herman Miller)
Elenco: Olivia Liang, Kheng Hua Tan, Eddie Liu, Shannon Dang, Jon Prasida, Gavin Stenhouse, Vanessa Kai, Tony Chung, Tzi Ma, Yvonne Chapman, Valencia Budijanto, Vincent Cheng, Colin Foo, Angie Ip, Althea Kaye
Duração: 42 min.

Você Também pode curtir

21 comentários

João 13 de abril de 2021 - 20:50

Série lacradora, tomara que fracasse

Responder
Giovanni Filoni 12 de abril de 2021 - 11:31

Por favor, Luiz, não fala essas coisas do vindouro Shang-Chi que só a possibilidade de esse filme ser ruim me dá tremedeiras!

MESTRE DO KUNG FU PRA VIDA!!!

Responder
Luiz Santiago 12 de abril de 2021 - 12:03

Eu também adoro o personagem e to em estado de tensão na espera desse novo filme! Dá agonia só de pensar…

Responder
Luiz Lima 11 de abril de 2021 - 15:23

Em uma escala de zero a dez, qual sua ansiedade para fazer a crítica das Meninas Superpoderosas? kkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder
Luiz Santiago 11 de abril de 2021 - 16:43

Acho que -3!

Responder
O Homem do QI200 10 de abril de 2021 - 22:13

Vem cá, vendo essa ideia do Plano piloto, pensei, será que algum dia terá um “Plano Finale”? Pq hj vi o final de The Office e foi muito lindo e emocionante.

Responder
Luiz Santiago 10 de abril de 2021 - 23:07

Normalmente quando a gente vê o finale a gente faz a crítica ou do episódio (se acompanhamos a série por episódio) ou por temporada ou da série completa. Então não é algo que rolaria fazer só do finale.

No caso dos pilotos, por ser a primeira coisa feita na série e não termos a obrigação de ver o restante… hehehehehehe

Responder
O Homem do QI200 10 de abril de 2021 - 22:13

Vem cá, vendo essa ideia do Plano piloto, pensei, será que algum dia terá um “Plano Finale”? Pq hj vi o final de The Office e foi muito lindo e emocionante.

Responder
blackisamu 10 de abril de 2021 - 18:31

Tem a série de época Warrior do Cinemax ,baseada em escritos de Bruce Lee para a série que se tornou Kung Fu do Carradine. Bruce Lee foi considerado “chinês demais” para o expectador americano da época. Já Tem duas temporadas. Já viram?

Responder
Luiz Santiago 10 de abril de 2021 - 19:07

Essa eu não vi ainda! Mas fiquei curioso!

Responder
planocritico 10 de abril de 2021 - 22:00

Eu já vi quase a primeira temporada toda de Warrior. Bem interessante. Mas é tão longe de Kung Fu de 72 que não vejo como uma consegue se conectar com a outra para além do óbvio.

Abs,
Ritter.

Responder
Ruqui 10 de abril de 2021 - 21:53

Eu vejo essa. Pena que o destino dela ainda permaneça incerto em relação a uma terceira temporada. Tem também uma série chinesa chamada Heroes (ou Huo Yuanjia: the Rise of a Kung-fu Master), do ano passado, de 45 episódios que parece boa. Tem completa no youtube, mas sem legenda em inglês (poucos episódios, na verdade, e mal traduzidos). É uma que eu gostaria que netflix ou prime trouxessem pra cá. Do contrário, irei recorrer a locadora do Paulo Coelho sem culpa.

Aqui o primeiro episódio:

https://www.youtube.com/watch?v=fRCGiVdxSDw

Responder
Davi Lima 10 de abril de 2021 - 13:37

Ai ai…CW…

Responder
Luiz Santiago 10 de abril de 2021 - 13:41

Artes marciais com 15 kg de açúcar!

Responder
planocritico 10 de abril de 2021 - 15:21

Aguardo a cobertura semanal dessa série!

E de Walker também!

Preguiçoso demais esse @luizsantiago:disqus !

Abs,
Ritter.

Responder
Luiz Santiago 10 de abril de 2021 - 16:12

Nossa, nem tinha visto a existência dessa Walker! Vou fazer Plano Piloto! HAUAHUAAUHAUAHUAHAUAHUAHAUHAUHUAHUAHAUHAUAHUAHAU

Responder
planocritico 10 de abril de 2021 - 16:18

A CW está mexendo em vespeiro. Em um mesmo ano, atreveram-se a rebootar séries clássicas do Chuck Norris e do David Carradine!

Abs,
Ritter.

Responder
Victor Martins 11 de abril de 2021 - 09:22

E o live action de As Meninas Super Poderosas que saiu foto esses dias ? Dá-lhe, CW. Melhor o Santiago já ir preparando o Plano Piloto.

Responder
Luiz Santiago 11 de abril de 2021 - 11:25

Tenho nem meme pra isso!

planocritico 11 de abril de 2021 - 12:11

Plano Piloto nada. O @luizsantiago:disqus tem é que se coçar e fazer a série por episódio!

Abs,
Ritter.

Luiz Santiago 11 de abril de 2021 - 12:44

XÔ SATANÁS!!!!

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais