Crítica | Legends of Tomorrow – 3X10: Daddy Darhkest

plano critico legends of tomorrow 3X10 daddy Darhkest

SPOILERS! Confira as críticas para os outros episódios aqui.

Então Constantine deu as caras em Legends of Tomorrow! Com referências ao piloto de sua própria série, Non Est Asylum e usos de ingredientes clássicos de O Exorcista e O Iluminado pelo diretor Dermott Downs, este episódio de retorno de hiato faz um uso muito bom do universo do horror (notadamente cinematográfico) para dar continuidade à caçada por Mallus. E também para ajeitar as coisas nesta segunda metade da temporada, que já começa com bons arranjos de personagens — se forem realmente mantidos, só benefícios poderemos ter na dinâmica do grupo.

Colocando de lado a parte ruim do capítulo, que foi a interação com Damien Darhk no final e uma certa pressa para as despedidas, o que temos em Daddy Darhkest é uma versão quase cínica de como guiar um episódio com elementos macabros em um programa de ficção científica. E o melhor de tudo isso é: a coisa realmente funciona. Alguns espectadores podem não gostar de Matt Ryan como Constantine, mas o fato é que ele captura muito bem a essência do personagem, com suas provocações, ironia e certo “nojo” — mesmo que encenado — pelas coisas ao redor. Ele aposta alto, faz uma ou outra confissão, é desbocado, não joga por convenções e ainda consegue ter a linha mais rústica de magia e relação com o sobrenatural que mostrou desde que apareceu pela primeira vez, no arco A Maldição, na revista do Monstro do Pântano.

O gancho para a ligação dele com as Lendas é aceitável sob qualquer aspecto de construção de roteiro. Nora Darhk (muitíssimo bem interpretada por Madeleine Arthur) oferece a porta para o sobrenatural, ajudando a avançar na busca das Lendas para entender o quê é Mellus e, por mais que não seja um bom momento do capítulo, fecha o ciclo com a aparição de papai Darhk para um sequestro maléfico, diante do qual Ray e Zari nada podem fazer. É uma pena que a atriz Tala Ashe ainda pareça totalmente dispensável nessa trama. Sua construção de Zari é plácida demais, quase blasé, e não há nada de simpatia para ela no roteiro, tirando uma piadinha ou outra que, diante de todo o comportamento indiferente dela, perde impacto. Nesta segunda parte, é preciso corrigir isso, caso seja intenção da produção em manter a personagem no time. E notem que curioso: Kuasa, a vilã vivida por Tracy Ifeachor, tem muito mais impacto sob o espectador do que Zari, alguém do lado dos mocinhos.

Sendo Dermott Downs já bastante familiarizado com o tipo de estrutura da CW e tendo no currículo um longo período com séries de suspense/investigação, não é de espantar que o ritmo interno de Daddy Darhkest seja elogiável, mantido com muitos acertos pela montagem, que apenas erra a mão no final. Dentre os melhores momentos da direção e da fotografia, destacamos as cenas no Asylum em 1969 — o uso dos apagões, luz em contraste, explosão de filtro azul e câmera inquieta foram feitos na medida certa e com bastante competência — e as simples, mas muito interessantes cenas na “dimensão azul de Mallus”. Sempre que este lugar aparece me arranca um sorriso. É incrível como um conceito de medo pode ser alcançado com uma boa ideia da direção de arte para como construir um espaço fora da realidade e dominado por um demônio [ou qualquer outra coisa que seja Mallus]. Às vezes, menos é mais. Eis aí uma prova disso.

A despedida de Leo Snart foi algo excelente. Se realmente for mantida, devo dizer que os produtores aproveitaram o que podiam do personagem nessa “segunda jornada” e fizeram com que ele fosse embora antes de se tornar um peso para a série. Mais um ponto para os produtores de LoT pela noção de tempo e por entenderem que quando uma coisa não funciona bem, deve ser tirada de cena. Agora é ver se farão isso com Zari ou se darão uma recauchutada na personagem, que está realmente precisando. Agora mais próxima da Agência Temporal (o crush em andamento aqui é ótimo!) a equipe deverá entrar em uma sequência de viagens em busca de Rip e para entender os tais “Seis” que Mallus citou. A trama avança por um terro místico. Vamos ver aonde isto vai nos levar.

Legends of Tomorrow – 3X10: Daddy Darhkest (EUA, 12 de fevereiro de 2018)
Direção: Dermott Downs
Roteiro: Keto Shimizu, Matthew Maala
Elenco: Maisie Richardson-Sellers, Amy Louise Pemberton, Tala Ashe, Nick Zano, Dominic Purcell, Neal McDonough, Wentworth Miller, Matt Ryan, John Noble, Jes Macallan, Tracy Ifeachor, Madeleine Arthur, Annabel Marshall-Roth
Duração: 42 min.

LUIZ SANTIAGO (Membro da OFCS) . . . . Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.