Crítica | Legends of Tomorrow – 4X05: Tagumo Attacks!!!

Tagumo-Attacks-plano critico legends of tomorrow

  • Há SPOILERS do episódio e da série. Leia, aquias críticas dos outros episódios.

Uma homenagem bem feita aos filmes kaiju dentro de um Universo de viagem no tempo e magia! Este é o tipo de diversão que Legends of Tomorrow vem nos proporcionando, tendo, nesta 4ª Temporada, assumido sem medo o seu caráter antológico, cômico e criativo, ingredientes que são uma ponte para um objetivo final muito maior, como já percebemos na última cena desse episódio.

Em Tagumo Attacks!!! — cuja parte que interessa se passa em Tóquio, no ano de 1951 — conhecemos um set de filmagens onde trabalhava o diretor Ishirô Honda, alguns anos antes de nos presentear com a sua maravilhosa co-criação, em 1954, e que aqui descobrimos ter sido resultado de uma ideia de Mick (um pouco forçado esse retorno à veia literária dele…). Ao longo de todo o tempo, Godzilla e as criaturas monstruosas como um todo são referenciadas, tendo o roteiro de ShimizuMohamed acertado em cheio no tratamento dado à base japonesa do capítulo e aos outros blocos de ação, um na casa de Nate e no Time Bureau, com Gary, Mona — a mocinha dos lanches, sobre quem fica a pergunta: será que ela também é uma fugitiva? –, uma Baba Yaga, um Chupacabra e um Kaupe; e outro bloco na Waverider, com Ray tentando curar Constantine.

O que vem em salvação a este episódio é o fato de o enredo ser bastante engraçado e ao mesmo tempo inventivo, encobrindo os tropeços da montagem, que não funciona tão bem sim. Embora não seja a coisa que mais me incomodou aqui, é inegável que os momentos de passagem não parecem assim tão bem organizados, seja na base imagética escolhida, de uma sequência para outra (o que é estranho isso acontecer em LoT, ainda mais agora), seja no ponto em que elas acontecem. E sim, na maior parte do tempo o ponto de passagem é favorável, mas quando não é, a interrupção simplesmente irrita o espectador, porque quebra uma sequência bem interessante de eventos que a gente quer ver se desenvolver ininterruptamente.

Mas isso é compreensível, nesse caso, porque estamos falando de um episódio com coisas bem diferentes acontecendo em lugares e com membros diferentes do time. Já faz um tempinho que não temos um episódio assim, com bases independentes. Eu gosto da ideia, claro, mas a interação entre os blocos precisa ser mais bem pensada nesses caso. A pedra no sapato, todavia, vem justamente no final, com a pendência amorosa entre Ray e Nora que simplesmente desandou o angu (isso e aquele plano horroroso no Livro de Brígida que Constantine guarda no baú). Notem que mesmo para o bloco onde estava, com uma conversa sobre confiança, salvar uma vida e lidar com uma magia de origem nada benéfica, o final parece meloso demais para a série e, para mim, foi o que impediu que desse pelo menos a nota que eu acho que o episódio minimamente merecia, que é quatro estrelas — mesmo com os probleminhas de montagem.

Trazendo referências adicionais aos filmes A Malvada (1950) e Tubarão (1975) e uma fantástica brincadeira com o Dia de Ação de Graças, Tagumo Attacks!!! é um episódio divertido e que nos traz, enfim, o primeiro problema a longo prazo da temporada, o pai de Nate, falando do projeto Hades. Será que a CW tem planos secretos para algo relacionado à Mulher-Maravilha ou a figura mitológica aqui é apenas uma indicação ligado ao domínio desse Deus?

Legends of Tomorrow – 4X05: Tagumo Attacks!!! (EUA, 19 de novembro de 2018)
Direção: Alexandra La Roche
Roteiro: Keto Shimizu, Ubah Mohamed
Elenco: Brandon Routh, Caity Lotz, Courtney Ford, Matt Ryan, Jes Macallan, Maisie Richardson-Sellers, Dominic Purcell, Tala Ashe, Thomas F. Wilson, Nick Zano, Ramona Young, Amy Louise Pemberton, Susan Hogan, Adam Tsekhman, Darien Martin, Jaden Oehr, Eijiro Ozaki
Duração: 43 min.

LUIZ SANTIAGO (Membro da OFCS) . . . . Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.