Home QuadrinhosOne-Shot Crítica | Legs Weaver: As Paredes de Blackwall e A Chegada de Legs!

Crítica | Legs Weaver: As Paredes de Blackwall e A Chegada de Legs!

por Luiz Santiago
25 views (a partir de agosto de 2020)

Legs Weaver apareceu pela primeira vez na revista de estreia de Nathan Never: Agente Especial Alfa, em junho de 1991. Quando a Sergio Bonelli Editore criou uma outra publicação dentro desse Universo, o título Nathan Never Especial, veio também a ideia de se publicar histórias secundárias para incrementar o número principal. Antes de ganhar seu título solo, Legs protagonizou três dessas histórias de 32 páginas: As Paredes de Blackwall (junho de 1993), Miragem (dezembro de 1993) e A Chegada de Legs! (novembro de 1994), que vieram acompanhando os números 2, 3 e 4 de Speciale Nathan Never. No presente compilado, trago as críticas para As Paredes de Blackwall e para A Chegada de Legs!.

.

As Paredes de Blackwall

Primeira exposição solo de Legs Weaver na Bonelli, As Paredes de Blackwall foi originalmente publicada no Especial Nathan Never #2 e traz um velho conhecido da personagem, que reaparece em sua vida depois de muitos anos. Este homem é Alexej Nanov, um camarada dos “dias de Blackwall“, uma prisão onde Legs foi encarcerada (sem ter cometido o crime, segundo ela) antes de ser contratada pela Agência Alfa. Alexej pede um favor à sua antiga companheira de prisão e ela se vê na obrigação de ajudá-lo, pois lhe tem uma grande dívida vinda daqueles anos de aprisionamento.

A história serve como uma breve exposição do passado de Legs, sendo marcada por algumas incongruências e simplesmente não emplacando. Antonio Serra procura narrar algo grande, mas atropela o presente dos personagens com uma terceira camada dramática que só atrapalha o encadeamento do enredo. Enquanto falamos apenas da vida de Legs, mesmo com as passagens pouco orgânicas entre os blocos, temos coisas interessantes a considerar. Isso e o fato de estarmos conhecendo melhor a personagem. Até aí, estamos “em casa”.

Já quando “a grande verdade sobre Alexej” aparece, é como se o roteiro abrisse um buraco de possibilidades que nunca se completam, porque a história é curta e não há tempo para explorar nada mais. De qualquer modo, a trama serve como um registro curioso da vida da personagem antes da Agência Alfa. Para quem quer conhecê-la melhor, em seus primeiros passos, vale a pena. Mas a trama em si não é grande coisa não.

Nathan Never Especial #2: La Mura di Blackwall (Itália, junho de 1993)
Editora original: Sergio Bonelli Editore
Roteiro: Antonio Serra (baseado em ideia concebida juntamente com Michele Medda e Bepi Vigna)
Arte: Ivan Calcaterra
Capa: Claudio Castellini
32 páginas

.

A Chegada de Legs!

Após o sequestro de May, Legs tem que enfrentar o desafio de um assassino profissional bastante incomum, um indivíduo que se denomina Phantom e que foi contratado para matá-la. A tarefa vem até do além – túmulo e a cliente é Tanja Terris, que Legs enfrentou no final da aventura passada, As Paredes de Blackwall. Todo o álbum tem a função de divulgar ao público a mudança no visual da personagem, antes da chegada de seu título solo. Aqui ela já aparece mais jovem e desenhada (por Guido Masala) com um estilo que remete aos mangás. A capa foi criada pelo que seria o desenhista oficial das copertini na série: Mario Atzori.

Tudo aqui parece ter sido feito para irritar o leitor num momento ou outro. O elemento sexista é enraivecedor, a história, que até poderia ganhar algo de interessante (pelo menos no começo há alguma promessa) se perde e o desfecho é simplesmente muito ruim, muito jogado. A contratação do tal Fantasma para matar Legs poderia receber um tratamento que fizesse jus à cliente que lhe deu a missão, mas isso não acontece. Definitivamente A Chegada de Legs! é a pior aventura do trio de tramas preparatórias para o título solo da agente Weaver.

Nathan Never Especial #4: Arriva Legs! (Itália, novembro de 1994)
Editora original: Sergio Bonelli Editore
Roteiro: Antonio Serra (baseado em ideia concebida juntamente com Michele Medda e Bepi Vigna)
Arte: Guido Masala
Letras: Viviana Spreafico
Capa: Mario Atzori
32 páginas

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais