Home QuadrinhosArco Crítica | Locke & Key – Vol. 1: Bem-Vindo a Lovecraft

Crítica | Locke & Key – Vol. 1: Bem-Vindo a Lovecraft

por Ritter Fan
269 views (a partir de agosto de 2020)

Joseph Hillström King, filho do meio de ninguém menos do que Stephen King, decidiu ingressar na vida literária sem depender diretamente do sucesso do pai, adotando o nom de plume Joe Hill em 1997. Tendo sua identidade secreta revelada em 2007, mesmo ano que publicou seu primeiro romance, Hill manteve o nome que escolheu e, ato contínuo, expandiu suas atividades para os quadrinhos logo no ano seguinte, lançando a primeira edição de Locke & Key em fevereiro de 2008, alcançando imediato sucesso.

E o sucesso foi mesmo merecido, já que, muito diferente de HQs comuns, que correm para entregar ao leitor uma recompensa muitas vezes sacrificando qualidade no processo, Hill decidiu trilhar o caminho mais difícil e contar uma história de queima lenta. Ao final de Bem-Vindo a Lovecraft, o primeiro volume da série composto por seis edições, a impressão que fica é que tudo não passou de um prólogo, de uma introdução a um fascinante universo que é apenas vislumbrado aqui.

Mas não se enganem. Quando digo “prólogo”, não quero de forma alguma rebaixar a obra ou afirmar que pouco ou nada acontece. Muito ao contrário, Hill mostra imediato gabarito para atiçar a curiosidade do leitor começando sua narrativa pelo brutal assassinato de Rendell Locke, pai de família, no que parece ser um assalto cometido por dois particularmente violentos adolescentes. Mas nada é o que parece ser em Locke & Key e Hill, usando narrativa não-linear, vai e volta no tempo para contar os detalhes do que aconteceu e para abordar as consequências da morte de Rendell para seus filhos Tyler, Kinsey e Bode, além de sua esposa, que acabam tendo que retornar para a mansão da família Locke, na cidade fictícia de Lovecraft, em uma ilha na costa de Massachusetts.

Tyler, o filho mais velho e de aparência física mais próxima do pai, debate-se sobre seu papel no assassinato e toda a culpa que sente pelo ocorrido. Kinsey, a filha do meio de personalidade forte, tenta tornar-se invisível em seu novo lar para justamente não ter que falar sobre seu passado. O pequeno Bode, por sua vez, é o primeiro a notar que a Keyhouse (ou Casa da Chave, em tradução direta, o que faz dobradinha com o nome Locke, já que “lock” significa tranca, daí o nome da HQ), nome que a mansão dos Locke tem, não é um lugar comum e que há chaves e portas muito especiais por ali que ele começa a destrancar com toda sua curiosidade de criança inocente. E, finalmente, há a matriarca que, apesar de ter razoavelmente pouco destaque nesse primeiro volume, carrega nos ombros a responsabilidade – quase paranoia – de proteger seus filhos de mais tragédia, o que cobra um alto preço físico e psicológico dela.

Mas o núcleo familiar e a forma como seus membros lidam com a dor da perda e com o trauma da violência não são os únicos enfoques de Joe Hill. Ao contrário, ele emprega um bom número de páginas para lidar com Sam Lesser, o assassino de Rendell. Preso na Costa Oeste, onde os Locke moravam, o criminoso se mostra peça-chave na narrativa e com uma conexão muito maior com a família do que é possível entrever no início da história. A cadência da narrativa de Hill é particularmente cirúrgica nesse lado da história, já que os acontecimentos com Lesser vão sendo conectados – passado e presente – com o que vemos desenrolar na Keyhouse, especialmente no que se refere às descobertas de Bode sobre as chaves e as trancas e, principalmente, sobre uma misteriosa entidade que reside em um poço proibido nos fundos da mansão. Claro que os contornos lovecraftianos de Locke & Key, que não são surpresa alguma, obviamente, vão sendo aos poucos intensificados e costurados aos conceitos estabelecidos pelo autor.

Em termos de construção de mundo, portanto, Bem-Vindo a Lovecraft é uma aula de narrativa. Joe Hill trata a HQ como um romance – mas entendendo e respeitando perfeitamente bem as características próprias de cada mídia – e costura uma história sólida, rica, extremamente violenta e repleta de surpresas muito interessantes que estabelecem um universo próprio e com ótima lógica interna. Há apenas uma conveniência de roteiro, envolvendo a forma como Bode encontra uma chave ao final, que não funciona de verdade e retira o leitor desse mergulho mágico por alguns momentos.

A arte de Gabriel Rodriguez, que estabeleceu prolífica parceria com Hill desde o início, é um achado, já que o desenhista consegue trabalhar com a mesma eficiência o mundano e o sobrenatural, especialmente quando suas amarras são soltas na Keyhouse, uma belíssima, mas assustador mansão gótica que tem todos os predicados clássicos da “casa mal-assombrada”. Seu domínio sobre a progressão narrativa é excelente mesmo diante das exigências de Hill com seu vai-e-vem temporal que é tão integral à trama quanto a mansão. O único senão é a tendência do artista em trabalhar as feições de seus personagens de acordo com suas características psicológicas, o que faz, por exemplo, com que Sam Lesser seja feio e os membros da família Locke bonitos, em um maniqueísmo que, pelo menos aqui, nesse volume, era desnecessário.

Bem-Vindo a Lovecraft é um delicioso aperitivo que afeta e envolve completamente o palato de quem o digere, aguçando a curiosidade sobre os pratos que serão servidos a seguir. Um incrível começo de história e um mais incrível ainda começo de carreira nos quadrinhos de um autor que definitivamente tem voz própria e não precisa do nome do pai para fincar-se nas artes.

Locke & Key – Vol. 1: Bem-Vindo a Lovecraft (Locke & Key – Vol. 1: Welcome to Lovecraft, EUA – 2008)
Contendo: Locke & Key: Welcome to Lovecraft #1 a 6
Roteiro: Joe Hill
Arte: Gabriel Rodriguez
Cores: Jay Fotos
Letras: Robbie Robbins
Editoria: Chris Ryall, Justin Eisinger
Editora original: IDW Publishing
Data original de publicação: fevereiro a julho de 2008
Editora no Brasil: Novo Século
Data de publicação no Brasil: outubro de 2017 (encadernado)
Páginas: 168

Você Também pode curtir

9 comentários

Roberson Fagundes 27 de fevereiro de 2020 - 09:53

Terminei de ler esse vol 1 e achei bem interessante. assisti a Série até o ep 4 , a mesma não é ruim ( somente o nucleo e os dramas adolescentes achei too much), depois de ler esse primeiro volume a crueza e o desenvolvimento aqui , não foram tão recompensadores quanto a série, acho que vou ficar somente com a HQ , que tem o tom de algo que me agrada mais.

Responder
planocritico 1 de março de 2020 - 14:22

Fazendo a comparação fria entre a HQ e a série, a HQ é MUITO, mas MUITO MELHOR. Vá fundo, pois tem muita coisa boa para acontecer nos volumes posteriores!

Abs,
Ritter.

Responder
Harley Quinn Emancipada 💋 7 de fevereiro de 2020 - 17:54

Ritter isso tem a ver com a série da Netflix ?

Responder
planocritico 7 de fevereiro de 2020 - 19:26

Sim. A série é uma adaptação dessa obra em quadrinhos.

Abs,
Ritter.

Responder
Ivan Juninho 27 de janeiro de 2020 - 12:15

Façam uma critica de Cujo – O Cão Raivoso.

Responder
planocritico 27 de janeiro de 2020 - 14:21

Você diz do livro do King? Só temos do filme.

Abs,
Ritter.

Responder
Ivan Juninho 27 de janeiro de 2020 - 14:21

Do livro.

Responder
planocritico 27 de janeiro de 2020 - 14:27

Pedirei ao nosso Rafael Lima, que é assíduo leitor de King.

Abs,
Ritter.

Responder
Ivan Juninho 27 de janeiro de 2020 - 14:27

Valeu. É um livro sensacional.

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais