Home TVEpisódio Crítica | Lucifer – 3X02: The One with the Baby Carrot

Crítica | Lucifer – 3X02: The One with the Baby Carrot

por Ritter Fan
144 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há spoilers. Leiam, aqui, as críticas dos demais episódios.

The One with the Baby Carrot parece decidido a nos lembrar que o grande e misterioso vilão da temporada, ou, pelo menos, deste começo de temporada, é o mítico Sinnerman cuja existência ninguém acredita a não ser o próprio Lúcifer. Suas razões para a crença, porém, são pessoais e, portanto, completamente egoístas.

Ah, e como poderia me esquecer? Há um outro objetivo para o episódio que é nos mostrar que a presença do Tenente Marcus Pierce, como havia mencionado anteriormente, não é simplesmente adicionar mais um personagem à história. Por seu intermédio é que temos a confirmação de que Sinnerman realmente existe, já que os dois tiveram embates em Chigado que levaram à morte de alguém querido de Marcus. Ou pelo menos é isso que ele conta a Lúcifer, na mesma toada pedindo para ele desistir de sua obsessão de encontrar o sujeito.

Claro que qualquer espectador minimamente calejado em séries de TV certamente teve seu “sentido de aranha” berrando dentro da cabeça. Tudo leva a crer que Marcus ou trabalha para Sinnerman ou é o próprio (impossível deixar de ver a relação fonética e até semântica entre Sinnerman e Superman, não?), ainda que tudo o que ele tenha dito também possa ser verdade. Com isso – e se for isso mesmo – a temporada começa com um mistério como pano de fundo que é sensivelmente mais interessante do que imaginava, com a inclusão mais orgânica de um personagem que, temia, poderia ter acontecido exclusivamente com objetivos de marketing de forma a aproveitar a fama quase esquecida de Tom Welling como o Superboy de Smallville.

Mas essa relação misteriosa de Lúcifer com Marcus é mantida em segredo. Na superfície, a série volta ao seu formato procedimental, com Chloe tentando solucionar o assassinato de um comediante que ainda tentava o sucesso na cidade. A investigação leva até o comediante de sucesso Bobby Lowe (Kevin Christy) que teria roubado as piadas do falecido e, conforme conclusões de Chloe e especialmente de um afobado Lúcifer teria assassinado o rival quando ele ameaçou trazer à tona provas da desonestidade de Lowe.

Com o envolvimento de Ella na história para além de uma mera análise médico-legista, já que ela é fã de carteirinha do comediante e duvida que ela tenha roubado as piadas, a dinâmica do trio se mostra interessante, ainda que o relacionamento em si entre Chloe e Lúcifer permaneça estranhamente distante, como se a aproximação romântica dos dois na temporada anterior nunca tivesse acontecido. Parece que o showrunner decidiu varrer a linha narrativa anterior completamente para debaixo do tapete, involuindo a série para um estágio mais inicial, menos complexo.

E não achem com isso que eu gostaria de ver os dois romanticamente envolvidos. Ao contrário, achei a possibilidade disso acontecer equivocada, mas é ingênuo imaginar que não aconteceu. No lugar de tentar desenvolver a narrativa, mesmo que fosse para que os dois permanecessem separados depois de acontecimentos lógicos, Joe Henderson mantém a temporada estranhamente silente sobre esse aspecto, o que inevitavelmente causa estranhamento no espectador.

Pelo menos, aqui, o roteiro do próprio Henderson estabelece essa boa dinâmica entre os três investigadores, com Dan sendo usado quase que cruelmente como bode expiatório na sequência em que ele é humilhado no palco por Lúcifer como parte improvisada do plano de atrair um possível assassino, alguém que teria um micro-pênis e que, claro, leva a um sem-número de piadas fáceis, mas razoavelmente sem graça, por Lúcifer. Tom Ellis definitivamente não parece ter encontrado seu tom.

Com a ausência de Maze da série em razão da gravidez de Lesley-Ann Brandt, muito da construção dos personagens coadjuvantes se perdeu e, neste episódio, o roteiro tenta consertar o problema estabelecendo um relacionamento mais aprofundando entre Linda e Amenadiel, com o último tentando entender a natureza da provação a que ele acha ter sido submetido por seu Pai. Confesso que a química entre os dois funciona, mas que a história que os une – as asas que Lúcifer repetidamente insiste em cortar – parece um pouco deslocada e usada mais como filler do que como algo que parece ter um propósito. No entanto, se o objetivo for criar um triângulo amoroso também entre os coadjuvantes da série, assim como ele existe entre Lúcifer, Chloe e Dan, pode ser que o artifício, apesar de repetitivo, funcione quando Brandt voltar.

Pouco inspirado, mas funcional ao estabelecer de vez a presença – ainda ausente – do vilão Sinnerman e o que parece ser o verdadeiro objetivo da presença de Tom Welling na série, The One with the Baby Carrot é mais um daqueles episódios da série que coloca o “caso da semana” na frente da história maior. Considerando o que parece ser um tamanho exagerado para a temporada, o que me faz esperar por vários fillers, até que o resultado final foi satisfatório, ainda que pouco empolgante.

Lucifer – 3X02: The One with the Baby Carrot (EUA – 09 de outubro de 2017)
Desenvolvimento: Tom Kapinos (baseado em personagem criado por Neil Gaiman, Sam Keith e Mike Dringenberg)
Showrunner:  Joe Henderson
Direção: Louis Milito
Roteiro: Joe Henderson
Elenco principal: Tom Ellis, Lauren German, Kevin Alejandro, D.B. Woodside, Lesley-Ann Brandt, Aimee Garcia, Tom Welling, Rachael Harris
Duração: 44 min.

Você Também pode curtir

2 comentários

JC 21 de outubro de 2017 - 13:42

O episódio mais chato até agora de Lucifer. Lutei pra terminar de assistir sem dormir.
Nossa.

Responder
planocritico 21 de outubro de 2017 - 14:10

Eita! Achou tão chato assim? Eu gostei, ainda que esteja longe de ser realmente bom.

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais