Home FilmesCríticas Crítica | Macbeth: Ambição e Guerra

Crítica | Macbeth: Ambição e Guerra

por Lucas Nascimento
219 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 3,5

Ser ou não ser um admirador de William Shakespeare? Confesso que nunca fui um grande estudioso do cultuado escritor inglês, e meu conhecimento sobre suas obras limita-se a alguns filmes, paródias e Casas da Árvore do Horror dos Simpsons. Este Macbeth: Ambição e Guerra é meu primeiro contato direto com esta obra específica e, se não conhecia por completo sua história, saio do longa de Justin Kurzel sabendo menos ainda.

A trama certamente é conhecida pela maioria, mas vamos lá a um breve sumário. Macbeth (Michael Fassbender) é um general do exército da Escócia que acaba encontrando três bruxas em um campo de batalha. Lá, elas profetizam que, após uma série de conquistas, ele se tornará o novo Rei. Com o apoio de sua esposa, Lady Macbeth (Marion Cotillard), os dois começam a planejar uma sangrenta tomada de poder.

Primeiramente, vamos deixar bem claro que William Shakespeare é um dos mais importantes nomes da literatura inglesa mundial. Seu trabalho na elaboração de narrativas e construção de personagens é incomparável, servindo de referência para qualquer escritor contemporâneo interessado em contar uma boa história. Mas se há um elemento que definitivamente não funciona para mim nas adaptações cinematográficas é a linguagem. O inglês medieval é bonito e dramático se lido nas páginas de papel ou proclamado em um vasto teatro, mas na condução de Justin Kurzel torna-se algo que pode facilmente distrair e incomodar o espectador durante a progressão da história (confesso que precisei usar uma colinha para compreender alguns pontos da obra). Fatores que também me atrapalharam até mesmo em adaptações mais “modernas”, como Romeu + Julieta e Muito Barulho por Nada.

Isso também desacelera o ritmo, que acaba deixando os enxutos 110 minutos parecerem ainda mais desgastantes, além de um desenvolvimento melhor de seus personagens desaparecer: Macbeth torna-se rei, mas em momento algum vemos algum tipo de questionamento, reflexão ou comentário por parte deste ou de algum outro personagem. E entendo que isso é uma característica essencialmente teatral, mas chega a incomodar ver Macbeth constantemente falando o que sente e pensa ao invés de simplesmente demonstrar (vide seu monólogo após a morte de Lady Macbeth), já que esta é uma arte audiovisual. Mas reconheço que, mesmo encaixando-se na categoria citada agora, a frase “Minha mente está cheia de escorpiões” seja entregue com perfeita precisão e dramaticidade.

No entanto, tal dialética favorece o excelente elenco. Michael Fassbender faz um Macbeth intenso, mas ao mesmo tempo contido; sua performance durante sua fase delirante não é caricato, mas sim realista. Cotillard faz uma Lady Macbeth memorável, e proclama com desejo e profundidade as palavras do texto, mas o roteiro infelizmente não consegue equilibrar sua presença na trama: começa manipulando eventos e o próprio protagonista à sua vontade, mas termina como uma figura desvanecida e sem pouca importância – e com nada da loucura pela qual a personagem é famosa. Vale também apontar o ótimo Sean Harris como Macduff.

Visualmente, reside o grande trunfo da produção. Kurzel revela-se um diretor criativo e com bom olho para planos elaborados e fortes, sendo especialmente feliz na condução das cenas de batalha: além de um uso certeiro de slow motion, Kurzel e o diretor de fotografia Adam Arkapaw valorizam a névoa das paisagens escocesas, chegando ao ponto de extrapolá-las ao preenchê-las com uma lúdica coloração vermelha; marcando o clímax do confronto final entre Macbeth e Macduff. Ajuda também a fantástica trilha sonora de Jed Kurzel, que adota uma clara influência escocesa para seus acordes (mas nada parecido com Barry Lyndon, por exemplo) que ora valorizam o drama, ora explodem de forma operática para os momentos mais violentos; o assassinato do Rei Duncan é o ponto alto, ainda mais pela montagem intrínseca que remete diretamente à Apocalypse Now.

Macbeth: Ambição e Guerra é uma produção vibrante do ponto de vista estético e certamente deve agradar aos admiradores profundos de William Shakespeare, mas ainda fica claro que – pelo menos para mim – a transposição literal do diálogo medieval da obra não funciona em uma obra cinematográfica.

Macbeth: Ambição e Guerra (Macbeth, 2015 – Inglaterra)
Direção: Justin Kurzel
Roteiro: Jacob Koskoff, Michael Lesslie, Todd Louiso
Elenco: Michael Fassbender, Marion Cotillard, Sean Harris, David Thewlis, Elizabeth Debicki, Paddy Considine, David Heyman, Jack Reynor
Duração: 118 min

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais