Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Major Grom (2017)

Crítica | Major Grom (2017)

por Ritter Fan
1181 views (a partir de agosto de 2020)

O curta-metragem russo Major Grom nasceu como uma demonstração da viabilidade cinematográfica da adaptação das HQs do policial rebelde e lotado em São Petersburgo Igor Grom, escritas por Artyom Gabrelyanov e Evgeny Fedotov para a Bubble Comics. O objetivo final era mostrar a possíveis investidores que um longa cinematográfico era o próximo passo lógico, tanto que muito foi investido não só no curta, como também em sua exibição em 2017 em locais de prestígio como a Berlinale e a San Diego Comic-Con, além da televisão russa. O longa que resultaria daí, Major Grom contra o Dr. Peste, demorou bem mais tempo do que o previsto para finalmente ser lançado, mas essa é outra história.

O que interessa, no momento, é verificar que o curta de pouco menos do que 30 minutos é de fato uma experimentação, uma mini história de ação sem nenhuma preocupação com desenvolvimento de personagens e que tem como grande atrativo dois artifícios, um visual e outro narrativo que são os supostos diferenciais da produção. Mas, antes de abordá-los, é perfeitamente visível o esmero da direção de arte na construção quase que completamente do zero do interior de um banco e seu cofre subterrâneo, além de um prédio histórico em reparos, que são os cenários da obra.

O que o espectador imediatamente percebe é qualidade pelo menos nesse quesito visual. Sim, é  bem verdade que tudo é certinho e limpinho talvez demais para ser próximo do realista, mas realismo não é uma preocupação aqui. O que realmente importa é o deslumbramento que os cenários, especialmente o primeiro, ou seja, o interior térreo do banco sendo assaltado por uma trinca de homens com máscaras de hóquei da animação russa Puck! Puck! e aqueles tenebrosos agasalhos vermelhos clássicos da Adidas.

Em seguida, o que temos é o segundo artifício, dessa vez o narrativo, quando Igor Grom (Aleksandr Gorbatov), por acaso no banco, resolve interferir e a pancadaria começa. A brincadeira é repetir as situações exaustivamente, pois Grom, antes de agir, pensa exatamente no que fará e imagina todas as consequências, seja para ele, seja para terceiros inocentes. Esse é, diria, o “tchan” do curta, algo que vem acompanhado por uma técnica de filmagem simpática, mas desnorteadora, que permite planos-sequência em 360º, além do constante uso de ângulos de câmera radicais. Em outras palavras, temos, aqui, um clássico exemplo de forma sobre substância que, enquanto a ação permanece no banco, revela muita competência por parte do diretor e co-roteirista Vladimir Besedin.

O problema vem quando a ação é deslocada do banco para um prédio histórico passando por reparações, pois o que era diferente e dinâmico ao ponto de não deixar o espectador pensar muito, torna-se genérico e razoavelmente lento, abrindo espaço para que seja possível verificar os problemas que se resumem a uma história inexistente e uma coreografia de chutes e socos que não funciona sem a ajuda de uma câmera enlouquecida que, de certa forma, chama atenção mais para si mesma do que para os chutes, socos e tiros. Continuam sendo minutos divertidos, não tenham dúvida, mas eles são consideravelmente menos engenhosos do que os primeiros 20 minutos na estrutura do banco.

Como test drive de direção de arte, fotografia e coreografia, Major Grom cumpre sua função com louvor e convence qualquer um que a equipe de produção mereceria uma chance de levar o personagem dos quadrinhos para uma versão em longa-metragem. Como curta autocontido, ele funciona apenas bem o suficiente para divertir por alguns minutos e ser esquecido em seguida, mesmo considerando os impressionantes aspectos visuais que mencionei inicialmente.

Confiram o curta aqui:

Major Grom (Mayor Grom – Rússia, 2017)
Direção: Vladimir Besedin
Roteiro: Vladimir Besedin, Artyom Gabrelyanov (baseado em criação de Artyom Gabrelyanov e Evgeny Fedotov)
Elenco: Aleksandr Gorbatov, Ivan Fominov, Anton Kuznetsov, Oysel More Despaygne, Danila Yakushev, Vitaliy Alshanskiy, Anatoliy Koshcheev, Kirill Ulyanov, Evgeniya Shcherbakova, Yekaterina Kulikova, Ulyana Kulikova
Duração: 29 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais