Home TVEpisódio Crítica | Mayans M.C. – 3X04: Our Gang’s Dark Oath

Crítica | Mayans M.C. – 3X04: Our Gang’s Dark Oath

por Ritter Fan
1184 views (a partir de agosto de 2020)
  • spoilers. Leia, aqui, as críticas dos demais episódios.

O caminho sombrio por que os Mayans caminham nesta 3ª temporada parece não ter fim. Muito ao contrário até, ele fica cada vez mais escuro, mais sufocante, mais sem saída, como se as paredes estivessem se fechando ao redor de cada um deles. Sei que estou me repetindo – ou tentando encontrar outra maneira de dizer o que já disse antes -, mas é impressionante como Elgin James não alivia em momento algum, só deixando a luz entrar pela janela para iluminar um rosto bonito por breves segundos que servem exatamente para contrastar com tudo ao redor e, principalmente, para dizer que mesmo essa visão do sol é efêmera e um potencial aviso de desgraça.

Afinal, com exceção da conexão de pai e filha que Gaby estabelece com Felipe e que a leva a alegremente ajudá-lo a limpar seu açougue em uma sequência que é o oásis no deserto que é Our Gang’s Dark Oath, o restante é assustador e verdadeiramente niilista, algo que o assassinato de Vicki que antes entregara os Mayans e o corpo de Montez, que antes ameaçara os Mayans, na sede do clube muito claramente reafirmam. E isso vem em seguida a uma tentativa frustrada de golpe por parte de Bishop que, agora, parte para uma desesperada tentativa que é batizada da pior forma possível: A Ponte do Rio Kwai. Considerando o clássico de David Lean, resta saber se o líder dos Mayans de Santo Padre é o obsessivo Nicholson ou sua contrapartida japonesa ou o aventureiro suicida Shears. De uma forma ou de outra, parece que a situação tenderá a piorar antes de que um vislumbre de melhora – que cada vez descarto mais – surja por entre os escombros.

Do lado mais pessoal de diversos personagens, a coisa não poderia ser pior também. Coco continua sua jornada por todos os círculos do inferno, agora sendo joguete na mão do grupo que quer que ele furte cocaína; Bishop, com a proximidade do aniversário de morte de seu filho mais novo parece cada vez mais perdido; Emily, querendo chamar atenção do marido, fazendo-o reagir a algo depois de rejeitá-la sexualmente, cria uma crise familiar grave ao tentar retirar todos os traços de Dita da casa; e Angel e Adelita precisam confrontar-se e encarar o que eles viveram e o bebê que, provavelmente, jamais verão novamente. Além disso tudo, claro, temos EZ que, retomando a linha narrativa que é o gatilho de toda a série, mostra o quanto teve que suprimir durante os anos de prisão, algo que ele não só diz para Alicia fazer, como, ao ser indagado por ela sobre como voltar a ser o que era antes, não tem resposta. E essa ausência de resposta é vista na prática quando ele próprio, diante da melhor coisa em sua vida, a doce Gaby, não consegue vencer a barreira que o impede de voltar a ser o homem que um dia foi.

E, com isso, algo muito importante e que por muito tempo faltou na série, ganha completamente sedimentação: o desenvolvimento maior dos demais membros dos Mayans que não apenas os irmãos Reyes. Diferente de Sons of Anarchy, que era muito mais intramuros no clube do título, Mayans M.C. tinha foco majoritariamente na dupla EZ e Angel em oposição aos integrantes do Cartel Galindo, não havendo muito espaço para os demais personagens, talvez com exceção de Coco. Nesta terceira temporada, não só Coco ganha contínuo desenvolvimento, ainda que pintando um quadro terrível sobre sua vida torturada, como Bishop passa a ser alguém mais relevante do que apenas o líder do grupo. Isso já vinha acontecendo vagarosamente, claro, mas, aqui, ele realmente passa a ser um personagem mais complexo, carregando a dor da perda de um filho e uma necessidade de firmar-se como mais do que ele é, o que também pode significar seu fim trágico como é o caso do que parece se avizinhar de Coco.

Não chegamos nem mesmo na metade da temporada e Elgin James realmente não parece disposto a se contentar com trivialidades, acelerando seu clube de motocicletas na direção de um paredão de concreto cujo impacto parece inevitável e repleto de ramificações terríveis. Como mais ou menos na mesma altura da temporada anterior, não tenho a mais remota ideia de como a temporada conseguirá se sustentar por mais seis episódios sem implodir em razão da incrível pressão que as forças sombrias exercem sobre sua infraestrutura e isso é ótimo!

Mayans M.C. – 3X04: Our Gang’s Dark Oath (EUA – 30 de março de 2021)
Showrunner: Elgin James
Direção: Brett Dos Santos
Roteiro: Bryan Gracia, Sara Price
Elenco: J.D. Pardo, Sarah Bolger, Clayton Cardenas, Michael Irby, Carla Baratta, Richard Cabral, Raoul Trujillo, Danny Pino, Edward James Olmos, Emilio Rivera, Emily Tosta, Sulem Calderon
Duração: 52 min.

Você Também pode curtir

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais