Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | MIB – Homens de Preto

Crítica | MIB – Homens de Preto

por Ritter Fan
414 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 4

Baseado em bem-sucedidos quadrinhos homônimos noventistas de Lowell Cunningham (que co-escreveu o roteiro) e Sandy Carruthers, publicados originalmente pela finada Aircel Comics, que foi comprada pela Malibu Comics que, por sua vez, foi adquirida pela Marvel Comics, MIB – Homens de Preto ajudou a catapultar as carreiras de Will Smith e Tommy Lee Jones ao retirar a seriedade da obra original e transformar a premissa em uma desculpa para colocar nas telonas uma comédia sci-fi com amplas pitadas de buddy cop que, por incrível que pareça, resistiu bem ao teste do tempo. Barry Sonnenfeld, depois de sedimentar-se na cadeira de diretor por meio de A Família Addams 1 e 2, Por Amor ou por Dinheiro e O Nome do Jogo, faz o que reputo ser seu último trabalho de qualidade para o cinema, entregando uma divertida, mas ao mesmo tempo relevante obra que sabe extrair o que de melhor seu elenco tem para oferecer.

Imigração ilegal é um problema talvez ainda mais presente – ou mais abertamente discutido – hoje do que em 1997, expandindo-se para muito além das fronteiras americanas. Atualmente, quando falamos no tema, além do clássico e estereotipado mexicano tentando levar uma vida melhor nos EUA, também lembramos, muito vivamente, dos graves problemas dos diversos êxodos de zonas de guerra que trazem enormes e insolúveis problemas para o mundo. No caso de Homens de Preto, a abordagem da questão dos imigrantes ilegais é escancarada, mas com uma adocicada camada de glacê por cima que acaba suavizando a narrativa, mas sem retirar dela a pegada crítica com uma agência especia l cuja função é controlar e camuflar o afluxo de alienígenas na Terra, a maioria deles morando em Nova York, o que é muito conveniente para a película ao mesmo tempo que é perfeitamente crível, considerando o caldeirão étnico que é a cidade. O veterano Agente K (Jones) recruta o novato Agente J (Smith) para, juntos, impedirem a destruição da Terra.

E, com essa premissa enganosamente simples, as piadas vêm quase que naturalmente. Vemos, aos borbotões, as mais divertidas gags com a imigração ilegal, começando com a abertura da projeção em que testemunhamos um “coiote” atravessando a fronteira dos Estados Unidos carregando uma leva de mexicanos, sendo um deles literalmente um alienígena. E, como nos melhores filmes de “dupla de policiais”, a diferença entre as gerações dos Agentes K e J também permite uma boa quantidade de divertidos momentos, com os dois atores muito à vontade em seus papeis.

Aliás, a química entre Jones e Smith é perfeita e a chave para o sucesso do filme, mesmo que seus papeis sejam basicamente recortes em cartolina do que esperamos desse choque de gerações, com todos – absolutamente  todos – os clichês que vêm à reboque em situações parecidas. O Agente K, como a própria personalidade de Jones exige, é sisudo, sério e faz tudo conforme as regras. O Agente J, claro, é exatamente o oposto, sem tirar nem por aquilo que classicamente esperamos de um papel de Will Smith. Mas a relação dos dois é agradável de ver, muito na linha da conexão entre Murtaugh (Danny Glover) e Riggs (Mel Gibson) na já clássica franquia oitentista Máquina Mortífera.

No entanto, o elenco de apoio que gravita ao redor da dupla principal também está de parabéns, notadamente a participação de Rip Torn, como o Agente Z (ou Zed, como queiram), o chefe da agência, e da sensual Linda Fiorentino como Laurel, uma médica legista que acaba se envolvendo inadvertidamente com a surreal situação. Além disso, para fechar o elenco, há o sempre fenomenal Tony Shalhoub (pré-Monk) como o alienígena Jeeb e o ameaçador Vincent D’Onofrio (pré-Law & Order) como o corpo que o grande vilão cascudo usa para por em movimento seu plano de aniquilação global em duas performances que fazem belíssimo uso de efeitos práticos e de CGI.

Falando em efeitos especiais e como já afirmei na abertura da presente crítica, é muito interessante ver como, depois de mais duas décadas, eles se mantiveram relativamente intactos e isso considerando que o filme apoia-se muito neles para realmente funcionar e dar vida às mais variadas versões de E.T.s. Talvez a explicação repouse no equilíbrio entre efeitos práticos e CGI, estes últimos feitos principalmente pela ILM, antes do aumento do uso desse tipo de recurso que tornou quase impossível uma só empresa de computação gráfica lidar com um filme inteiro. É evidente , porém, que em determinadas cenas, como a do tumultuado parto cefalópode feito pelo Agente J, a idade fique mais saliente. Em compensação, porém, em outros momentos, como na catastrófica sequência final, não haja do que realmente reclamar.

Ajudou muito também o fato de que o trabalho de próteses e de maquiagem tenham sido responsabilidade do mítico Rick Baker (de Star Wars, Grito de Horror e dezenas de outros clássicos) que certamente encontrou em MIB um vasto playground para literalmente colocar a mão na massa e soltar sua imaginação fértil e suas incríveis habilidades em tornar o impossível em algo perfeitamente crível. Basta ver, por exemplo, o grande vilão do filme que “veste” a pele de um humano (D’Onofrio), resultando em um trabalho daqueles que levam à repugnância e admiração simultaneamente e que, verdade seja dita, põe no chinelo o que poderia ser feito mesmo hoje em dia com bits e bytes.

A trilha sonora é outro ponto forte do filme e digo isso mesmo considerando que tenho sérias reticências com Danny Elfman, considerando-o um dos compositores mais repetitivos e genéricos da Sétimas Arte. No entanto, em Homens de Preto ele nos apresenta algo realmente memorável que funciona muito bem dentro do ritmo da película. A música tema, usada na já famosa abertura da “libélula”, fica na cabeça do espectador e lembra o filme tanto quanto os uniformes e atuações do elenco estelar.

Homens de Preto, mesmo depois de tantos anos, diverte e satisfaz o espectador com seu humor perspicaz, narrativa cativante e uma dupla principal inspirada e perfeitamente azeitada. E isso sem contar com os variadíssimos alienígenas e as inteligentes pontas que marcam a história sem, porém, transformá-la em uma caça obsessiva às referências.

  • Essa crítica é uma republicação, com profundas alterações, de minha crítica originalmente publicada no site em 2012.

MIB – Homens de Preto (Men in Black – EUA, 1997)
Direção: Barry Sonnenfeld
Roteiro: Lowell Cunninghan, Ed Solomon
Elenco: Tommy Lee Jones, Will Smith, Linda Fiorentino, Vincent D’Onofrio, Rip Torn, Tony Shalhoub, Siobhan Fallon, Mike Nussbaum, Jon Gries, Sergio Calderón, Carel Struycken, Fredric Lehne, Richard Hamilton
Duração: 98 min.

Você Também pode curtir

14 comentários

vc falou em pipoca? 11 de junho de 2019 - 15:46

Já tinha me esquecido desse filme
https://i.ytimg.com/vi/JeL5nRGFmos/maxresdefault.jpg

Responder
planocritico 11 de junho de 2019 - 15:46

Ah, ele é bem legal!

Abs,
Ritter.

Responder
vc falou em pipoca? 11 de junho de 2019 - 16:10

Quando tento lembrar aparece um pessoal de terno com um negócio que pisca e eu acordo na cama

Responder
planocritico 11 de junho de 2019 - 17:09

Agora peguei a referência!!!

Mas já me esqueci…

Abs,
Ritter.

Responder
vc falou em pipoca? 11 de junho de 2019 - 17:09

esqueceu oq?

planocritico 11 de junho de 2019 - 17:18

Não lembro…

Abs,
Ritter.

CrazyDany 13 de junho de 2019 - 00:06

Tente evitar boates

Responder
Daniel Barros 11 de junho de 2019 - 11:34

Crítica da crítica sobre um filme que merece.
MIB é sensacional, mas com as sequências a gente pode usar o neuralizador.

Responder
planocritico 11 de junho de 2019 - 12:15

@disqus_dcZDZO9Mmq:disqus , exato. Esse é o único filme realmente bom. Ok, não vi o novo ainda, mas estou com os dois pés atrás…

Abs,
Ritter.

Responder
vc falou em pipoca? 11 de junho de 2019 - 17:09

eu curti todos, mas só de comparar os efeitos do primeiro com o novo já dá um desânimo

Responder
Alison Cordeiro 10 de junho de 2019 - 20:39

Ritter Rogers voltando na linha do tempo para consertar uma crítica? Heheheh

Ótimo filme, Will Smith e Tommy Lee Jones fazendo uma parceria clichê do que jeito que tem que ser feito. O melhor da franquia para mim.

Responder
planocritico 10 de junho de 2019 - 22:39

Voltei no tempo mesmo! Estava assustadora a versão original!

E sobre ser o melhor da franquia, diria mais: é o único bom (mas não vi o novo ainda e não sei se verei…).

Abs,
Ritter.

Responder
Diogo Maia 23 de novembro de 2015 - 18:14

Engraçado, pra mim o filme envelheceu mal e a maioria das cenas cômicas envolvendo o Will Smith e suas falas de uma linha não funcionam mais. Porém, em contrapartida, quando eu era menor esse era um dos meus favoritos.

Responder
planocritico 23 de novembro de 2015 - 18:41

@diogo_maia:disqus talvez o filme tenha envelhecido bem para mim pois, quando o assisti pela primeira vez, já era adulto. Pode ser uma questão de percepção criança versus adulto mesmo.

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais