Home QuadrinhosOne-Shot Crítica | Mister No – Especial Vol.2: Homens na Selva

Crítica | Mister No – Especial Vol.2: Homens na Selva

por Luiz Santiago
1 views (a partir de agosto de 2020)
plano critico capa mister no homens na selva especial

Em um sentido geral de construção narrativa, Homens na Selva (1987), segundo Especial de Mister No (seguindo-se a Magia Negra) tem um resultado final bem mais interessante. Nesta edição, com roteiro de Guido Nolitta e fantástica arte e capa de Roberto Diso, o piloto americano radicado no Brasil está passando “umas férias” em Caracas e ali é contratado por um jornalista para procurar um explorador dado a extremismos, que se perdeu no rio Orinoco. O contato é feito de maneira rápida, já na terceira página da revista, após o contexto geográfico e o status atual de Mister No e a história se desenvolve a partir dessa missão entregue logo de cara.

Desde a sua estreia nos quadrinhos, com o arco formado por Mister No e Amazônia (1975), Jerry Drake tem uma premissa de aventuras que mescla exploração territorial, encontro com um leque de pessoas de diferentes alinhamentos morais, e perigos de morte que vão ganhando novas camadas à medida que a aventura avança. Em essência, são histórias de busca, perigo e elevação do personagem a um certo “super-heroísmo”, dada a sua capacidade de se safar das coisas mais complicadas e aparentemente impossíveis, como as que ocorre nesta edição — especialmente na cena do tiro que recebe, mas que gera apenas um ferimento do qual o personagem rapidamente se recupera.

Toda a missão de busca pelo explorador perdido tem um quê de armadilha. O fato de o jornalista esconder informações o tempo inteiro também é um indício disso, mas o leitor só começará a fazer as devidas ligações quando a resposta está prestes a ser dada, o que de modo algum atrapalha a experiência, já que o roteiro de Nolitta consegue passar de um elemento problemático para outro sem maiores problemas… com exceção da sequência final, com Mister No fazendo o seu pequeno show de exposição dos bandidos na TV e assumindo a narrativa jornalística para a população venezuelana, enfrentando os farsantes e criminosos ao vivo.

mister no homens na selva capa original especial bonelli

Toda a caminhada pela amazônia venezuelana, a relação com as tribos indígenas e o uso dos rios e outros elementos geográficos do local para desenvolver a história são as melhores coisas de Homens na Selva. A arte de Roberto Diso mostra o grupo de exploradores cercados pela natureza que o tempo inteiro oferece perigos e consegue contrastar visualmente os momentos de agilidade, briga e fuga com os de caminhada pela mata, caça ou atividades tranquilas como acampamento e observação atenta do local. Mesmo perdendo um pouco a mão na cena dentro da rede de TV (ou seja, as 10 páginas finais), o enredo aqui é extremamente cativante e repleto de boas cenas. Uma aventura na selva com abordagem quase literária (daqueles livros de exploração territorial, da categoria de Dersu Uzala), e que consegue dar conta de forma aplaudível do seu objetivo principal.

Speciale Mister No #2: Uomini nella giungla (Itália, junho de 1987)
Publicação original:
 Sergio Bonelli Editore
No Brasil: Editora 85 (2018)
Roteiro: Guido Nolitta
Arte: Roberto Diso
Capa: Roberto Diso
140 páginas

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais