Home QuadrinhosArco Crítica | Monstress – Vol. 1: Despertar

Crítica | Monstress – Vol. 1: Despertar

por Kevin Rick
391 views (a partir de agosto de 2020)

Despertar, o primeiro arco de Monstress, não hesita em deixar você saber que este é um mundo alternativo onde a magia existe, uma guerra destruiu tudo que assemelhava paz e harmonia, e existem bruxas, artefatos mágicos e criaturas fantásticas, porém, a dupla de criadoras, Marjorie Liu e Sana Takeda, usam do extraordinário para criar uma obra que expõe horrores reais como preconceito, tortura e escravidão. Nesse mundo devastado, facções surgiram como os Arcanics de Maika, e a poderosa Cumaea, constituída de bruxas. Maika é meio humana, meio monstro com alguns poderes que ela não pode controlar totalmente. Poderes que invocam uma besta dentro dela, denominada de Monstrum, que mudou o curso das batalhas no passado, como a tão mencionada Batalha de Constantine.

Junot Díaz disse o seguinte sobre raça e representação na mídia: “Vocês sabem sobre vampiros? … Você sabe, os vampiros não têm reflexos no espelho? Existe essa ideia de que os monstros não têm reflexos em um espelho. E o que eu sempre pensei não é que monstros não têm reflexos em um espelho. É que se você quer transformar um ser humano em um monstro, negue a ele, no nível cultural, qualquer reflexo de si mesmo. E crescendo, eu me senti como um monstro em alguns aspectos. Eu não me vi refletido de forma alguma.” Um monstro é um monstro porque sempre foi ou porque apenas foi dito que isso é o que pode ser? De vampiros a lobisomens, aberrações a párias, criamos monstros perpetuamente no Outro. O incognoscível é aterrorizante – isso até você se encontrar como o desconhecido. Bárbaro, selvagem, alienígena, monstruoso são palavras usadas para despojar comunidades inteiras de sua humanidade. As forças imperialistas e colonialistas sempre consideraram aqueles que invadiram menos do que humanos, a fim de justificar o tratamento desumano que infligiram àqueles que conquistaram. Se lhe disserem que você é um monstro por tempo suficiente, você começa a acreditar.

SPOILERS!

Monstress lida com a dor que resulta da violência da desumanização. É uma dor de si mesmo, mas também uma dor de memória e uma dor de história. É uma dor ancestral vivida e suportada por gerações. A protagonista de Monstress, Maika, luta para sobreviver ao mesmo sentimento absoluto de perda: sem casa, sem família, sem história. Mas, embora seja uma obra sobre sofrimento, ela também é, em sua essência, uma história sobre cura. Como vivemos após o trauma? Como podemos continuar quando não temos nada? Para Maika, a resposta é dupla.

O primeiro é uma reclamação, uma busca e declaração de sua própria verdade. Ela persegue seu passado para descobrir o que foi escondido sob anos de mentiras destinadas a fabricar uma realidade alternativa que sirva aos que estão no poder. É uma busca que todos os indivíduos cuja história foi modificada e mercantilizada por livros de história e projetos raciais cuidadosamente selecionados estão familiarizados. O segundo é a comunidade. Maika não é uma heroína solitária. Ela está sempre na companhia de outras pessoas – mulheres jovens, meninas que oferecem seus conselhos, procuram protegê-la ou a quem ela protege. Ela não é uma anti-heroína rude e desalinhada que recusa ajuda e companhia. Quando um fugitivo assustado a segue após ela libertar seus companheiros prisioneiros de seus captores, Maika não demonstra nenhuma relutância ou frustração, mas em vez disso, diz a ele para pegar em armas e seguir.

Ressaltamos a representação das mulheres em todas as formas de mídia, especialmente mais da representação positiva quando se trata de quadrinhos. Há mulheres presentes? Que tipo de mulher? Como elas são escritas? Embora seja tão fácil procurar personagens femininas legais na mídia que consumimos, é ainda mais fácil para os escritores nos dar a garota que cai no velho tropo de “personagem feminina forte”. Você conhece a garota que arrasa, chuta bundas e fica ótima fazendo isso, mas acaba se resignando a um interesse amoroso e/ou chutando muito menos bunda depois. Posso avisar que Maika está sendo desenvolvida além desses clichês. Ela tem momentos de raiva além de vulnerabilidade. Há mais coisas sobre ela do que o que ela está apresentando, e Marjorie Liu nos faz ansiar por querer descobrir as profundezas de sua protagonista.

Durante esse arco inicial vemos Maika literalmente enfrentar seu monstro interior. Ao longo das seis edições, nós a observamos crescer e aprender como trabalhar e conter o Monstrum dentro dela. Também vemos a relação entre esses dois avançando, à medida que os dois começam a se entender. Esta iluminação pessoal que Maika experimenta a leva a um caminho onde ela pode finalmente ver alguma esperança e luz através do desespero e da escuridão. Parece que estamos observando ela descobrir um novo entendimento sobre seu lugar neste mundo e como ela pode moldar e formar seu próprio destino. Toda essa jornada é acompanhada de perto pela violência que não é usada apenas para criar drama, mas também destacar a tragédia do mundo. Inocente ou não, a morte é horrível. Podemos comemorar quando um vilão morre, mas também é um lembrete de como a guerra pode ser terrivelmente trágica. Maika pode participar dessa violência horrível, mas ela é tão vítima da situação quanto qualquer outro sobrevivente.

A arte de Sana Takeda nos proporciona imagens visuais deslumbrantes. Eu amo como cada personagem pode ser incrivelmente bonito e, ao mesmo tempo, aterrorizante e horrível de se olhar. É bastante enervante e uma prova de sua confiança em combinar qualidades claras e escuras, o que ela faz sem esforço. O Monstrum é o meu favorito, pois adoro a forma distorcida e a natureza insidiosa que ele incorpora. Sempre que está na página, meus olhos gravitam em torno da presença ameaçadora e espreita dele. Isso me atrai e me repele ao mesmo tempo. Você ficará imerso neste mundo por causa da intrincada e abrangente atenção da artista aos detalhes. Este é um universo totalmente realizado, onde cada paralelepípedo da rua é contabilizado, cada fio de cabelo é delicadamente arranjado e cada traje tem camadas, botões e um estilo próprio. As paisagens amplas, as rugas profundas de um carcereiro impiedoso, a eletricidade de um feitiço envolvem os olhos por mais tempo do que você espera e se perdem na profundidade e no caráter de cada painel.

Monstress é uma fantasia sombria deslumbrante com conotações sociais e políticas subversivas que cortam o coração de nossa existência contada através deste conto de fadas sombrio de vingança e injustiça. Liu e Takeda pegaram elementos de steampunk, fantasia e kaiju e criaram um mundo singularmente assustador onde uma jovem desafia seus opressores, mas não triunfa sem sacrificar parte de sua alma. É essa combinação de beleza com desespero e, bem, monstruosidade, que dá a Monstress sua impressão substancial: belas representações dos males de que a humanidade é capaz em sua ignorância e como essa brutalidade afeta as pessoas apanhadas em sua mira. Esse é o tipo de história que o envolve e não o deixa ir.

Monstress – Vol. 1: Despertar (Monstress – Vol. 1: Awakening, EUA – 2015/16)
Contendo: Monstress #1 a 6
Roteiro: Marjorie Liu
Arte: Sana Takeda
Letras: Rus Wooton
Editora original: Image Comics
Data original de publicação: novembro de 2015 a maio de 2016
Editora no Brasil: Pixel Media
Data de publicação no Brasil: janeiro de 2018
Páginas: 196

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais