Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Monty Python – O Sentido da Vida

Crítica | Monty Python – O Sentido da Vida

por Ritter Fan
543 views (a partir de agosto de 2020)

Conheço muita gente que desgosta de Monty Python, mas, sinceramente, considero o grupo britânico como o fundador da comédia moderna ou, pelo menos, um dos grandes responsáveis pelos alicerces dela graças à inesquecível série Flying Circus. O Sentido da Vida é o quarto longa da trupe (excetuando-se o show ao vivo de 1982) e o último com todos os membros, já que Graham Chapman faleceria em 1989, além de representar uma volta às origens.

Se com Em Busca do Cálice Sagrado e A Vida de Brian eles trouxeram um semblante de estrutura narrativa aos longas, O Sentido da Vida volta à pegada do primeiro projeto da equipe, E Agora Para Algo Completamente Diferente, de 1971, ou seja, uma sucessão de esquetes como na consagrada série de televisão. Na verdade, sendo realmente honesto, O Sentido da Vida fica entre uma coisa e outra, uma vez que a coletânea de esquetes de certa forma resvalam na investigação que o título suscita – qual é, afinal, o sentido da vida? -, mas de maneira bem mais solta que os dois filmes anteriores. 

O tema, se é que posso chamar assim, é apresentado por peixes em um aquário depois que eles veem seu colega ser comido, o que imediatamente nos leva à primeira efetiva esquete, O Milagre do Nascimento, em que vemos uma mulher em trabalho de parto ser hilária e solenemente ignorada pelos médicos, estes muito mais preocupados com as aparências. A crítica social vai fundo nos problemas do sistema de saúde (não, isso não é monopólio brasileiro!), mas sempre no melhor estilo Monty Python: de maneira indireta, que exige que o espectador pense.

Em seguida, na melhor das esquetes, somos levados para o “terceiro mundo” que, para o grupo, é logo ali na esquina, Yorkshire, em que o patriarca de uma família católica chega em casa para contar à sua esposa e suas literais dezenas de filhos, que ele perdera o emprego. Os sucessivos tapas na cara da Igreja Católica que prega contra os contraceptivos (e nem vou entrar aqui no debate sobre o aborto) são inclementes e muito bem colocados. 

E assim a coisa vai, com direito a quebras da quarta parede quando chegamos ao meio do filme, a introdução de um espetacular curta (ele antecedia o filme, mas foi depois “costurado” na narrativa) em que piratas idosos de uma seguradora atacam a diretoria jovem de outra empresa do setor financeiro e o obrigatório – e realmente nojento – “momento escatologia”, em que um obeso mórbido come e vomita sem parar em um restaurante de luxo. Nem tudo funciona harmoniosamente, isso é evidente, com alguns esquetes exagerando na duração, mas os Python se mostram incansáveis em sua criatividade e em sua capacidade de desafiar o espectador. É quase como ver ao vivo um processo criativo de roteiro cinematográfico com os seis enlouquecidos em uma sala de reunião regada a café, uísque e “outras coisinhas a mais”, se é que me entendem.

Por outro lado, apesar de os valores de produção serem realmente impressionantes (o curta que mencionei tem efeitos práticos e pinturas matte de se tirar o chapéu), vê-se um pouco do desgaste da fórmula, com o retorno à narrativa original do grupo depois de dois grandes sucessos mais distantes dessa estrutura, quase que como um reconhecimento de que longas não são mesmo a praia de John Cleese, Terry Gilliam e companhia. Pessoalmente, porém, seria capaz tranquilamente de assistir a uma sucessão completamente desconexa à la Flying Circus sem maiores problemas, mas reconhecendo as limitações narrativas que essa escolha impõe.

No final das contas, talvez o sentido da vida – ou um dos sentidos da vida – seja justamente ter o prazer de ver o resultado de mentes humorísticas febris trabalhando sem freios. Se é mesmo, nunca saberemos, mas faz todo sentido, não?

Monty Python – O Sentido da Vida (Monty Python’s The Meaning of Life, Reino Unido – 1983)
Direção: Terry Jones, Terry Gilliam
Roteiro: Graham Chapman, John Cleese, Terry Gilliam, Eric Idle, Terry Jones, Michael Palin
Elenco: Graham Chapman, John Cleese, Terry Gilliam, Eric Idle, Terry Jones, Michael Palin, Carol Cleveland, Simon Jones, Patricia Quinn, Judy Loe, Andrew MacLachlin, Mark Holmes, Valerie Whittington
Duração: 107 min.

Você Também pode curtir

9 comentários

JC 4 de setembro de 2019 - 01:26

Monty Python! <3
Nunca vou esquecer quando vi esse filme a primeira vez, voltei umas 10 vezes "Everyyyy spermmmmmmmm is sacredddddddddddddddddd"

Responder
planocritico 4 de setembro de 2019 - 12:23

Esses caras são geniais, só digo isso!!!

Abs,
Ritter.

Responder
pabloREM 3 de setembro de 2019 - 14:15

Tenho tudo da trupe em casa e curiosamente esse é o filme que a mais tempo eu assisti. Preciso rever.

Responder
planocritico 3 de setembro de 2019 - 14:23

Você tem até o Flying Circus completo?

Estou revendo a série com calma e ela continua maravilhosa. Fico que nem um idiota rindo…

Abs,
Ritter.

Responder
pabloREM 3 de setembro de 2019 - 15:48

Sim, eu comprei todos os DVDs quando lançaram. Só se tem algo que não foi lançado por aqui,

Responder
Acepipe Satã🐂GADO, O PARCIAL 3 de setembro de 2019 - 01:49

A parte escatológica desse filme é genial e nojenta e absurda e maluca ao mesmo tempo. Gosto muito da obra, sério. Daria a mesma nota que você, no fim das contas, mas tem esquetes aqui que me fizeram chorar de rir e ainda trazem aquela reflexão sacana que a trupe sempre colocava em suas obras. Baita humor maravilhoso!

Responder
planocritico 3 de setembro de 2019 - 17:27

Sim, mesmo toda aquela escatologia tem o toque genial dos Python. Os caras eram incríveis.

Abs,
Ritter.

Responder
Gustavo Pinheiro 2 de setembro de 2019 - 22:39

Ritter, se você pudesse ranquear os 3 filmes, como ficaria ?

Responder
planocritico 3 de setembro de 2019 - 14:33

Olha, eu gosto dos quatro filmes quase igualmente. O único que eu sei com certeza que ficaria em último lugar é o primeiro. Mas, HOJE, a ordem seria essa:

1. Cálice Sagrado
2. Vida de Brian
3. Sentido da Vida
4. E Agora Para Algo Completamente Diferente

Qual seria a sua ordem?

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais