Crítica | Mother – A Busca Pela Verdade

Mother – A Busca Pela Verdade é um filme que caminha por um trajeto longo de angústias e autoavaliação. Ao longo dos 128 minutos de projeção, adentramos na vida de personagens com existências sofridas, tomados por sentimentos nada nobres, ocasionados por conta dos choques diários entre pessoas com desejos e vontades discrepantes, cada uma em busca de preenchimento e satisfação. O que podia ser uma trama policial repleta de mecanismos investigativos torna-se um imbricado jogo de espelhos onde a verdade parece refletida a todo instante, mas as surpresas insistem em nos sacolejar constantemente.

Nada é exatamente o que parece e a sensação ao sair da sessão é uma mescla de piedade, perplexidade e agonia. Dirigido por John-Ho, cineasta que teve como guia o próprio roteiro, escrito em parceria com Park Eun-Kyo,  Mother – A Busca Pela Verdade demonstra uma relação maternal de total entrega, haja vista a condição do filho da protagonista do título, uma mulher que sabe só ter ao filho, e o garoto, mesmo diante de suas dificuldades cognitivas, sabe que tem apenas a mãe num mundo cruel e segregacionista em relação aos que fazem parte de grupos desfavorecidos da famigerada regra padronizada da “normalidade”.

O ponto de partida para a história investe num clima tenebroso. A “mãe” precisa sair em busca de resolução para um caso que envolve o seu filho, jovem acusado de ter assassinado uma garota. Por meio de conflitos coesos diante de uma história bem amarrada dramaticamente, acompanhamos a saga de uma mãe dedicada rumo ao “inferno” para tentar compreender os acontecimentos trágicos que a colocou, juntamente com o seu filho, numa situação tão desoladora.

Levado a assinar a sua culpa diante de algo que talvez não tenha cometido, o jovem acusado de cometer um crime abominável permite que a sua mãe desfile pela narrativa sem se tornar um estereótipo. Enquanto personagem de um filme que aborda, dentre tantos temas, as relações dentro de uma família composta apenas por dois membros, num dos exemplos de maternidade e dedicação total, Mother – A Busca Pela Verdade toca em feridas que não queremos saber que existem, protegidas pelos bálsamos que forçamos na vida. Diante da situação exposta.

Narrada por uma direção de fotografia eficiente, assinada por Hong Kyung-Pyo, a produção constantemente nos apresenta ao personagem de Hye-Ja num quadro aberto, solitária e pequena diante de uma situação grandiosamente sufocante. Ao longo de sua caminhada em busca de respostas para o obscuro fato criminoso que envolve seu filho, a personagem ganha contornos ainda mais profundos com a condução musical de Byeong-Woo Lee. A produção acerta também ao trazer a chuva como elemento narrativo, responsável por preencher os enquadramentos de melancolia, sem soar clichê ou forçosamente lacrimejante.

Lançado em 2009, Mother – A Busca Pela Verdade é um drama que retrata a maternidade sem dialogar com os padrões narrativos comuns ao cinema hollywoodiano, ambos interessantes, mas apontados aqui numa comparação inevitável por conta da quantidade de acessos que temos entre um modelo de indústria e outro. Sem aderir aos esquemas massivos, o filme apresenta detalhes além do sofrimento e das lágrimas, articulando outros momentos da vida de duas pessoas que sabem ter apenas um ao outro. Triste, profundo e reflexivo.

Mother – A Busca Pela Verdade — (Madeo) Coreia do Sul, 2009.
Direção: Joon-ho Bong
Roteiro: Joon-ho Bong
Elenco:  Jin Ku, Kim Hye-ja, Won Bin, Joon-ho Bong, Park Eun-kyo, Park Wun-kyo, Jae-Won Choi, Park Tae-joon, Woo-sik Seo
Duração: 128 min.

LEONARDO CAMPOS . . . . Tudo começou numa tempestuosa Sexta-feira 13, no começo dos anos 1990. Fui seduzido pelas narrativas que apresentavam o medo como prato principal, para logo depois, conhecer outros gêneros e me apaixonar pelas reflexões críticas. No carnaval de 2001, deixei de curtir a folia para me aventurar na história de amor do musical Moulin Rouge, descobri Tudo sobre minha mãe e, concomitantemente, a relação com o cinema.