Home Música Crítica | Mulher-Maravilha (Trilha Sonora Original)

Crítica | Mulher-Maravilha (Trilha Sonora Original)

por Guilherme Coral
134 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 2,5

Desde Batman Begins, quando pensamos nas trilhas sonoras de filmes baseados nos quadrinhos da DC Comics, o primeiro nome que vem a nossa mente é o de Hans Zimmer. O compositor fora responsável pelas músicas de toda a trilogia Nolan (ao lado de James Newton Howard), O Homem de AçoBatman vs. Superman (em conjunto com seu pupilo, Junkie XL). Nesse último citado, ele nos entregara o distinguível tema da Mulher-Maravilha, faixa que muito bem definiu o tom de sua aparição no filme. Trocar o famoso músico por Rupert Gregson-Williams, que ficou responsável pela trilha sonora original de Mulher-Maravilha, portanto, foi uma escolha arriscada, especialmente considerando que esse costuma trabalhar com comédias, com poucas exceções, como a série da Netflix, The CrownAté o Último Homem.

De início, Gregson-Williams sabia que não poderia simplesmente ignorar o que fora feito antes dele. Apesar do longa-metragem ser bastante auto-contido, a heroína faz parte de algo maior e já fora apresentada em BvS. Com isso em mente, inúmeras das faixas do álbum trazem variações do tema composto por Zimmer e Junkie XL, como é o caso da música de abertura, Amazons of Themyscira, que sutilmente utiliza trechos da melodia, misturando-os com o ar de paz e prosperidade que tanto define a ilha das amazonas. A intenção claramente era passar a tranquilidade à sequência, com um crescendo que jamais atinge o clímax, representando a gloria do local, mas sem soar explosivo demais.

Infelizmente, esse crescendo que ouvimos aqui também não entrega o esperado mais de uma vez ao longo do álbum e quando estamos falando de uma faixa destinada a uma sequência de ação, isso acaba prejudicando a obra como um todo. Gregon-Williams faz a escolha ousada de compor músicas mais longas que o normal (quando falamos de trilhas, claro), muitas passando de cinco minutos, algumas beirando os nove. Isso funciona em melodias como No Man’s Land, certamente a melhor do álbum, que traz o tema da heroína em toda a sua majestade, mas falha nas faixas menos marcantes, compostas claramente para preencher o som ambiente.

Dito isso, muito da trilha sonora original de Mulher-Maravilha acaba funcionando apenas para isso: garantir o tom necessário de cada sequência, se apoiando completamente na imagem e não se destacando por contra própria. Isso chega a ser um erro? Não, mas a música tem o poder de transformar cenas em momentos inesquecíveis, peguemos, por exemplo, a entrada de Lex Luthor na nave kryptoniana em Batman vs. Superman, ao som de The Red Capes Are Coming, ou Darth Vader olhando pela janela do Star Destroyer em O Império Contra-Ataca, enquanto podemos escutar a Marcha Imperial. O compositor da obra em questão perde a oportunidade de acrescentar muito mais ao filme, nos entregando meramente mais do mesmo, falhando em criar qualquer música realmente memorável.

Marcando o fim do álbum, temos a canção To Be Human, de Sia e Labirinth. Presente, claro, somente para que a obra tenha alguma chance de concorrer ao Oscar de Melhor Canção Original, trata-se de uma faixa completamente deslocada do restante do álbum, a tal ponto que não existe a menor tentativa de fazer tal melodia se encaixar com as outras músicas ou até o filme em si. Não temos o mesmo esmero na composição como Song of the Lonely Mountain, da trilha de O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, ou May it Be, de A Sociedade do Anel, músicas criadas com o exato mesmo intuito, mas que captavam a essência dos filmes.

A trilha sonora original de Mulher-Maravilha, portanto, cumpre seu papel, sendo capaz de preencher o espaço sonoro com tons que dialogam com a atmosfera do longa-metragem. Temos aqui, porém, melodias esquecíveis, que jamais se destacam, a não ser quando reconhecemos o tema composto por Zimmer e seu pupilo. Dito isso, fica difícil querer escutar o álbum por completo mais de uma vez, na verdade, é uma provação sequer terminá-lo sem pular alguns trechos, mais do que provando que são composições as quais não se sustentam sem a imagem do filme da amazona.

Mulher-Maravilha (Trilha Sonora Original)
Artista: 
Rupert Gregson-Williams
País: 
Estados Unidos
Lançamento: 
26 de maio de 2017
Gravadora: 
Watertower
Estilo: 
Trilha Sonora

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais