Home TVEpisódio Crítica | Mythic Quest: Everlight

Crítica | Mythic Quest: Everlight

por Ritter Fan
568 views (a partir de agosto de 2020)

  • Leiam, aqui, a crítica da 1ª temporada.

Sei que acompanhar as ofertas audiovisuais dos infinitos serviços de streaming que não param que aparecer é algo impossível, para não dizer enlouquecedor. E é curioso notar como a toda-poderosa Apple e seu Apple TV+, lançado em 1º de novembro de 2019, tem pouco reconhecimento em geral, com raros materiais exclusivos realmente sendo objeto de comentários internet afora. No entanto, o que eu achava impossível está acontecendo e esse ainda novo serviço tem entregue material consistente de altíssima qualidade como o drama The Morning Show, o sci-fi For All Mankind, o terror Servant, a comédia Ted Lasso e, claro, a hilária e espetacularmente bem construída sitcom Mythic Quest, dos mesmos criadores da longeva It’s Always Sunny in Philadelphia.

E Everlight, o segundo episódio especial da série que prepara seu retorno para a 2ª temporada em 07 de maio de 2021 é mais uma prova disso. Com a 1ª temporada de nove episódios lançada de uma vez em 07 de fevereiro de 2020, a série ganhou seu primeiro episodio especial – Quarantine, sobre, claro, a pandemia – em maio de 2020, todo ele produzido remotamente, na base de tela dividida, mas não menos sensacional. Everlight marca o retorno de quase todo o elenco – a exceção fica por conta de F. Murray Abraham que, em razão da idade, só aparece em um telão – a um mesmo set de filmagens, no caso a sede da desenvolvedora do MMORPG fictício que dá nome à série.

Mais do que um episódio especial, Everlight é um episódio esperançoso, de viés extremamente positivo em relação ao momento verdadeiro em que vivemos. Apesar de a palavra pandemia não ser utilizada em momento algum, há o reconhecimento expresso do ano difícil por que todos passaram e a pegada clara de celebração de que o pior já passou. Ainda que eu claro espere que seja verdade, meu otimismo é muito cauteloso, o que de forma alguma me impediu de apreciar o episódio por esse viés feliz talvez até demais e pela excelente história que o roteiro de Ashly Burch (que vive a testadora de jogos Rachel) coloca nas telinhas.

Nela, todos os funcionários da empresa retornam para celebrar o Everlight, feriado dentro do jogo que é também celebrado por eles fora do ambiente virtual, em uma festa de cosplay medieval-fantástico com direito a um LARP, live action role-playing ou, em português, jogo de interpretação ao vivo que, claro, é manipulado por Ian (o rei) e Poppy (a rainha) de forma aos mais improváveis funcionários ganharem. O resultado é um episódio redondo, extremamente divertido e surpreendentemente ousado considerando a luta final envolvendo uma boa quantidade de CGI e efeitos práticos, que transita entre a ficção e a realidade de maneira exemplar, com direito até a uma sequência preambular narrada por ninguém menos do que Anthony Hopkins que dá conta da lenda in game que, por sua vez, dá título ao episódio e cujo torneio é emulado na vida real.

Cada personagem do jogo vivido pelos personagens da série mantém intactas as personalidades criadas da temporada inaugural, com Rob McElhenney mais uma vez destacando-se com seu personagem de egoísmo inacreditável que parece contaminar a simpática personagem de Charlotte Nicdao. No entanto, há espaço para todos e, nesse sentido, vale especial nota para a hilária Jessie Ennis como a obsessiva Jo que vive uma guerreira sanguinária que só quer empilhar corpos e para Danny Pudi que vive… Brad, o Diretor de Monetização, que acha tudo coisa de nerd imbecil e se recusa a participar da brincadeira. Esses dois, cada um de sua maneira própria – e, no caso de Brad, com um ótimo plot twist – funcionam como os antagonistas dentro e fora do jogo, apimentando as relações e levando a momentos extremamente divertidos, mostrando que o elenco e a equipe técnica não perderam sua vivacidade e capacidade de criar histórias engajadoras galgadas em cima da boa e velha estrutura de comédia de ambiente de trabalho.

Confinado em apenas um ambiente, o segundo episódio especial de Mythic Quest, concebido como um “esquenta” para a nova temporada, acerta na mosca em tudo o que faz, inclusive em sua mensagem positiva, de que tudo vai acabar bem para nós aqui do lado de fora dessa ficção incrível, vivendo aquilo que desejamos com todas as forças que fosse apenas uma ficção aterradora. Se Everlight é um sinal do que está porvir, a 2ª temporada da série promete muitos momentos de excelência televisiva vinda de um dos serviços de streaming mais “ignorados” pelo público em geral, público esse que já passou da hora de acordar para esse manancial de material sensacional e ainda intocado.

Mythic Quest: Everlight (EUA – 16 de abril de 2021)
Criação: Rob McElhenney, Charlie Day, Megan Ganz
Direção: Rob McElhenney
Roteiro: Ashly Burch
Elenco: Rob McElhenney, Charlotte Nicdao, David Hornsby, Danny Pudi, F. Murray Abraham, Jessie Ennis, Imani Hakim, Ashly Burch, Anthony Hopkins
Duração: 28 min.

Você Também pode curtir

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais