Home TVTemporadas Crítica | Nova York Contra a Máfia

Crítica | Nova York Contra a Máfia

por Ritter Fan
168 views (a partir de agosto de 2020)

Nova York Contra a Máfia comete o pecado mortal da falta de ambição em um raro caso em que muito mais seria, provavelmente, muito melhor. A série documental de apenas três razoavelmente curtos episódios tenta contar a famosa história da grandiosa luta do FBI contra o crime organizado em Nova York – conhecido como Máfia ou Cosa Nostra – a partir de 1979 até a segunda metade dos anos 80, mas mesmo com alguns elementos dignos de apreço, acaba sendo pouco demais, resultando até mesmo em um desserviço ao que realmente foi o esforço do governo americano contra as cinco famílias de ascendência italiana que dominavam a cidade na época.

Reconheço que talvez eu esteja sendo injusto com a série, mas tenho para mim que não. O ponto é que esse assunto já foi objeto de um sem-número de filmes, documentários e obras literárias que abordaram com riqueza de detalhes a luta contra o crime organizado nos EUA sobre os mais diversos pontos-de-vista, o mais recente deles tendo sido o maravilho O Irlandês, baseado em livro homônimo de Charles Brandt. Com isso, a série, para ser relevante, precisava oferecer mais do todo o material disponível por décadas vem oferecendo ricamente por aí, mas ela se contenta em pegar a gigantesca, complexa e rica história da Máfia nos EUA e encerrá-la em uma pequena e limitada caixa que subestima demais o assunto. Talvez para quem não tenha a menor ideia sobre esse caso, a série tenha um valor introdutório razoável, mas não muito mais do que isso, até porque o esquema mafioso da época é corriqueiramente aplicado no Brasil por nossos adoráveis mafiosos de Brasília há décadas e décadas.

Para quem já tem alguma familiaridade com o assunto, o grande valor do documentário é, de um lado, poder ouvir trechos reais das escutas plantadas nas casas, carros, clubes e restaurantes dos mafiosos, incluindo algumas reconstituições interessantes sobre como elas foram plantadas nesses locais. Além disso, é sem dúvida bacana ver e ouvir de dois ex-mafiosos e diversos agentes do FBI e também do então procurador-geral adjunto e, em seguida, procurador do Distrito Sul de Nova York Rudolph Giuliani que, depois, tornar-se-ia prefeito e encabeçaria uma completa transformação na cidade.

No entanto, mesmo as escutas e as entrevistas são rasas. Desapontadoramente vazias de informações detalhadas sobre o como e o porquê de cada ação, algo que sem dúvida daria horas e horas de comentários potencialmente fascinantes, talvez acompanhados de reconstituições e outros aspectos para rechear a narrativa. Peguem, por exemplo, a participação do brilhante professor e advogado G. Robert Blakey, um dos responsáveis pela redação da lei anti-quadrilhas – conhecida como R.I.C.O. – dos EUA: ele aparece por pouquíssimos minutos para explicar obviedades, sem realmente trazer para a mesa discussões valiosas sobre, talvez, o trâmite da legislação e a razão pela qual ela ficou esquecida por quase uma década.

Como se isso não bastasse, ao manter a abordagem restrita às cinco famílias mafiosas de Nova York – Gambino, Colombo, Bonanno, Lucchese e Genovese – o documentário foca constantemente nas árvores e impede que o espectador veja a floresta, ou seja, perdem-se as vastas conexões políticas dos mafiosos adjacentes e o poder deles todos não apenas na região nordeste do país, mas por todo ele. Da mesma forma, ao começar a história em 1979, muito da contextualização do nascimento do crime organizado nos EUA se perde completamente. Alguns argumentarão que não era esse o objetivo do documentário e admito que posso estar sendo duro com o material disponibilizado, mas, como disse antes, esse é um assunto rico demais – e ao mesmo tempo explorado demais em outras obras – para o documentário de Sam Hobkinson ficar apenas no básico. É um verdadeiro desperdício de oportunidade, considerando que é evidente o esforço e o trabalho de garimpo jornalístico do desenvolvedor e sua equipe para reunir as fitas e localizar os agentes e os ex-mafiosos.

Nova York Contra a Máfia tinha potencial para ser uma verdadeira joia documental sobre um interessantíssimo e conturbado período em uma das mais importantes cidades do mundo, uma verdadeira aula de mestrado sobre o assunto. Mas, no lugar disso, o que Hobkinson entrega não é mais do que a versão de primário dessa tão rica matéria.

Nova York Contra a Máfia (Fear City: New York vs the Mafia, EUA – 22 de julho de 2020)
Direção: Sam Hobkinson
Com: Johnny Alite, Michael Franzese, Curtis Sliwa, Lin Devecchio, Jim Kossler, Bruce Mouw, Marilyn Lucht, Joe Cantamessa, G. Robert Blakey, Rudolph Giuliani
Disponibilidade no Brasil: Netflix
Duração: 154 min. (três episódios)

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais