Crítica | O Ataque dos Vermes Malditos (1990)

plano critico o ataque dos vermes malditos tremors 1990

__ Damn it, listen to me. I’m older and wiser.

__ Yeah, well you’re half right.

Pensem num filme divertido de se ver. Pensaram? Agora adicionem uma grossa camada de loucura trash, temperem tudo com noções absurdas de sobrevivência em filmes de monstro e boom!… chegamos a O Ataque dos Vermes Malditos (Tremors, no original) um eco refigurado dos malacabados e malamunhados filmes de macho dos anos 80. E fui justamente na década de 1980, enquanto S.S. Wilson e Brent Maddock trabalhavam na Marinha Americana criando vídeos educacionais sobre segurança, que eles chegaram à seguinte pergunta, após subirem em uma larga rocha: “e se houvesse algo na parte de baixo que não nos deixasse descer?“. Brincando com o nome de “tubarões da terra”, a dupla levou a ideia para Ron Underwood, um amigo que trabalhava como diretor de documentários para a National Geographic.

Depois do sucesso de Short Circuit: O Incrível Robô (1986), primeiro roteiro de um longa-metragem escrito pela dupla, eles conseguiram levar a ideia dos “tubarões da terra” adiante, finalizando o tratamento inicial do então chamado “Beneath Perfection” em junho de 1988 e, após adições de Ron Underwood, tiveram a aprovação do material, cujas filmagens começaram no início de 1989, durando quase dois meses. A trama se passa na vila e no vale de Perfection, local isolado no meio do Estado de Nevada onde já no início da fita conhecemos os amigos Val (Kevin Bacon) e Earl (Fred Ward), dois ajudantes gerais quem não estão contentes com a vida que levam no local, e falam — aparentemente não pela primeira vez — de sair dali, mas ao que tudo indica, tiveram a ideia um pouco tarde demais.

Um dos grandes triunfos do roteiro de Tremors é expor com rapidez e muita competência a grande amizade existente entre Val e Earl, porque é a partir dessa amizade que veremos os “agarroides” causarem um verdadeiro caos na pequena cidade e matarem uma parte da já minúscula população local (14 pessoas). A escalação de todo o elenco aqui foi muitíssimo bem feita, mas Kevin Bacon e Fred Ward são realmente os grandes destaques, numa interpretação inteiramente à vontade de ambos, algo que facilitou a representação do roteiro, que para um filme despreocupado e de pegada trash como este, é muito bem fechadinho, com todas as piadas bem colocadas e retomadas como padrão de avanço da história ou evolução dos personagens na parte final da fita.

Com cenas majoritariamente realizadas em externas, o espectador tem uma percepção inteiramente livre e plenamente perigosa dos vermes malditos, que recebem um tratamento excelente por parte da equipe de design de criaturas e também da direção. Os efeitos sob a areia não são exagerados e, mesmo que tragam uma certa estranheza (produto da tecnologia e mesmo da abordagem para esse tipo de tragédia monstruosa no cinema da época), cumprem muito bem o seu papel. Nessa jogada, até mesmo os erros do roteiro conseguem ser equilibrados pela qualidade do suspense diante do que fazer com o ataque dos vermes. Observar os minhocões agirem com inteligência é um pouco demais para a situação, mas a exposição, no contexto da obra, até que faz sentido e novamente recebe um fechamento com uma piada apresentada ainda no início da fita. Um baita trabalho de construção cuidadosa de detalhes do roteiro.

Com reviravoltas inteligentes dentro de um pequeno núcleo de personagens e com uma inteligente exploração do espaço geográfico a favor do tema e do deslocamento dos indivíduos em fuga, Tremors é diversão garantida. Típico enredo de “amigos em base sitiada“, temos aqui uma abordagem que funciona na maioria dos seus aspectos de desenvolvimento, tropeçando mais na estranha ligação com a morte do casal que estava construindo uma casa e na abordagem inicial para Rhonda (Finn Carter), que depois acaba se integrando aos habitantes de Perfection e tendo um papel importante na luta contra os vermes, além de completar bem o arco de desenvolvimento do personagem de Kevin Bacon, que ao fim do filme, tem a opinião modificada sobre o seu tipo de “mulher dos sonhos”. É preciso ser um verme maior e mais asqueroso que os “agarroides” de Tremors para não gostar dessa trasheira absolutamente divertida — e que ainda estenderia seus tentáculos por diversas continuações no futuro! Quem diria que um filme de vermes gigantes pudesse ser tão bom!

O Ataque dos Vermes Malditos (Tremors) — EUA, 1990
Direção: Ron Underwood
Roteiro: S.S. Wilson, Brent Maddock
Elenco: Kevin Bacon, Fred Ward, Finn Carter, Michael Gross, Reba McEntire, Robert Jayne, Charlotte Stewart, Tony Genaro, Ariana Richards, Richard Marcus, Victor Wong, Sunshine Parker, Michael Dan Wagner, Conrad Bachmann, Bibi Besch, John Goodwin, John Pappas, Tom Woodruff Jr.
Duração: 96 min.

LUIZ SANTIAGO (Membro da OFCS) . . . . Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.