Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Campeão (1931)

Crítica | O Campeão (1931)

por Bruno dos Reis Lisboa Pires
104 views (a partir de agosto de 2020)

SPOILERS!

Há quem diga que Chaplin seria um bom diretor caso ao menos tivesse tentado fazer cinema. Não sou dos radicais que o acham um realizador sem consciência de todos os sentidos e estritamente visual, mas ao assistir O Campeão (e pensando a respeito dos filmes mudos de Vidor) questionei-me porque O Garoto (1921) é um clássico ao contrário do filme de King Vidor. As peripécias de Carlitos geralmente envolvem o mesmo fio condutor das histórias de Vidor (caso o cineasta não tivesse a menor noção de dramaticidade e estética): filmes sobre pessoas cujo objetivos partem duma meta egoísta, ascender na vida, e ressurgem com mais força após o altruísmo falar mais alto, ao tentar ajudar seus semelhantes.

Desde O Grande Desfile (1925) passando por A Turba (1928) e posteriormente O Pão Nosso (1934) ou Guerra e Paz (1956), uma outra característica do diretor é refletida: a dos dramas intimistas escondidos nas pretensões espetaculares montadas por King Vidor, narrativas grandes demais até para as telas de cinema. A Turba senão é a trama de uma pessoa simples atropelada pela vida, mas que naquele anonimato da cidade grande vive uma grande história. Mesmo em grandes filmes envolvendo batalhas e multidões, a sensibilidade do diretor está nos pequenos gestos, nos close-ups, nos momentos de delicadeza.

Voltando ao Campeão, pelo cartaz e pela sinopse do filme se faz parecer que é a história de um boxeador que lida com problemas de alcoolismo e que procura dar a volta por cima. No entanto, o filme é pouco preocupado em explorar a figura do lutador, e reconhece mais a figura de seu filho e como ele lida com o fato de ter um pai falido e fracassado, no declínio de sua carreira. Mesmo o pai sendo visto como uma vergonha por todos, o garoto vê com encanto o pai, e apenas refere-se a ele como “campeão”, por isso o nome do filme, mais sobre esse laço entre o pai e filho, e menos sobre ser um campeão ou não.

A narrativa volta-se mais aos esforços do filho em concretizar essa visão orgulhosa sobre o pai, porque mesmo inconscientemente, não basta ao menino ter o pai como campeão, o pai deve ser um campeão aos olhos do mundo. As lentes de Vidor refletem a ingenuidade infantil que refletem na grandiosidade de cada momento desse filme, dando um ar de frescor e tensão para cada ato, por menor que ele seja. O mundo nos olhos do filho é enorme, mesmo que seja um dia a dia da cama, para o treino, para o bar, e de volta para a cama.

King Vidor, sem querer, inventa o neorrealismo antes mesmo dos italianos. Sem precisar encher seu filme de sentimentalismo e manipulação dramática, tudo leva a emoções muito intensas sem desrespeitar a sensibilidade do público. Seu esforço se dá por sequências muito vivas e reais, como a da corrida de cavalos e a da luta final, que nos vemos no lugar de uma criança, sem controle de nada, mas sem o peso autoritário de um diretor nos insinuando o que sentir.

Na luta final, que seria a grande reviravolta na carreira do boxeador, ele parece estar prestes a ser derrotado. O garoto, entre um round e outro, chega no ombro do pai, e ao contrário do que fez parecer o filme todo, não sabe o que fazer, e começa a chorar desesperadamente. O pai pela primeira vez age como pai tentando acalmar o filho, enquanto o mundo inteiro grita ao redor dos dois. Retomando o que foi dito sobre pequenos gestos, é essa a primeira vez no filme que o garoto, com medo do que vai acontecer, se refere ao pai como “papai”. É arrebatador ver pela primeira vez a angústia no olhar de uma criança que perde a crença no próprio pai, que perde as esperanças no seu maior ídolo, mas o que mais impressiona é como essa situação motivou o lutador. Não é nem preciso contar o final da história.

O Campeão (The Champ) – 1931, EUA
Direção: King Vidor
Roteiro: Frances Marion
Elenco: Wallace Beery, Jackie Cooper, Irene Rich, Roscoe Ates, Edward Brophy, Hale Hamilton, Jesse Scott, Marcia Mae Jones, Dannie Mac Grant
Duração: 86 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais