Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Divino Baggio

Crítica | O Divino Baggio

por Rodrigo Pereira
290 views (a partir de agosto de 2020)

Roberto Baggio concentrado.

Apesar de ser lembrado pela maioria dos brasileiros pelo pênalti desperdiçado na final da Copa do Mundo de 1994, resultando no tetracampeonato da competição para o Brasil, Roberto Baggio já figurava no hall dos grandes jogadores de sua época antes do fatídico episódio. Extremamente habilidoso, o atacante havia sido eleito o melhor do mundo em 1993 e é um dos únicos a jogar pelos três maiores clubes italianos: Juventus, onde atingiu seu auge, Internazionale e Milan. Contar a história do craque, considerado por muitos o maior futebolista italiano de todos os tempos, é a premissa de O Divino Baggio, um original Netflix dirigido por Letizia Lamartire.

Curiosamente, é justo na parte inicial de sua história, quando o jogador galgava seu primeiros passos no futebol profissional e, por consequência, é a menos falada de sua grande carreira, que o filme acaba deixando de lado quase que a totalidade dos acontecimentos que fizeram Baggio (Andrea Arcangeli) atingir o patamar de divindade (era chamado de Il Codino Divino, por conta de seu penteado). Ao apresentar o início da trajetória do jogador, com a dura lesão logo após assinar com a Fiorentina, um tradicional clube da elite do futebol italiano, a direção de Lamartire faz um salto temporal tão grande que vamos quase do começo da carreira para a Copa de 94, quando Baggio encontrava-se em seu auge, aos 27 anos. Toda a trajetória na Fiorentina, a transferência para a gigante Juventus, onde se firmaria como um dos grandes, e a conquista do prêmio de melhor jogador do planeta sequer são mencionados, deixando de fora parte essencial da história que construiu a lenda.

A abordagem para as questões da vida pessoal do atleta, por outro lado, consegue um resultado mais satisfatório. Através da busca pela aprovação e atenção de seu duro pai Florindo (Andrea Pennacchi), seu relacionamento com Andreina (Valentina Bellè) e sua conversão para o budismo, o filme constrói um eficiente plano de fundo para seu protagonista, fazendo com que sua inabalável determinação e suas ações profissionais tenham respaldo no núcleo pessoal. Afinal, é para satisfazer desejos internos e por sua família que Baggio passa por todas as dificuldades e percalços apresentados ao longo de sua carreira.

Dentre tudo o que é apresentado, talvez o que mais tenha me agradado seja a desconstrução do mito apresentado pela diretora. O próprio Baggio já revelou que o desperdício da penalidade na final o atormentou por muito tempo, como se, por sua habilidade diferenciada, fosse proibido de cometer erros. Ao abordar essa questão mostrando o sofrimento do jogador ao longo dos anos e o quanto aquilo o prejudicou inclusive na vida pessoal, Lamartire desconstrói a divindade expondo sua humanidade. Entretanto, não a ponto do herói sumir de perspectiva, criando talvez a imagem mais justa de quem realmente é Baggio: um herói que erra, como todos nós. E é isso que o torna tão especial (a comparação com Maradona, outro herói errante, durante uma conversa com o técnico Sacchi (Antonio Zavatteri) reforça isso).

Longe de ser uma obra irreparável, O Divino Baggio oscila entre bons e maus momentos, criando uma imagem justa do atacante italiano em determinado momento, mas deixando de fora importantes episódios de sua caminhada. É eficiente ao humanizar a figura Baggio, no entanto a citada ausência de maior detalhes da carreira dificulta a identificação de quem não conhece a história do protagonista de antemão.

O Divino Baggio (Il Divin Codino) — Itália, 2021
Direção: Letizia Lamartire
Roteiro: Ludovica Rampoldi, Stefano Sardo
Elenco: Andrea Arcangeli, Valentina Bellè, Andrea Pennacchi, Antonio Zavatteri, Anna Ferruzzo, Riccardo Goretti, Roberto Turchetta, Martufello, Thomas Trabacchi, Marc Clotet, Beppe Rosso
Duração: 91 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais