Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Grande Mestre 4

Crítica | O Grande Mestre 4

por Rodrigo Pereira
23464 views (a partir de agosto de 2020)

Wilson Yip é um diretor que gosta da ação. Dentre suas realizações que tive a oportunidade de assistir, ele sempre dedica boa parte das fitas para cenas de pancadaria, algumas vezes, é verdade, exagerando nesse aspecto e perdendo a mão no resto. Sua franquia O Grande Mestre é um exemplo majoritariamente positivo de sua afeição pelos combates. A quarta e última obra do mestre de Bruce Lee, entretanto, conta com menos lutas do que estamos acostumados (e isso é bom por mais de um motivo).

Depois dos acontecimentos do decepcionante terceiro filme da série, alguns anos se passaram e Yip Man (Donnie Yen) agora precisa criar Yip Ching (Jim Liu), seu filho, sozinho. Com o jovem sempre arrumando confusões na escola por não gostar de estudar e querer se dedicar exclusivamente às artes marciais, nosso protagonista segue o caminho de vários chineses de Hong-Kong e ruma para os Estados Unidos buscando no ensino estrangeiro uma tentativa para que seu filho siga o caminho dos estudos.

Antes da longa viagem, porém, Yip Man descobre que o vício no fumo causou um câncer em sua garganta, o que aumenta sua angústia em relação ao futuro de Yip Ching por não saber quanto tempo de vida ainda lhe resta. Para aumentar o drama, os dois discutem duramente logo antes da viagem, estremecendo ainda mais a relação.

Com essa abordagem inicial é quando percebemos que a escolha por sequências de lutas menos grandiosas e em menor quantidade não foi por acaso. O diretor já apostava mais na questão familiar desde o longa anterior, algo que só aumentou neste que também marca o final da vida do protagonista e de uma franquia de 11 anos. É quase natural que o realizador trilhasse esse caminho. Além disso, O Grande Mestre aborda questões como imperialismo, racismo e orgulho chinês desde o primeiro filme, algo extremamente bem explorado neste aqui, principalmente o racismo.

Sempre muito espirituoso, Yip Man chega aos Estados Unidos com visível otimismo em relação a todos seus assuntos. Ele sabe que não será fácil, mas com ajuda de alguns conhecidos dos outros filmes e do seu discípulo Bruce Lee (Danny Chan Kwok-Kwan), já bastante famoso no país, acredita que atingirá seus objetivos. Todavia, não contava que enfrentaria o racismo e, também, a xenofobia com tanta intensidade por parte dos estadunidenses.

Inclusive, sua não familiaridade com esses preconceitos gera uma rixa inicial com Wan Zhong Hua (Wu Ye), presidente da Associação Benevolente Chinesa, a organização que assinará uma carta de recomendação para que Yip Ching seja aceito na escola do país. O desentendimento é superado conforme a trama avança e, ainda que Yip Man possa não concordar totalmente com Wan, ele começa a evidenciar a discriminação sofrida por seu povo, compreendendo a intransigência do presidente em alguns momentos. A mudança em seu pensamento fica claro ao dizer, no último ato, que “no final, a grama do outro lado da cerca não é assim tão verde”.

O simbolismo também é usado de maneira bastante eficiente pelo realizador ao longo da projeção. Alguns exemplos são mais sutis, como o caratê usado pelos antagonistas norte-americanos, arte marcial oriunda do Japão, país responsável pelas mazelas vividas pelos chineses no primeiro filme. Outros exemplos, porém, ficam mais visíveis, como o racismo explícito do Sargento da Marinha Barton Geddes (Scott Adkins) quando discrimina os chineses pela etnia e, em seguida, olha fixamente para um marinheiro negro, expondo não só o desprezo individual da personagem, mas também de uma sociedade que persegue e mata qualquer pessoa que se encaixe naquele perfil (o caso de George Floyd é um exemplo recente do quanto essa questão não fica restrita somente às telas, infelizmente).

Responsável pelo fechamento da quadrilogia, O Grande Mestre 4 se recupera com esplendor da repentina queda na obra anterior e finaliza a história de Yip Man da mesma forma que começou: exaltando a cultura chinesa e criticando o imperialismo e a discriminação sem se tornar repetitivo. Em meio a incríveis lutas, obviamente.

O Grande Mestre 4 (Yip Man 4) — China, Hong Kong, 2019
Direção: Wilson Yip
Roteiro: Tai-Li Chan, Hiroshi Fukazawa, Lai-Yin Leung, Edmond Wong
Elenco: Donnie Yen, Scott Adkins, Jim Liu, Danny Chan Kwok-Kwan, Wu Ye, Vaness Wu, Kent Cheng, Vanda Margraf, Chris Collins
Duração: 105 minutos

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais