Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Homem Que Vendeu Sua Pele

Crítica | O Homem Que Vendeu Sua Pele

por Iann Jeliel
1675 views (a partir de agosto de 2020)

O Homem Que Vendeu Sua Pele

Não é tão evidente, mas é possível enxergar O Homem Que Vendeu Sua Pele – representante da Tunísia ao Oscar de Melhor Filme Internacional em 2021–, como uma sátira. Séria, dramática, mas ainda satírica. Com seu comentário aparecendo muito implícito em cada movimento da história, que se levado no literal, talvez pareça inverossímil dentro do contexto verdadeiro de marginalização dos refugiados da guerra civil na Síria. No entanto, quando o drama de Sam Ali (Yahya Mahayni) cruza com o dilema do limite artístico apresentado pela premissa, a obra evidência seu lado mais ácido a cultura da imagem por inclusão, mais pela imagem do que necessariamente pela inclusão, além de trazer à tona a perspectiva individual do corpo entre esses mundos que ele precisa se comercializar.

Há três linhas de frente do debate. Primero: Sam vendendo sua pele para fazer tatuagem artística, vira escravo da corporação, mesmo aceitando a condição por vontade própria? Segundo: Ao ser esse “escravo”, Sam está deslegitimando povo que representa, mesmo que a tatuagem e a corporação estejam defendendo a causa? Terceiro: Mesmo que a corporação esteja fazendo isso pelo dinheiro e imagem à frente do movimento, não deixar de ser um modo legitimo de popularizá-lo? Uma vez que é importante que isso esteja, literalmente, sendo exibido para que todos possam compreender? Por aí já dá para pescar, que cada escolha de virada narrativa no filme não é arbitraria. Há sempre um direcionamento para alguma das respostas duais da trinca mencionada de questionamentos, em que, pelo menos uma delas, deixará a brecha para expor uma hipocrisia levantada pela outra. Enquanto isso, o texto brinca com conceitos de palavras-chave ao trazê-los para um sentido literal, o que parece absurdo.

Nesse momento entra o formato de sátira, onde literalmente temos um corpo sendo leiloado como mercadoria, sendo que dentro do formato de sistema capitalista, todos os corpos já são constantemente sobrepostos em leilão por sobrevivência. Sam, sim, só aceitou tal trabalho de tatuar suas costas para melhorar sua condição de vida, como qualquer outro, que se não conseguir um modo de ganhar alguma renda, qualquer que seja, iria acabar como ele, sendo ou não um refugiado de guerra. O detalhe do rótulo de “refugiado”, é um asterisco popular que o fez saltar para algo diretamente mais rentável, porque o assunto está em alta, contudo, o personagem não exatamente liga para o que teoricamente ele precisa representar enquanto imagem. E aí, podemos levar para vários lados, como o conceito até do que é idealizado como arte, onde qualitativamente é escalonado por uma questão realística, quanto mais próximo da verdade, é “melhor”. Ora, o que tem de mais realístico do que literalmente a pessoa marcada com o símbolo do seu povo como exibição. Não à toa, o debate da elitização da arte também está presente, essa luxúria do realismo é literalmente o que faz a arte ser elitista, ou um dos principais fatores.

Há também, o discurso integrado na sua responsabilidade de denúncia, uma arte medida por importância social, em que o levantamento de bandeira se torna o artefato de elitização do produto artístico. Curioso que Sam queira ganhar as custas disso como a própria corporação do artista renomado que deseja o contratá-lo (Koen De Bouw), como ele pode ainda assim representar sua cultura? Cultura que o negligenciou, então porque ele deve se importar com ela? Nem por isso, Sam exatamente está do lado de quem também quer usá-lo para levantar sua bandeira por imagem, uma vez que ele próprio a usa para seus interesses pessoais. Esse individualismo de Sam é muito bem desenvolvido pelo romance elaborado como fonte de conexão humana ao personagem. É só perceber que a injustiça que o expulsou do país, não o leva a nenhuma revolta de injúria política, ou nem mesmo pessoal por parte da família. Sua única chateação, foi ter sido impedido de casar-se com a pessoa que amava. E o filme engana direitinho ao assumir até um certo tom classista de amor impossível, para posicionar a aparência platônica da sua paixão em uma hombridade honrosa, justificativa de suas decisões. Sam não é nenhum santinho (isso fica claro, em qualquer cena que conta uma mentira), ele está do lado de quem vai ajudá-lo melhor a conseguir seu objetivo, nem que precise – como acontece em determinado momento do filme –, manipular a própria amada (Dea Liane), culturalmente posicionada de forma submissa, para conseguir uma chance futura de “tê-la”.

TRECHO COM SPOILERS

Compramos toda essa jornada por ser estruturalmente contada de modo bem acessível, mas perto do encaminhamento final, isso começa a ser desvirtuado, o que provavelmente levará a algum um estranhamento e desgosto, contudo, todo o terceiro ato é uma confirmação de que essas linhas ambíguas se fecham cada um em seu interesse. Sam consegue a sua amada, vai morar livre no seu país com a familia e deixa de ser perseguido por uma morte forjada, que consequentemente o faz virar símbolo de denúncia as problemáticas de seu país que tanto o mundo cobrava dele. A corporação do artista que o usou seu corpo para sua imagem, conseguiu a imagem que desejava, vendeu-a em arte antes que pudesse perder a credibilidade no assunto e a ainda a recuperou depois da morte forjada por explosão, para continuar sendo exibida nacionalmente como artefato histórico em que se baseou sua desculpa para inicio de conversa. Basicamente, todo os pontos são cumpridos. O sistema ganha, porque esse o amor de Sam, a representatividade de sua origem, a intenção da empresa com essa representatividade e a arte como denuncia da realidade, não passam de meros utensílios ao seu próprio interesse pessoal também.

O Homem Que Vendeu Sua Pele (The Man Who Sold His Skin | Tunísia, 2020)
Direção: Kaouther Ben Hania
Roteiro: Kaouther Ben Hania
Elenco: Yahya Mahayni, Dea Liane, Koen De Bouw, Monica Bellucci, Saad Lostan, Darina Al Joundi, Jan Dahdoh, Christian Vadim, Marc de Panda, Najoua Zouhair, Husam Chadat
Duração: 104 minutos

Você Também pode curtir

2 comentários

Felipe Brandon 23 de abril de 2021 - 22:01

Um filme de complexa compreensão para quem não entende o que está nas entrelinhas ou no lúdico.
Meio que os interesses interpessoais estão acima da vida em si. O que importa é o legado, de certo modo. E o que fica como legado é o que fecha as pontas soltas no final do filme.
O mais absurdo é que nenhum dos pontos está errado dentro da sua visão. Acho importante ressaltar que na vida em si, não existe apenas uma verdade. O diferente é o que vc faz com a sua verdade.

Responder
Iann Jeliel Pinto Lima 29 de abril de 2021 - 21:36

“O que importa é o legado, de certo modo.”

TOTALMENTE. Cara, perfeito. Você ver que o legado para a empresa ficou bom, para o cara também e para arte. Não importa os meios, quiça o que cada um genuinamente representa. E o legal é que o filme não condena nada disso, ele ironiza, mas naquele tom provocativo: “Tu não faria o mesmo?”.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais