Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Justiceiro: Roupa Suja (The Punisher: Dirty Laundry)

Crítica | O Justiceiro: Roupa Suja (The Punisher: Dirty Laundry)

por Handerson Ornelas
527 views (a partir de agosto de 2020)

O Justiceiro, um dos mais amados anti-heróis da Marvel, já teve três oportunidades de se provar nas telonas. Incrível como nenhuma parece satisfazer por completo os fãs de Frank Castle, ainda que se possa tirar boas coisas de cada uma delas. No entanto, em 2012, um curta não oficial produzido por Adi Shankar (produtor do sensacional, mas fracassado Dredd, além de A Perseguição e  Redenção) em seu Bootleg Universe (que conta ainda com os curtas Venon: Truth in Journalism e Judge Dredd: Superfiend), alegrou muita gente trazendo Thomas Jane (ator que muitos acham o melhor a interpretar o personagem), ator do longa de 2004, de volta ao papel principal. A produção ainda contou com Tim Bradstreet, que já foi capista de séries do anti-herói, e o diretor Phil Joanou.

No curta vemos Frank Castle em um cenário menos ambicioso. Ele não está atrás de chefões da máfia, só quer lavar sua roupa suja (literalmente). No entanto, algo o chama atenção. Dirty Laundry sabe sintetizar extremamente bem o personagem em um curta de 10 minutos. A receita é ótima: violência extrema dos quadrinhos do Justiceiro + seu passado doloroso em uma simples cena introdutória + uma garrafa inquebrável de Jack Daniels. Vale destacar também a trilha, que consegue em poucos minutos alimentar uma tremenda tensão do que acontecerá em cena. Aliás, é justamente nesse quesito tensão, ou suspense, que o curta se difere de outras adaptações do personagem. E não há nada melhor que a espera em uma lavanderia para transmitir isso. Ainda sobra espaço para um memorável diálogo entre Castle e o dono de uma loja interpretado por Ron Perlman, o eterno Hellboy

Por intermédio de um roteiro simples e eficiente, com violência e tensão, a produção é uma verdadeira fan service ao público fã do personagem que ainda espera uma adaptação definitiva e que fielmente aguarda por uma versão cinematográfica à altura do personagem. Como o próprio Thomas Jane disse, trata-se de “uma carta de amor a Frank Castle e seus fãs”. No fim, fica a pergunta: You Know The Difference Between Justice and Punishment? (Você sabe a diferença entre justiça e punição?)

O Justiceiro: Roupa Suja (The Punisher: Dirty Laundry, EUA – 2012)
Produtor:
Adi Shankar
Direção: Phil Joanou
Roteiro: Chad St. John
Elenco: Thomas Jane, Ron Perlman, Sammi Rotibi, Karlin Walker, Jack Goldenberg, Shannon Collis, Brandee Steger
Duração: 10 min.

Você Também pode curtir

19 comentários

Mateus Sousa 26 de março de 2020 - 12:33

Esse curta é incrível, a melhor versão audiovisual solo do Justiceiro sem sombra de dúvidas. Começo a apreciar demais o persona, especialmente depois da versão de 1989 e do War Zone (pra mim o Sin City da Marvel, mesmo sem os monólogos do Frank… Miller), espero que consiga outras adaptações que façam jus a ele, apesar do receio Disney.

Nota: 4.5 estrelas

Responder
Rodrigo Patini 22 de março de 2016 - 18:09

Cara, esse curta é uma obra prima! Obrigado por compartilhar :0)))

Responder
Rodrigo Patini 22 de março de 2016 - 18:09

Cara, esse curta é uma obra prima! Obrigado por compartilhar :0)))

Responder
jcesarfe 21 de março de 2016 - 12:52

Esse curta foi melhor que os dois filme, além da versão da série Demolidor ser fantástica também. Mas o que não entendo é o motivo de não terem gostado de War Zone, ele age como o Justiceiro que todos conhecem.

Responder
jcesarfe 21 de março de 2016 - 12:52

Esse curta foi melhor que os dois filme, além da versão da série Demolidor ser fantástica também. Mas o que não entendo é o motivo de não terem gostado de War Zone, ele age como o Justiceiro que todos conhecem.

Responder
Handerson Ornelas. 21 de março de 2016 - 17:20

Pois é, as vezes eu mesmo fico me perguntando o que houve de errado com War Zone já que ele realmente chega muito próximo do personagem nos quadrinhos. Mas acho que o maior problema é que achei o ator com muito pouco carisma, algo que já acho que Thomas Jane ganha e que Bernthal ganha mais ainda (achei o melhor Justiceiro). War Zone é um bom filme, mas me incomoda o fato dele basicamente usar o Punisher pra fazer apenas um filme de ação, sem adentrar muito no personagem.

Grande abraço!

Responder
Handerson Ornelas. 21 de março de 2016 - 17:20

Pois é, as vezes eu mesmo fico me perguntando o que houve de errado com War Zone já que ele realmente chega muito próximo do personagem nos quadrinhos. Mas acho que o maior problema é que achei o ator com muito pouco carisma, algo que já acho que Thomas Jane ganha e que Bernthal ganha mais ainda (achei o melhor Justiceiro). War Zone é um bom filme, mas me incomoda o fato dele basicamente usar o Punisher pra fazer apenas um filme de ação, sem adentrar muito no personagem.

Grande abraço!

Responder
Helder Zemo 21 de março de 2016 - 10:11

Traduzindo, a culpa do filme ter sido ruim nao foi do Thomas Jane, mas sim de quem produziu o filme de 2004, vulgo Avi Arad, mas alem desse curta que é otimo, a Netflix salvou o personagem no audiovisual, ate a Elektra, curti o lado meio psicotica e instavel dela na serie, netflix agora podia salvar o motoqueiro fantasma tbm… sonhar sempre faz bem…

Responder
Handerson Ornelas. 22 de março de 2016 - 00:26

CARAMBA! Como ia ser legal se fizessem uma série do Motoqueiro Fantasma! E não acho que isso seja difícil de acontecer não hein
Vamos torcer!
Grande abraço!

Responder
Handerson Ornelas. 22 de março de 2016 - 00:26

CARAMBA! Como ia ser legal se fizessem uma série do Motoqueiro Fantasma! E não acho que isso seja difícil de acontecer não hein
Vamos torcer!
Grande abraço!

Responder
Helder Zemo 21 de março de 2016 - 10:11

Traduzindo, a culpa do filme ter sido ruim nao foi do Thomas Jane, mas sim de quem produziu o filme de 2004, vulgo Avi Arad, mas alem desse curta que é otimo, a Netflix salvou o personagem no audiovisual, ate a Elektra, curti o lado meio psicotica e instavel dela na serie, netflix agora podia salvar o motoqueiro fantasma tbm… sonhar sempre faz bem…

Responder
JC 19 de março de 2016 - 19:22

Pra mim o melhor Justiceiro até hoje.
Não consegui gostar do que está em Demolidor.
Veja, não é ruim…mas Thomas Jane é a cara, o jeito, tudo.

Responder
planocritico 19 de março de 2016 - 21:22

Acho bem o contrário. O pior de todos (mas a melhor obra audiovisual solo do personagem). Bernthal funcionou maravilhosamente bem na série.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 19 de março de 2016 - 21:22

Acho bem o contrário. O pior de todos (mas a melhor obra audiovisual solo do personagem). Bernthal funcionou maravilhosamente bem na série.

Abs,
Ritter.

Responder
Abilio Santos 20 de março de 2016 - 20:50

Também achei o da série muito bom, mais dramático.

Responder
Abilio Santos 20 de março de 2016 - 20:50

Também achei o da série muito bom, mais dramático.

Responder
Handerson Ornelas. 19 de março de 2016 - 21:59

Gosto do Thomas Jane, mas acho que mais pelo lado diferente que trouxe ao personagem. Ainda estava esperando uma versão realmente fiel ao histórico do personagem e acho que posso ter encontrado em Bernthal na série (não vou afirmar com certeza pois ainda não terminei a segunda temporada).

Grande abraço!

Responder
Handerson Ornelas. 19 de março de 2016 - 21:59

Gosto do Thomas Jane, mas acho que mais pelo lado diferente que trouxe ao personagem. Ainda estava esperando uma versão realmente fiel ao histórico do personagem e acho que posso ter encontrado em Bernthal na série (não vou afirmar com certeza pois ainda não terminei a segunda temporada).

Grande abraço!

Responder
JC 19 de março de 2016 - 19:22

Pra mim o melhor Justiceiro até hoje.
Não consegui gostar do que está em Demolidor.
Veja, não é ruim…mas Thomas Jane é a cara, o jeito, tudo.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais