Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Palhaço

Crítica | O Palhaço

por Lucas Nascimento
420 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 4,5

“Um homem vai ao médico. Diz que está deprimido. Que a vida parece dura e cruel. Que se sente só em um mundo ameaçador. O médico diz: ‘O tratamento é simples. O grande palhaço Pagliacci está na cidade esta noite. Vá ao show, isso deve animá-lo’. O homem se desfaz em lágrimas. E diz: ‘Mas doutor, eu sou Pagliacci.’” A “piada” acima é parte de Watchmen, graphic novel de Alan Moore (e filme de Zack Snyder), e define perfeitamente o excelente filme de Selton Mello.

O Palhaço narra a trajetória de um grupo de circo chamado “Esperança”, e seus diversos shows pelo Brasil. Nesse cenário, acompanhamos a crise de identidade sofrida pelo palhaço Bejamin (Mello), que encontra-se em dúvida sobre sua verdadeira vocação.

É esse tipo de filme que faz ter orgulho do cinema brasileiro. Selton Mello faz um trabalho quádruplo (como diretor, ator, co-roteirista e co-montador) e alcança um resultado excepcional, que passa além do ordinário e aproxima-se do status de obra-prima. Flertando constantemente com o bizarro (o que dizer daquele integrante obcecado por cabras?), Mello retrata o circo com imenso talento (a direção de arte é ótima nesse quesito) e rende uma performance carismática quando está sob a maquiagem do palhaço Pangaré – os movimentos e expressões faciais, todos perfeitos.

Mas enquanto retrata com euforia o trabalho dos artistas no palco, mostra que a realidade nos bastidores é muito menos alegre para seus integrantes. Benjamin não sabe o que é, nem o que quer fazer na vida. Ele possui sua certidão de nascimento (que comprova sua existência), mas é sempre perturbado pelo fato de não ter um registro de identidade (elemento brilhante do roteiro), que o impede de realizar alguns de seus sonhos; como o curioso apego a ventiladores. O sujeito não anda bem por dentro, e Mello representa esse lado de sua personalidade com eficiência precisa, adotando uma voz melancólica e quase silenciosa (que é perceptível até nos espetáculos de Esperança).

Tudo bem subjetivo, apostando corajosamente na força de  imagens e gestos de seus personagens. Um ótimo exemplo é a partida de Benjamin do circo, onde as expressões de tristeza dos integrantes (como Paulo José, que está excelente no papel do pai do protagonista, Valdemar), a música de Plínio Profeta e a apropriada direção de fotografia de Adrian Teijido – cuja iluminação ensolarada predomina durante quase toda a projeção – mesclam-se para gerar uma belíssima cena, sem fazer uso de qualquer diálogo. Uma aula de cinema.

Créditos também ao roteiro assinado por Mello e Marcelo Vindicato, que não só apresenta uma carga dramática pesadíssima e bem construída, como também muito senso de humor. As piadas e gags aparecem nos momentos de dificuldade da trupe (como na divertida jornada em busca de um mecânico), sempre com uma carga irônica (a genial conversa com o “delegado justo) e sem nunca recorrer a piadas “pastelões” ou de mal gosto.

Equilibrando de forma inusitada e bem construída humor e drama, O Palhaço é um excelente filme, que apresenta uma ótima história e uma execução narrativa e visual ainda melhor, alcançando uma conclusão de encher os olhos. Mais um marco para o cinema nacional contemporâneo.

O Palhaço (Brasil, 2011)

Direção: Selton Mello
Roteiro: Selton Mello e Marcelo Vindicato
Elenco: Selton Mello, Paulo José, Larissa Manoela, Giselle Motta, Teuda Bara, Álamo Facó, Cadú Fávero
Duração: 88 min

Você Também pode curtir

14 comentários

A comentarista 3 de julho de 2016 - 01:15

Adoro esse filme, um nacional de excelência, pra mim Selton destrói (no muito bom sentido) em tudo nessa obra.
Mais Selton Mello, por favor.

Responder
A comentarista 3 de julho de 2016 - 01:15

Adoro esse filme, um nacional de excelência, pra mim Selton destrói (no muito bom sentido) em tudo nessa obra.
Mais Selton Mello, por favor.

Responder
Ricardo Correa 29 de junho de 2016 - 20:13

Ser palhaço mostrou-se devidamente preconceituoso na campanha de tiririca não? Temos analfabetos funcionais ( o que quer isso possa significar ) lá no congresso aos montes mas não poderíamos aceitar este tipo de profissão … Não para representar a república ! Quem será o palhaço triste ou o talentoso inadvertidamente alegre? Quem estará com sua lama/alma na geladeira ou desfrutará de um poder humano ou insano perante a douta democracia ? Selton Mello deu aqui algumas dicas creio…

Responder
Ricardo Correa 29 de junho de 2016 - 20:13

Ser palhaço mostrou-se devidamente preconceituoso na campanha de tiririca não? Temos analfabetos funcionais ( o que quer isso possa significar ) lá no congresso aos montes mas não poderíamos aceitar este tipo de profissão … Não para representar a república ! Quem será o palhaço triste ou o talentoso inadvertidamente alegre? Quem estará com sua lama/alma na geladeira ou desfrutará de um poder humano ou insano perante a douta democracia ? Selton Mello deu aqui algumas dicas creio…

Responder
Pop.Renan 29 de junho de 2016 - 13:24

O Palhaço é de uma sensibilidade que não cai na pieguice. Adoro esse contraste entre o Benjamin ser um palhaço (figura da alegria) e a crise existencial pela qual ele passa.
O Selton Mello equlibrou muito bem o artístico e o popular.

Responder
Pop.Renan 29 de junho de 2016 - 13:24

O Palhaço é de uma sensibilidade que não cai na pieguice. Adoro esse contraste entre o Benjamin ser um palhaço (figura da alegria) e a crise existencial pela qual ele passa.
O Selton Mello equlibrou muito bem o artístico e o popular.

Responder
Lucas Nascimento 29 de junho de 2016 - 21:12

É simplista e cumpre o serviço com uma eficiência incrível. Precisamos de mais filmes assim.

Abrax!

Responder
Pop.Renan 29 de junho de 2016 - 22:47

Com toda a certeza.

Responder
Pop.Renan 29 de junho de 2016 - 22:47

Com toda a certeza.

Responder
Lucas Nascimento 29 de junho de 2016 - 21:12

É simplista e cumpre o serviço com uma eficiência incrível. Precisamos de mais filmes assim.

Abrax!

Responder
JC 29 de junho de 2016 - 01:30

Um dos filmes nacionais que mais dei valor.
Comprei até o BluRay na época. Muito bom.

Responder
JC 29 de junho de 2016 - 01:30

Um dos filmes nacionais que mais dei valor.
Comprei até o BluRay na época. Muito bom.

Responder
Lucas Nascimento 29 de junho de 2016 - 11:00

Somos 2, JC.

Abrax!

Responder
Lucas Nascimento 29 de junho de 2016 - 11:00

Somos 2, JC.

Abrax!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais