Home TVTemporadas Crítica | O Povo Contra O.J. Simpson: American Crime Story – 1ª Temporada

Crítica | O Povo Contra O.J. Simpson: American Crime Story – 1ª Temporada

por Iann Jeliel
50 views (a partir de agosto de 2020)
American Crime Story

“Você quer transformar isso em uma questão de negro. Eu não sou negro. Eu sou O.J. Simpson”

O chamado “julgamento” do século não é apelidado assim à toa. Para quem não conhece os eventos do caso O.J. Simpson, acusado de assassinar sua ex-esposa Nicole Brown e o garçom Ronald Lye Goldman, e se depara com a dramatização produzida por Ryan Murphy, facilmente fica abismado e sem acreditar de que tudo ali narrado, em devidas proporções, aconteceu de verdade e foi exibido em rede nacional, sendo o veredito inclusive uma transmissão com mais audiência do que a chegada do homem à lua, tamanha a repercussão e comoção que ganhou o caso por sua imensa quantidade de assuntos delicados envolvidos.

O tema ganhou um novo auge em 2016,  que também teve o expoente da excelente série documental O.J.: Made in America de Ezra Edelman, que traz toda uma recapitulação histórica contextualizada dos acontecimentos do tribunal, sob uma óptica biográfica crítica à figura de O.J. Simpson. Contudo, diferente dessa série que acabou se tornando um filme de quase oito horas de duração indicado ao Oscar, a proposta desta primeira temporada de American Crime Story não é ter um olhar crítico ao evento jurídico enquanto o emula, e sim emulá-lo em seu contexto de época, que inegavelmente dentro da inflamação política que causava, partia de uma premissa tão surreal que gerava entretenimento.

E o entretenimento de qualidade é aquele que diverte na mesma proporção que nos faz refletir, assim o caso O.J. cai como uma luva – trocadilhos à parte – na proposta antológica de trazer um crime real diferente por temporada e reproduzi-lo com liberdades ficcionais e estilísticas que o deixem divertido. Pode parecer uma escolha estrutural meio traíra com o conteúdo socialmente relevante, deixando-o superficial a uma diversão sensacionalista que pouco acrescentaria na leitura histórica do factual. Contudo, Murphy sabe o que quer com a proposta e aproveita essa liberdade assumida de estilização dentro do espaçamento temporal mais diluído da linguagem televisiva para, através de uma aproximação com seus personagens, comunicar diferentes perspectivas que acabam naturalmente atravessando o imediatismo com que são colocadas.

Numa primeira camada, existe sim a elaboração padrão na divisão dos times de advogados sob uma lógica bem maniqueísta de aparências. É o “Dream Team” de heróis de todas as raças se juntando na defesa da “vítima” por falsas acusações, e a “vaca” da Marcia Clark que vai fazer de tudo para que O.J. seja preso, sem escrúpulos ou relativizações. Parece um jogo do bem contra o mal mesmo, mas no meio o O.J. de Cuba Gooding Jr. carrega uma semente de ambiguidade que vai florescendo e invertendo papéis durante uma narrativa cada vez mais complexada em vias dramáticas. E essa complexidade é diretamente proporcional à construção dos personagens, que vão começando a se afetar com os efeitos da escala, que de contornos inicialmente chamativos vão ganhando ares tragicômicos reforçados pela organização dos eventos que culminaram na inocência do réu.

Nesse ponto o detalhismo cênico da estilização da direção torna os planos móveis, circulares e íntegros a uma rítmica pop de uma série maratonável, como artifício de prenúncio irônico à denúncia de um sistema judicial tão falho que foi imposto a uma mudança por uma falha. E digo falha porque a série deixa muito claro seu posicionamento de não acreditar que ele tenha sido inocente, e mesmo que essa posição venha do teor adaptativo do conto O Povo Contra O.J. Simpson – livro no qual a série se baseia –, não deixa de ser uma posição naturalmente crítica pelo contraste de sua forma tendenciosamente entretiva e que permanece assim com ou não a intenção de ser crítica. Mesmo já ciente dos fatos, a dúvida sobre a inocência ou não é crível, a ambiguidade do herói que se tornaria vilão é tão relevante quanto a hipocrisia do negro embranquecido virando símbolo de uma causa que nunca levantou, e o sensacionalismo pressionado em busca de um veredito são elementos fundamentais para a emulação conseguir sua imersão.

Além disso, as atuações surgem unitárias à proposta e estão calibradíssimas para potencializá-la à máxima potência. Mencionei Cuba Gooding Jr. como o mais fundamental, mas reforço que está longe de ser um bom ator, o que maximiza a escolha do casting para ele, que explora essas suas limitações e artificializações dramáticas em seu estilo de atuar para fornecer a ambiguidade necessária ao O.J. Simpson, que enquanto centro da narrativa fica exatamente no limiar do teatro com a intimidade de sua pessoa. John Travolta é outro que se transforma, a caricatura preguiçosa em que o ator estava mergulhado em seus últimos papéis se torna a base fundamental para fazer com que seu personagem naturalmente caricato se torne crível. Sarah Paulson é outro acerto incrível de casting, pois seu olhar facilmente transita entre o cínico e o inseguro que marca a graduação perfeita que sua personagem necessita como arco, que começa a ressignificar a proposta sensacionalista a um posicionamento mais firme da série. Os outros nomes do elenco estão igualmente excelentes, em especial Sterling K. Brown, David Schwimmer e Courtney B. Vance que ganham o maior destaque.

Trazendo a atmosfera noventista espetaculosa para enviesar a narrativa no mesmo clima eletrizante que foi acompanhar esse julgamento enquanto ocorria, American Crime Story dá um excelente pontapé inicial como antologia, acrescentando e incendiando ainda mais um evento histórico tão único que seria um desperdício não ter uma dramaturgia que o simulasse em algum momento.

O Povo Contra O.J. Simpson: American Crime Story – 1ª Temporada (The People v. O.J. Simpson | EUA, 2016)
Criação: Ryan Murphy
Diretores: Ryan Murphy, Anthony Hemingway, John Singleton
Roteiristas: Scott Alexander, Larry Karaszewski, D. V. DeVincentis, Joe Robert Cole, Maya Forbes, Wallace Wolodarsky (baseado no livro The Run of His Life: The People v. O.J. Simpson” por Jeffrey Toobin)
Elenco: Cuba Gooding Jr., Sarah Paulson, John Travolta, David Schwimmer, Courtney B. Vance, Bruce Greenwood, Selma Blair, Connie Britton, Jordana Brewster, Christian Clemmenson, Sterling K. Brown
Duração: 10 episódios – 50 minutos em média cada episódio.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais