Home TVTemporadas Crítica | O Show de Scooby-Doo – A Série Completa

Crítica | O Show de Scooby-Doo – A Série Completa

por Iann Jeliel
468 views (a partir de agosto de 2020)

“C’mon get involved until the Mystery is solved… Hang around for Scooby-Doo!”

Leia, aqui, as críticas de todo nosso material de Scooby-Doo.

Antes de comentar sobre a série, é necessário destrinchar um pouco do contexto cronológico na linha do tempo de Scooby-Doo (tratarmos em detalhes disso em um futuro Entenda Melhor). Esta é oficialmente a terceira encarnação do personagem, ainda que faça parte de uma mesma configuração de traços originados em Scooby-Doo: Cadê Você?, sendo bem fácil de confundir os episódios das duas séries e achar por aí listagens que as considera como uma série só. Isso se agrava com a prerrogativa a época, onde a primeira encarnação teve um revival, uma terceira temporada de 9 episódios lançados em 1978, o mesmo ano em que sairia a terceira temporada de O Show do Scooby-Doo, que já estava em andamento desde 1976. No fim das contas, na oficialização de vendas tanto em VHS como em DVD, esses 9 episódios de revival do Cadê Você? se transformariam nos 9 primeiros episódios de O Show e a primeira temporada oficialmente teria acabado na segunda.

É importante destacar isso na análise porque cada temporada nova de Scooby-Doo, em boa parte de sua cronologia, dependia de um surto criativo dos seus realizadores, já que a fórmula-base (que comento na primeira das críticas das séries) não iria mudar da estabelecida historicamente, mudando apenas no tom escolhido pela encarnação específica e no preenchimento dos capítulos: novos mistérios, novos vilões, novos cenários, além do modo como os personagens iriam interagir com tudo aquilo. Outro detalhe importante é que os episódios eram exibidos acompanhados da série do Bionicão com o Falcão Azul – denominada Dinamite, o Bionicão – pensando no preenchimento daquele horário destinado aos desenhos de 45 minutos, duração dos episódios da segunda encarnação crossover Os Novos Filmes de Scooby-Doo.

O que soa até estranho imaginar que no planejamento da Hanna-Barbera não houve episódios (pelo menos, não no Show do Scooby-Doo, isso só iria acontecer nos Ho-Ho Olímpicos) em que os personagens se encontrariam, mesmo com o fator de “participação especial” da versão anterior ter influenciado tanto essa nova. Digo isto porque é nessa série, por exemplo, que o Scooby-Dão é introduzido, aquele primo preto e branco do Scooby que é meio desligadão, teimoso e mais corajoso. São 4 episódios em que ele participa, uma dosagem ótima e devidamente bem posicionada nas duas primeiras temporadas para chacoalhar um pouco a fórmula de resolução dos mistérios. O primeiro, do Jacaré Guloso, está entre os melhores e mais divertidos episódios de todos os tempos do personagem. Além dele, outros parentes do mistério são colocados em cena, óbvio, nenhum tão marcante quanto, algo que infelizmente daria a brecha para a criação de Scooby-Loo, mas falaremos disso em outro texto.

Pensando em termos de linguagem, a abordagem da série imagética e sonoramente estava mais leve e não tão perturbadora, voltada para o horror como era em Cadê Você?, que usava muito o poder da imagem dos cenários assustadores criados junto aos temas clássicos para envolver a criança de um modo objetivo e participativo ao mistério. Fica notório esse tom mais leve em alguns episódios. Em especial, dois deles reciclam monstros da série anterior e, nos ajustes dos traços, é perceptível a mudança mais “borrachuda” na caracterização, de modo a deixar mais claro que se trata de uma roupagem e não de monstros de verdade. Alguns dos episódios mais fracos apelam para essa sensação de leveza, onde uma trilha divertida incide em constância no fundo até o final, o que por vezes quebra o clima e torna-os enjoativos.

De modo geral, essa mudança diminutiva de tom não é um demérito, pelo menos não impede a articulação ainda bastante criativa de criação de mistérios entrelaçados a figuras fantasmagóricas icônicas. Existe um aspecto até mais grandioso nesse sentido, mais suspeitos para pensar, mais monstros para lidar. A maioria dos capítulos, inclusive, não contam com apenas um, mas toda uma equipe de monstros, que dentro de um cenário fechado e a depender da motivação e do envolvimento da Mistério S.A, tornam a resolução mais urgente. Há um direcionamento mais internacional também, ainda que carregado de estereótipos (veja o caso do episódio que se passa no Brasil / Amazônia), dando espaço para explorar outros tipos de lendas bastante promissoras, como o caso do Triângulo das Bermudas, o Monstro do Lago Ness, A Bruxa de Salem, dentre outras.

Há diversos episódios icônicos e inesquecíveis, principalmente no início de cada temporada (destaco além dos já mencionados: O Fantasma de 10 mil Volts, O Fantasma do Pterodátilo, Merlim, O Monstro de Piche, O Fantasma da Máscara de Ferro, Os Esqueletos, A Gata Monstruosa…), sendo a série de Scooby-Doo mais regular pensando nesse sentido, com todas as temporadas num ótimo nível, apesar de começarem melhor do que terminam. E o mais importante, aquela a sensação de descompromisso conquistadora do desenho, que persiste e garante um entretenimento certo.

O Show do Scooby-Doo (The Scooby-Doo / EUA, 1976-1978)
Criação:
Ken Spears, Joe Ruby.
Principais Diretores: Charles A. Nichols, Alex Lovy, Carl Urbano.
Principais Roteiristas: Haskell Barkin, Norman Maurer, Dalton Sandifer.
Elenco (Dublagem Original): Don Messick, Heather North, John Stephenson, Frank Welker    , Casey Kasem, Patricia Stevens, Janet Waldo, Alan Oppenheimer  , Lennie Weinrib, Vic Perrin, Daws Butler, Hettie Lynne Hurtes.
Elenco (Dublagem Brasileira): Orlando Durmmond, Mário Mojardim, Luis Manoel, Juciara Diácovo, Nair Amorim, Silvío Navas (Estúdio de dublagem: Hebert Richards).
Duração: três temporadas, 24 minutos cada episódio nas duas primeiras temporadas (com 16 e 8 episódios respectivamente) e 22 minutos cada episódio na terceira (de 16 episódios), no total de 40 episódios.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais