Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Último Desafio

Crítica | O Último Desafio

O retorno de Schwarzenegger.

por Ritter Fan
472 views

O que acontece quando um plano de fuga completamente imbecil dá de cara com um inesperado xerife durão de uma cidadezinha fronteiriça americana armado com todas as conveniências possíveis de roteiro? Simples: diversão completamente descerebrada que chega a dar vergonha de dizer que eu gostei. Mentira. Vergonha nada, pois O Último Desafio, longa que marca o retorno de Arnold Schwarzenegger ao protagonismo depois de pouco mais de sete anos como governador da Califórnia, marca, também, uma espécie de retorno ao tipo de filme que marcou sua carreira nos anos 80, ou seja, aquela baboseira que é, de ponta a ponta, irresistível.

E não, o filme dirigido pelo sul-coreano Jee-woon Kim (de Medo e Eu Vi o Diabo) não é nada de mais. Ao contrário até, ele tem um roteiro daqueles que não dá nem para pedir para suspender a descrença, pois suspender é pouco. O que tem que ser feito, aqui, é arremessá-la impiedosamente pela janela de um prédio alto de tão completamente imbecil que o trabalho de Andrew Knauer é ao criar uma situação de fuga do grande chefão do cartel de drogas mexicano Gabriel Cortez (Eduardo Noriega) com um Corvette tunado no meio do deserto do sul dos EUA que exige uma ginástica gigantesca para fazer algum mínimo de sentido, tudo para que o grande vilão seja obrigado a atravessar a pacata cidadezinha de Sommerton Junction, no Arizona, onde a lei é o xerife Ray Owens (Schwarzenegger) que está lá para viver uma espécie de aposentadoria enquanto trabalha que, não tenham dúvida, esconde seu passado como o bambambã da polícia de Los Angeles.

Entre frases de efeito sem efeito algum, atores coadjuvantes vivendo personagens genericamente arquetípicos – o bonzinho bucha de canhão, a policial corajosa, o vagabundo bom de gatilho, o mexicano hesitante, mas eficiente e o bobo da corte dono de um arsenal comicamente conveniente -, um sub-vilão afetadíssimo vivido por Peter Stormare e um agente do FBI incompetente inexplicavelmente interpretado pelo ótimo Forest Whitaker, o filme segue sempre em frente cada vez mais rindo na cara do espectador que precisa aceitar todas as barbaridades desafiadoras da lógica que são jogadas na tela. Mas é justamente por ser tão classicamente um “filme de brucutu dos anos 80”, com Schwarzenegger realmente fazendo esforço para voltar ao tipo de personagem que o notabilizou, e pelo diretor saber lidar com sequências de ação que vão desde momentos à la Velozes e Furiosos até uma pancadaria franca e, diria, surpreendentemente crua entre Owens e Cortez, que o longa acaba funcionando daquele jeito capenga que esperamos de uma obra assim.

É como um pot-pourri de tudo que já vimos antes, inclusive com o próprio Schwarzenegger. A familiaridade com cada passo da história é tanta que qualquer espectador minimamente conhecedor de filmes de ação pensados exclusivamente como veículos para suas estrelas cantará as pedras de cada acontecimento durante os 107 minutos de duração, não interessando o quão relevante ele é para a trama. Tudo é mastigado da maneira mais didática possível, como, por exemplo, logo no começo da projeção, o prefeito entregar as chaves de seu Camaro vermelho para o xerife e, em seguida, o mesmo xerife visitar o maluco local, vivido por Johnny Knoxville basicamente interpretando ele mesmo, em que aprendemos que ele é colecionador de trabucos mortais variados (incluindo, em uma referência que eu adoro, a espada de ninguém menos do que Conan, o Bárbaro). Novamente, faz parte do jogo apontar para a tela e dizer obviedades como “ah, o xerife vai usar o carrão para perseguir o bandido no final” ou “ah, o xerife vai usar o revólver do Dirty Harry para acabar com um punk” e, claro, “caraca, olha lá a espada do Conan!!!”, ao mesmo tempo em que rolamos os olhos em descrença pelo quanto tudo é tão ridiculamente básico.

O Último Desafio é ação oitentista na veia por um astro da mesma década tentando reencontrar-se e reerguer-se muito tempo depois de seu último filme realmente sensacional. Não é uma tarefa fácil, especialmente para alguém que se afastou de Hollywood para enveredar pela política por tanto tempo, mas se tem uma coisa que Schwarzenegger sempre prometeu é que ele ia voltar. E voltou.

O Último Desafio (The Last Stand – EUA/Coréia do Sul, 2013)
Direção: Jee-woon Kim
Roteiro: Andrew Knauer
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Johnny Knoxville, Forest Whitaker, Jaimie Alexander, Luis Guzmán, Eduardo Noriega, Rodrigo Santoro, Peter Stormare, Zach Gilford, Genesis Rodriguez, Daniel Henney, Tait Fletcher, John Patrick Amedori
Duração: 107 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais