Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Vingador do Futuro (1990)

Crítica | O Vingador do Futuro (1990)

por Ritter Fan
745 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 5,0

Amando ou odiando Paul Verhoeven (acho difícil o diretor inspirar sentimentos menos radicais em alguém), o fato é que ele sabe fazer filmes inesquecíveis. Seu Conquista Sangrenta, de 1985, abordou a época medieval sem filtros, mostrando um retrato ficcionalmente honesto da época e isso no mesmo ano em que Rutger Hauer também estrelaria o drama medieval O Feitiço de Áquila, que não poderia ser mais oposto à obra de Verhoeven. O mesmo vale para RoboCop, de 1987, ainda hoje considerado um verdadeiro clássico do gênero (a versão de Padilha empalidece perante o original). E quem não se lembra da cruzada de pernas de Sharon Stone em Instinto Selvagem, das baratas gigantes em Tropas Estrelares ou mesmo das mulheres seminuas (ou totalmente nuas) em seu quase pornô trash Showgirls? Até a horda de detratores desse último filme pelo menos lembra o que viu, para o bem ou para o mal.

O fato é que as assinaturas de Verhoeven estão sempre presentes em suas relativamente escassas obras: sua forte ironia e sua sátira e crítica sociais abundantes e relevantes.

O Vingador do Futuro (mais um título infeliz em português), estrelando Arnold Schwarzenegger, é um claro exemplo de como o diretor consegue aliar imagens antológicas, efeitos especiais e violência com uma saudável camada de comentário crítico ao que vivemos nos dias de hoje. O filme, baseado em Podemos Recordar para Você, por um Preço Razoável, conto do magistral autor de ficção científica Philip K. Dick, conta a história, em um futuro não especificado, de Douglas Quaid (Schwarzenegger), que tem fixação com Marte. Como um trabalhador comum, ele não tem meios para pagar uma viagem até lá, mas acaba aceitando uma alternativa: um implante de memória da empresa Rekal, que funciona como se ele tivesse viajado. O problema é que, como um excitante bônus, o implante faria Quaid viajar como um agente secreto e isso, para surpresa de todos, especialmente do próprio implantado, acaba destravando o que talvez possa ser a verdadeira memória do personagem como um espião. Quaid, então, passa a ser perseguido pelo que parece ser o mundo todo, especialmente sua esposa Lori (Sharon Stone) que, na verdade, não é bem sua cara-metade. Partindo para uma aventura em Marte, Quaid se depara com o poder dominante oprimindo a classe trabalhadora, que planeja uma revolta. Ele parece ser a chave de tudo, mas a questão que ele mesmo não sabe responder é: quem exatamente ele é?

O conto de Philip K. Dick é curto e objetivo, com um final completamente diferente do filme. A única coisa realmente aproveitada em O Vingador do Futuro é o conceito de um implante de memória envolvendo Marte destravando outras memórias em Quaid (Quail no conto). O resto é uma bem bolada construção que começou, de forma embrionária, em 1975, com Ronald Shusett e Dan O’Bannon, que queriam desenvolver esse filme mas acabaram fazendo Alien no lugar (leiam a história aqui). São reviravoltas e mais reviravoltas, todas muito bem costuradas em roteiro inteligente e bem executado por Verhoeven.

O futuro nos é apresentado não como algo extravagante e surreal, mas sim muito na linha de RoboCop, como algo terreno (mesmo quando a ação se desloca para Marte), com personagens interessantes e com quem o espectador consegue se relacionar, se preocupar ou sentir raiva. Schwarzenegger encarna Quaid de maneira muito eficiente, convencendo-nos de sua transformação de uma pessoa completamente confusa, surpresa e frágil (ok, frágil talvez seja um exagero, mas vocês entenderam o que quis dizer) em um herói (ou será que ele é vilão, ou é tudo um sonho?) de ação. Sharon Stone e Rachel Ticotin (Melina, a namorada da segunda persona de Quaid) convencem como mulheres de ação e Michael Ironside, vivendo Richter, talvez esteja no melhor papel de sua vida depois de seu Darryl Revok em Scanners – Sua Mente Pode Destruir.

A veia irônica e satírica de Verhoeven se faz presente a todo o momento. Para começar, a busca por férias falsas de uma classe social mais baixa que almeja alcançar os patamares de uma classe social mais alta, algo discreto no conto original, é exacerbado aqui, com críticas fortes ao consumismo desenfreado e à necessidade de fazer algo só porque os outros fazem. O mesmo vale para a classe dominante, caracterizada com opressora e fútil.

Sim, é verdade que o comentário social se dá no meio de pancadaria e tiroteios, mas as melhores críticas dessa natureza vêm quando elas não são o centro da atenção. A ação é um veículo, um vetor que transporta o comentário ao nosso subconsciente e deixa-o lá, pronto para pular a qualquer momento, naquelas horas em que estalamos os dedos e dizemos: “É verdade, igualzinho ao filme tal”.

O Vingador do Futuro, queiram ou não, já tem seu lugar garantido no panteão dos clássicos da ficção científica. É um filme que, uma vez visto, não será esquecido, mesmo que ele não tenha agradado ao espectador. Diverte, deixa tenso, faz vibrar e, no meio de tudo isso, ainda nos lega lições e belíssimas alfinetadas que todos nós precisamos de tempos em tempos.

O Vingador do Futuro (Total Recall, 1990)
Direção: Paul Verhoeven
Roteiro: Ronald Shusett, Dan O’Bannon, Gary Goldman (baseado em conto de Philip K. Dick)
Elenco: Arnold Schwarzenegger, Rachel Ticotin, Sharon Stone, Ronny Cox, Michael Ironside, Marshall Bell, Mel Johnson Jr., Michael Champion, Roy Brocksmith, Ray Baker, Rosemary Dunsmore, David Knell, Alexia Robinson, Dean Norris
Duração:  113 min.

Você Também pode curtir

18 comentários

Jonatã Lopes 25 de abril de 2018 - 15:48

Confesso que fico na dúvida sobre um aspecto: Douglas Quaid viajou ou não para Marte? Não creio que este seja um debate tão canônico como a natureza de Deckard em Blade Runner. Mas devo dizer que em Total Recall, que as duas hipóteses são interessantes e funcionam muito bem.

Responder
planocritico 27 de abril de 2018 - 23:43

Funcionam sim, @jonat_lopes:disqus !

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 27 de abril de 2018 - 23:43

Funcionam sim, @jonat_lopes:disqus !

Abs,
Ritter.

Responder
Alex Lordelo 5 de maio de 2019 - 17:20

Isso fica em aberto mesmo, já vi este Filme varias vezes.

Responder
Jonatã Lopes 25 de abril de 2018 - 15:48

Confesso que fico na dúvida sobre um aspecto: Douglas Quaid viajou ou não para Marte? Não creio que este seja um debate tão canônico como a natureza de Deckard em Blade Runner. Mas devo dizer que em Total Recall, que as duas hipóteses são interessantes e funcionam muito bem.

Responder
Danilo 19 de novembro de 2015 - 09:33

Adorei a crítica !.Para mim, esse é o 2° melhor sci-fi de todos os tempos, perdendo apenas para o Terminator 2.
Essa foi a melhor fase do Arnold(anos 80 e inicio dos 90), mas também, basta olhar os diretores com os quais ele trabalhou.James Cameron, John McTiernan, Paul Verhoeven, só têm fera.

Responder
planocritico 19 de novembro de 2015 - 12:03

É realmente um filmaço, parte da Era de Ouro do Schwarza!

Mas não podemos esquecer de Alien e Aliens na categoria sci-fi!

Abs,
Ritter.

Responder
Dalmo Junior 27 de setembro de 2015 - 23:01

Aquele filme remake foi a pior diarreia já evacuada(assim como Conan 2011).arnoldao era o rei dosanos 80 e 90. Esse filme pra mmim e top dele ao lado do exterminador do futuro 2 e true lies

Responder
planocritico 27 de setembro de 2015 - 23:25

E não esqueçamos de Comando para Matar! 🙂

Abs,
Ritter.

Responder
Dalmo Junior 29 de setembro de 2015 - 15:47

que pecado,desculpa kkkkkkkkkkkk como esquecer um dos campeões da “truculencia” da sessão da tarde(quando o programa era de macho pq agora …)ao lado do rambo 2 e 3,braddock 2 e 3,conan(os dois),guerreiros do fogo(aquele do conan com outro nome por causa dos direitos)…até a tv a cabo tem filmes de tarde censurados. me rendo abraços também

Responder
planocritico 29 de setembro de 2015 - 17:12

Clássicos “de macho” dos anos 80 que jamais esquecerei! Comando para Matar era um dos filmes preferidos de meu pai! E eu herdei esse gosto!

Mas a grande pérola oitentista da truculência ainda é Stallone Cobra! Esse sim é filme de MACHO! HAHAHAHAHAHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Dalmo Junior 29 de setembro de 2015 - 17:24

concordo,li em alguns sites que esse filme tem uma das melhores adaptações de dublagens do cinema(graças a dublagem magnifica do falecido andre filho) como:voce e um como e eu vou matar voce,voce é a doença e eu sou a cura,aqui a lei termina e eu começo,com louco eu não negocio,eu mato,… e uma coincidencia é que esse filme é a sintese dos filmes do stallone(como o comando pra matar é do Schwarzenegger)

planocritico 29 de setembro de 2015 - 18:02

Nunca vi dublado não, pois ouvir o Stallone falando em inglês não tem preço!

Abs,
Ritter.

Dalmo Junior 29 de setembro de 2015 - 23:18

soube que são muito boas também,como pretendo fazer uma sessão dupla um dia com o commando(esse vi legendado e ainda é muito engraçado o sotaque do arnold)abraços

planocritico 30 de setembro de 2015 - 01:32

@dalmojunior:disqus, dia 04 de outubro sai a crítica de Comando para Matar aqui no site, pois é a comemoração do aniversário de 30 anos do filme! Seria um ótimo dia para revê-lo.

Abs,
Ritter.

Dalmo Junior 30 de setembro de 2015 - 23:11

boa dica pra domingo,lembrei que a globo adorava passar na temperatura maxima(como sou saudosista kkkkkkkkkk) e era programa obrigatoria onde até o faustão era menos chato e assistivel kkkkkkkkkkk valeu!

Mauro Guimaraes 27 de setembro de 2015 - 14:29

Um excelente filme!
Pena que, para as gerações mais jovens, teve sua história manchada por um “reboot” desnecessário e mal construído…

Responder
planocritico 28 de setembro de 2015 - 17:32

@mauroguimaraes:disqus, devo confessar que, quando penso nesse remake como filme “solto” e não como remake, eu acabo gostando um pouco…HHEHHEHEEHEHE

Mas com certeza foi desnecessário.

Abs,
Riter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais