Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Os Conquistadores (1941)

Crítica | Os Conquistadores (1941)

por Luiz Santiago
229 views (a partir de agosto de 2020)

Western Union foi um dos dois livros que o escritor Zane Grey publicou em 1939 (o outro foi Knights of the Range), e que se tornou uma das inúmeras adaptações de suas obras para o cinema, desta vez, pelas mãos do Mestre Fritz Lang. O diretor vinha de uma experiência nada positiva com um faroeste, A Volta de Frank James, lançado no ano anterior a este Os Conquistadores, e aqui podemos observar uma série de ganhos no produto final, já mostrado Fritz Lang à vontade com o gênero e criando momentos absolutamente fascinantes na tela.

O título brasileiro, como quase sempre, é ruim, e dá uma ideia completamente diferente daquilo que a obra realmente nos traz. Aqui, temos a extensão dos postes e fios de telégrafo pelas Grandes Planícies norte-americanas, realizada pela Western Union, a Companhia de Telégrafos fundada em 1851 e que existe até os dias de hoje. Cercando essa linha narrativa principal, temos o elemento de conflito da fita, que se mostra para o público já no início. Vance Shaw (Randolph Scott) está em fuga pelo deserto, após ter participado de um assalto a um banco. Nessa fuga, ele encontra Edward Creighton (Dean Jagger), que acaba ajudando e, sem saber, marcando em definitivo a sua vida a curto prazo.

O roteiro de Robert Carson explora um tema caro a muitos faroestes, que é o conflito entre a modernidade dos colonos americanos/europeus e a vida indígena nas grandes planícies. Há uma cena emblemática aqui que exemplifica isso de forma direta, que é quando Creighton convence um chefe indígena a permitir o avanço das linhas de telégrafo por suas terras. Essa dualidade se une a um outro elemento de construção dramática, o lado do crime, que em seu interior recebe uma divisão bastante chamativa, capaz de engajar o espectador sem muito esforço.

De lado, temos o “bom bandido” vivido por Randolph Scott, que dá sinais de humanidade desde que salvou Creighton na sequência inicial da obra. Do outro lado temos Jack Slade (Barton MacLane), que representa a face puramente selvagem, assassina e maquinalmente má da civilização que está chegando ao oeste. E ao longo da fita observamos essa dualidade entre diferentes forças agindo dentro de um mesmo grupo, onde a possibilidade de mudança e até mesmo a tentativa de fazer com que algo não ganhe uma escalada desnecessária parece inútil. Entre a invasão da “selvageria pela modernidade” e dos bons e maus indivíduos dentro de cada grupo social (branco ou vermelho), o texto ainda nos traz a típica “maldição do cavaleiro solitário“, que no presente caso, não é tão solitário assim.

A despeito das tragédias, a grande empresa nacional prospera e as linhas de telégrafo são, por fim, instaladas. O final de Os Conquistadores é basicamente a versão humana de uma das mais belas e simbólicas cenas do filme, quando vemos a carcaça de um animal em primeiro plano e, na profundidade de campo, cavalos passando diante da câmera e fios de telégrafo sendo instalados. A morte de alguns, o fogo, a fome e a bandidagem ao redor são apenas “acidentes de percurso” nesse trajeto da tecnologia que pretende diminuir as distâncias de comunicação no país. É aquela história do Velho Oeste onde a vitória, assim como em muitas ocasiões na vida, é amarga demais para ser inteiramente aproveitada. Mas a despeito disso, o mundo segue dizendo a cruel e ao mesmo tempo real e necessária frase: “a vida continua“.

Os Conquistadores (Western Union) — EUA, 1941
Direção: Fritz Lang
Roteiro: Robert Carson (baseado na obra de Zane Grey)
Elenco: Robert Young, Randolph Scott, Dean Jagger, Virginia Gilmore, John Carradine, Slim Summerville, Chill Wills, Barton MacLane, Russell Hicks, Victor Kilian, Minor Watson, George Chandler, Chief John Big Tree, Chief Thundercloud, Dick Rich
Duração: 95 min.

Você Também pode curtir

2 comentários

Red Shins 8 de março de 2021 - 16:55

Trata-se de um pequeno clássico do gênero western dirigido por Fritz Lang que brilhou em filmes memoráveis como Metrópolis (1927). Este “Os Conquistadores”, na minha opinião é apenas um bom entretenimento da década de 40.

Faroeste mediano que foi baseado no romance “Western Union”, de Zane Gray (1872-1939), embora existam diferenças significativas entre os dois gráficos. Originalmente, Laird Cregar foi escalado para este filme em um papel indeterminado (possivelmente o de Doc Murdoch), que foi incapaz de fazer o filme devido a um outro projeto inacabado. Ele foi substituído por George ‘Gabby’ Hayes, e este ficou doente e também foi substituído.

A construção, em 1861, da primeira linha transcontinental do telégrafo sem fio. A este respeito, o filme não é historicamente preciso; a instalação de fios telegráficos foi recebida com protesto de ninguém. Fritz Lang (1890-1976) confessou que a estória foi toda inventada: o único problema da construção foi a falta de madeira para os postes e o barulho dos búfalos que passavam por perto. E a construção da linha não levou nem metade do tempo que o filme precisou para ser rodado.

O filme quebra um paradigma sagrado do gênero faroeste: O protagonistga morre no final do filme e deixa a moça na mão.

As coisas aparecem no último terço do filme; há uma cena famosa – muito langiana – na qual Randolph Scott (1898-1987), amarrado com corda, escapa segurando suas amarras sobre um fogo real. Mas a melhor cena deste western com pouca ação é a final em um tiroteio na barbearia.

Trata-se de incursão ousada do cineasta Fritz Lang ao conduzir este obscuro e notável faroeste “Os Conquistadores”. A sensação de que faltou algo mais neste pequeno clássico não escapa do ângulo do espectador, pois, a trama demorou a engrenar, chegando a atrapalhar um pouco o desenrolar da história. Ainda assim, gostei da proposta do diretor e embora “Os Conquistadores” não esteja na lista de seus melhores trabalhos de acordo a visão da crítica especializada, este filme possui suas qualidades.

Tem como fazer um artigo sobre Mackenna’s Gold (O Ouro de Mackenna) é um filme estadunidense de 1969, do gênero faroeste, dirigido por J. Lee Thompson, com roteiro de Carl Foreman??

Responder
Luiz Santiago 8 de março de 2021 - 16:56

Tem com sim, vou adicionar na nossa lista! Ainda não vi esse, será uma boa oportunidade!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais