Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Os Homens Preferem as Loiras

Crítica | Os Homens Preferem as Loiras

por Laisa Lima
813 views (a partir de agosto de 2020)

O universo masculino, por uma ótica generalizada e estereotipada, é muito simples de se decifrar: futebol, bebidas, carros, mulheres e afins. Segundo Howard Hawks, entretanto, no quesito “sexo feminino”, a preferência se direciona a um seleto grupo: as loiras. Loiras como Grace Kelly, Brigitte Bardot e, mais especificamente aqui, Marilyn Monroe. A atriz, que figurou um quadro de Andy Warhol e hoje estampa painéis vintage de cinéfilos ou apenas amantes da cultura pop, teve seu apogeu em Os Homens Preferem as Loiras (1953). Enfim, um dos maiores exemplos da Era de Ouro de Hollywood e sua ascensão de estrelas e histórias felizes, mas com um fundo de verdade. 

Como Lorelei Lee, Monroe empresta mais uma vez sua beleza e seu carisma a uma personagem que, também novamente, reflete um imaginário popular. A moça, acompanhada de sua amiga Dorothy (Jane Russell), embarca em um cruzeiro rumo à Europa onde um detetive, a mando do pai de seu noivo, a segue a fim de pôr à prova suas intenções para com o futuro marido. O tal imaginário popular, então, é refletido na aparência aliada à personalidade da protagonista, que traduzem o que pode vir a ser uma “loira burra”. Outros padrões sociais antiquados são utilizados durante o longa-metragem, mas nada anula sua alta capacidade de entretenimento.

Para quem pensa como o século 21, a ideia de uma mulher “caça-dotes”, ou seja, que busca apenas a fortuna do parceiro, é demasiadamente ultrapassada. Em Os Homens Preferem as Loiras, a existência desse rótulo não só é reafirmada como é admitida e acolhida por Lorelei, que demonstra poucas facetas além de sua visão gananciosa. Sua ambição, apesar de tudo, se torna mais inocente do que puramente material, já que o intuito de prejudicar o homem em quem se dará o futuramente chamado de golpe, não compete com a vontade maior da jovem de ter diversas joias como adereços. A quase certa simpatia do público com a personagem se dá por conta justamente da forma com que a mesma arranca toda falta de ética presente neste ato e faz dele algo leve, mesmo que isso esteja atrelado a um pré-conceito. 

Em contraposição, Dorothy condiz mais com o discurso propagado atualmente sobre os anseios de gênero. Despreocupada com bens financeiros, a personagem de Russell se permite ser livre e ter opções amorosas por onde passa, sendo bem mais sagaz e menos otimista que Lorelei. A frequente indagação de Dorothy em volta dos objetivos de Lorelei simboliza os questionamentos de uma parte da audiência, mas, ainda assim, pode-se perceber um elo entre as duas: a aceitação de suas essências, sem julgamentos. Quem mais repreende, aliás, são os homens, seja Gus (Tommy Noonan), noivo de Lorelei, ou o investigador Ernie (Elliott Reid), que invalidam até mesmo o caráter das jovens, que são dançarinas de cabaré, ao colocarem as ações delas em posição de dúvida e análise. Vem do sexo masculino uma malícia mais latente e é proveniente disso todo o despertar das adversidades vividas pelas duas. 

De um extremo ao outro, o mesmo indivíduo que fez o western Rio Vermelho (1948), Howard Hawks, se dirige até um outro polo: a comédia musical. Em Os Homens Preferem as Loiras, as atitudes dos personagens pouco influenciam em quem eles são e pouco são olhadas, por intermédio da câmera de Hawks, com refutamento pelos espectadores. Pelo contrário, o roteiro prioriza a construção de uma importância e busca pelo amor, principalmente da parte da que mais se permite, Dorothy; e a comédia inserida nos elementos que vão sendo adicionados ao decorrer do longa-metragem. As protagonistas e seu relacionamento entre si está em um nível de entrosamento que faz a conexão entre elas transbordar pela tela e seus ideais contrários se tornarem complementares, não sendo possível imaginar uma sem a outra. As canções são igualmente integradas, auxiliando no andar do enredo e na compreensão dele. Diamonds Are a Girl’s Best Friends, cantada por Marilyn, como já era de se esperar, é um dos picos da obra.

Os Homens Preferem as Loiras se une a filmes como Sinfonia em Paris (Vincente Minnelli, 1951) e outros que fizeram a diferença tanto nos anos 50 quanto para as comédias musicais. A obra de Howard Hawks pode não possuir uma lacuna para a opinião própria do público já que tudo é expositivo, mas a diversão é garantida se for penetrado um universo no qual enganar tem sua malandragem e seu deleite. A maneira com que se lida com temáticas fora até dos pareceres atuais, como a colocação da mulher frente a escolha de com quem irá se casar, não parece um problema visto a imersão apenas no que o longa-metragem mostra no momento, sem necessidade de conhecimento prévio dos constituintes e suas motivações. Com um entretenimento fácil de se digerir e melodias atrativas e agradáveis, Marilyn Monroe pode ser considerada um artifício cênico tão mítico quanto a própria obra de 1953. 

Os Homens Preferem as Loiras (Gentlemen Prefer Blondes – EUA, 1953)
Direção: Howard Hawks
Roteiro: Charles Lederer
Elenco: Marilyn Monroe, Jane Russell, Charles Coburn, Tommy Noonan, George Winslow, Marcel Dalio, Taylor Holmes, Norma Varden, Howard Wendell, Steven Geray
Duração: 91 min.

Você Também pode curtir

7 comentários

Karina Carvalho 14 de fevereiro de 2021 - 11:02

Esse filme é tudo! Além de super divertido e com números musicais icônicos, está a frente de seu tempo, com duas mulheres donas do próprio nariz nos anos 50.

Gosto da relação de cumplicidade entre as personagens que, como tu disse, se aceitam sem julgamentos, ainda que discordem em algumas coisas. Gosto também que Lorelei mesmo deslumbrada, não cai no esteriótipo raso da loira burra interesseira, inclusive senti uma inspiração de Greta Gerwig no discurso final de miss Lee para escrever a fala da personagem Amy em Adoráveis Mulheres.

Responder
Starr-Lord 6 de janeiro de 2021 - 15:32

É um filme bem divertido, gosto muito de como a relação da Lorelei com a Dorothy é abordada, pois ambas se respeitam, tanto que a Dorothy defende a Lorelei quando a acusam de ser interesseira. A relação das duas é o ponto alto, talvez pela química excelente das atrizes.

Responder
Laisa Lima 13 de janeiro de 2021 - 11:00

Exatamente! A relação das duas é muito verdadeira e muito respeitadora, por mais que a personalidade delas seja muito diferente. É com certeza uma das melhores coisas do filme.

Responder
Gabriel Carvalho 6 de janeiro de 2021 - 08:33

Amo, amo, amo.

Responder
Laisa Lima 13 de janeiro de 2021 - 11:00

Ahhh, eu também

Responder
Luiz Santiago 5 de janeiro de 2021 - 21:10

É daqueles filmes que a gente fica simplesmente vidrado! Realmente, é diversão garantida.

Responder
Laisa Lima 13 de janeiro de 2021 - 11:00

Com certeza, é muito divertido e vale muuuito a pena!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais