Crítica | Pantera Negra de Peter B. Gillis e Denys Cowan

PANTERA NEGRA PLANO CRITICO Peter B. Gillis e Denys Cowan 1988 EDITORA ABRIL BLACK PANTHER PLANO CRITICO

Publicada entre julho e outubro de 1988, esta minissérie em quatro edições do Pantera Negra foi escrita por Peter B. Gillis e ilustrada por Denys Cowan (com finalização de Sam de la Rosa) e tentou juntar em uma única trama o complexo sistema político vigente em Wakanda com uma densa e muito interessante mensagem contra o racismo, a escravidão e a segregação de povos, tendo como foco aqui os impasses na nação Azania, que é uma alegoria do autor para a África do Sul.

Na primeira edição, Pranto de Uma Nação Condenada (usarei aqui os títulos exatos da publicação dessa minissérie pela Editora Globo, entre 1990 e 1991) temos em essência um evento místico que gera a maior linha dramática da minissérie: o Espírito da Pantera abandona o corpo de T’Challa. Até este momento, nas séries solo do personagem — e só tinham outras duas, A Fúria do Pantera Negra e a Fase Jack Kirby — a questão espiritual havia sido tratada com um cuidado distanciado. Citava-se a questão espiritual, ritualística e tradicional, mas nunca o Espírito da Pantera tinha sido colocado como um elemento físico, passando do corpo de T’Challa para o de um prisioneiro (criando o Man-Cat) e depois manifestando-se em sua majestade animalesca, cruel (sob o ponto de vista humano), natural e divina, na forma da deusa Bast ou Bastet, do panteão de deuses egípcios. O leitor percebe o grande respeito que Gillis emprega na representação dessa realidade, estabelecendo como um fato a existência de um mundo fora da razão, ciência e tecnologia que marcam a superfície e algumas mentes de Wakanda, dando razão aos medos, “mitos” e exigências ancestrais.

O grande impasse do roteiro é que a junção entre o mundo místico e a realidade política igualmente forte e importante, às vezes, parece muito forçada ou não se conecta de maneira alguma ao todo da minissérie. Parece-nos que as resoluções do Conselho de Anciãos (os regentes que, na monarquia de Wakanda, a este ponto, guiam o país ao lado de T’Challa, podendo substituí-lo caso percebam que o Espírito da Pantera não está mais com o monarca) passam por mudanças muito bruscas e não condizem com a devoção e admiração que o povo e o próprio Conselho tem para com o filho de T’Chaka. Em um resumo mais cru, poderíamos facilmente dizer que a trama apresenta momentos contraditórios para a política interna de Wakanda, ao mesmo tempo tempo que consegue apesentar outras nuances do país de maneira elogiável.

plano critico tchalla pantera negra no trono 1988 plano critico

Um rei descontente porque ainda não “garantiu o seu espírito”.

A edição Pela Honra e Pela Pátria!, assim como a primeira parte de O Ultimato, são os pontos mais difíceis de se acompanhar. Muitas coisas acontecem em muitos lugares (Wakanda, França, Azania) e a integração entre os acontecimentos desses lugares sofre no ritmo e nos ganchos dramáticos, impedindo que a passagem de um lugar para o outro tenha uma intenção clara. A este ponto da trama, os elementos espirituais relacionados ao Pantera Negra são apenas citados em segunda camada. A linha principal avança nos entraves políticos em duas ordens: na posse do poder do próprio T’Challa e na inimizade política que Wakanda, de repente (por um engano causado pelo Man-Cat), tem com Azania. O protagonista recorre a um amigo e embaixador de seu país, Moise Bomvana, e a Malaika, uma aliada e antiga namorada. Juntos, eles iniciarão um contra-ataque que começa com a derrota de um dos grupos mais infames da Marvel, Os Supremacistas.

Formado por Capitão Flama, Víndice (ou Vingador Branco), Barricada, Drenox, Eléctrio e Vortreker, o grupo destila preconceito e age em favor dos colonizadores do pobre país africano. A partir deste ponto, muita coisa muda. A arte de Denys Cowan passa a ter momentos visualmente mais interessantes, com páginas que destacam os movimentos do Pantera e que mostram bem mais o cenário, especialmente a floresta tecno-orgânica de Wakanda.

O entendimento final entre monarca e Espírito da Pantera, na edição Homem ou Deus?, traz uma boa conclusão para a minissérie. Se não tivesse elevado tão alto o dilema de um ataque nuclear ou se tivesse centrado melhor a aparição do Conselho de anciãos, as atenções poderiam se voltar para o que realmente importa nessa minissérie. Assim, as discussões diretas sobre dominação europeia no continente africano, as guerras de independência, o apartheid e relação espiritual em torno do Culto ao felino negro ganhariam um lugar bem mais confortável aqui.

Black Panther Vol.2 (EUA, julho a outubro de 1988)
No Brasil:
Editora Globo, 1990 e 1991
Roteiro: Peter B. Gillis
Arte: Denys Cowan
Arte-final: Sam de la Rosa
Cores: Bob Sharen
Letras: Rick Parker (1 a 3), Max Scheele (4)
Capas: Denys Cowan, Sam de la Rosa
Editoria: Mark Gruenwald
24 páginas (cada edição)

LUIZ SANTIAGO (Membro da OFCS) . . . . Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.