Home TVEpisódio Crítica | Patrulha do Destino – 3X10: Amends Patrol

Crítica | Patrulha do Destino – 3X10: Amends Patrol

Finalmente heróis?

por Luiz Santiago
2.037 views (a partir de agosto de 2020)

DOOOOOOOOM FOOOOOOORCE!!!

Cliff

  • Há SPOILERS. Leia aqui as críticas dos outros episódios.

Amends Patrol é o Finale com mais cara de “série de super-heróis” que já tivemos aqui em Patrulha do Destino. E pelo que tudo indica, é um capítulo que verdadeiramente dá início ao grupo formal nas telinhas. Nesse sentido, é um dos episódios mais importantes para a série, porque se alimenta completamente da jornada individual e coletiva de personagens ao longo de duas outras temporadas, concluindo um novo caminho de maturidade para cada um. Esse caminho de maturidade (veja bem, trata-se apenas do início de uma mudança; não a mudança em si, dada como fato) é o bastante para que consigam unir forças e partir para a ação.

Agir verdadeiramente como heróis, a despeito de suas imperfeições e loucuras, acaba sendo a grande marca da Patrulha, assim como como nos quadrinhos. Valeu muito a pena toda essa caminhada de transformação, de problemas internos e encontros que fizeram dos Patrulheiros um time de salvação de acidentes… muitas vezes acidentes que eles mesmos causavam. Nesta temporada, a Irmandade do Dadá — que acabou se revelando algo completamente diferente, subvertendo as nossas expectativas, o que foi ótimo — trouxe o tempero artístico que empurrou esses personagens para o caminho da ação. E é muito bom ver tudo isso acontecendo.

A conclusão, no entanto, está bastante segmentada, com o episódio tendo uma cara de pequenos blocos isolados resolvendo problemas deixados pela temporada. Não é exatamente um problema de qualidade, mas é o tipo de formato que tira um pouco a fluidez da montagem, torando o enredo mais frágil em sua unidade narrativa. A despeito do lado estético que está perfeitamente alinhado à proposta, o roteiro se empilha em diferentes caixinhas e, nelas, dá as respostas que precisávamos… ou pelo menos as mais importantes para esse contexto da série.

No Subterrâneo de Jane, outra subversão. Imaginamos que o acordo de Jane com a Dra. havia sido de troca de posição de controle e destaque, mas o que me pareceu aqui é que Jane precisa passar por um período de análise. O quanto isso pode ser um meio de controle da Dra., ainda não sabemos; ou se realmente há um acordo de troca de posição primária, mas independente disso, foi uma mudança de caminho que me fez olhar para esse episódio inteiro de modo muito especial. Vejam como o texto brinca com essa questão de coisas estabelecidas para, no último momento, virar a chave e colocar algo novo no lugar. O tratamento de Rita para com o Cérebro (angustiante, engraçado e sombrio ao mesmo tempo). A relação e ligação de Larry com Keeg. E principalmente a relação da Patrulha do Destino com Madame Rouge.

Vocês não têm noção da alegria que eu tive, do tamanho do sorriso que eu abri quando percebi o que o roteiro estava fazendo com a personagem. E sim, é um caminho inovador o que Chris Dingess nos traz. Não pioneiro, mas inovador. Paralelo a uma situação de “remissão moral” da vilã, o autor deixa uma enorme dubiedade em torno e toda uma desconfiança declarada de Rita para com a antiga amiga. É uma posição excelente dentro da equipe, gerando momentos de silêncio constrangedor, tensão e, tenho certeza, muita coisa boa na próxima temporada.

Cliff no “corpo” do Cérebro e no “corpo” do robozão que conhecemos na 1ª Temporada é outro ponto absolutamente fascinante desse episódio, além de ser imensamente engraçado. A cena dele assistindo TV através da janela e falando com o restante do grupo tem um componente cômico que nos atinge em cheio, arrancando uma boa risada, que aumenta ainda mais na partida da equipe para a sua primeira missão oficial. Ao longo de toda a temporada, tivemos um chamado à mudança, e agora vimos que isso trouxe um encaminhamento bem diferente para o propósito e para a existência de cada um aqui. Mal posso esperar pela 4ª Temporada!

Patrulha do Destino – 3X10: Amends Patrol (EUA, 11 de novembro de 2021)
Direção: Harry Jierjian
Roteiro: Chris Dingess
Elenco: Diane Guerrero, April Bowlby, Joivan Wade, Matt Bomer, Brendan Fraser, Michelle Gomez, Riley Shanahan, Matthew Zuk, Wynn Everett, Catherine Carlen, Walnette Marie Santiago, Jonathan Lipow, Hannah Alline, Stephanie Czajkowski, Bethany Anne Lind
Duração: 50 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais