Home TVEpisódio Crítica | Perry Mason – 1X06: Chapter Six

Crítica | Perry Mason – 1X06: Chapter Six

por Ritter Fan
278 views (a partir de agosto de 2020)

  • spoilers. Leiam, aqui, as críticas dos demais episódios.

Sempre reclamo quando minisséries que deveriam permanecer como minisséries auto-contidas são convertidas, em razão do sucesso, em séries, já que, normalmente, a tendência é de queda de qualidade. Recentemente, foi assim como Big Littles Lies e também com The Terror. Mas Perry Mason que, depois de ser uma série de livros convertida em série radiofônica, transformando-se em uma série de filmes, depois duas séries de TV e, mais tarde ainda, em outra série de filmes, tem “série” em seu DNA e o trabalho que a HBO, por intermédio dos showrunners Rolin Jones e Ron Fitzgerald, vinha desenvolvendo simplesmente pedia uma nova série e essa notícia veio agora, entre os quinto e sexto episódios dessa que posso agora chamar tranquilamente de temporada de origem do icônico advogado-detetive.

E o sexto episódio é o primeiro a lidar com a “versão” original de Perry Mason que, até o final do capítulo anterior, era apenas um detetive particular desgrenhado e sujo. E o roteiro de Kevin J. Hynes não perdoa Mason, colocando-o no fogo já nos primeiros minutos do episódio, tentando fazer seu discurso de abertura em defesa de Emily Dodson e tossindo, engasgando e perdendo a voz. Nada de facilitar a vida para o personagem e, melhor ainda, nada de convertê-lo magicamente em um super-advogado da noite para o dia. Era essencial, para a credibilidade da temporada, que esse começo de Mason como advogado fosse no mínimo conturbado, senão desastroso como acaba sendo, mas não necessariamente por culpa dele, e sim pelos segredo “pecaminoso” que sua cliente escondeu dele.

Mesmo que, ao longo do roteiro, as ações de Della, Pete e também do policial Paul Drake comecem a efetivamente montar o quebra-cabeças do que aconteceu de verdade ao redor do assassinato do bebê Charlie, o objetivo do episódio é deixar evidente que a situação de Emily, apesar dos esforços valentes, mas mesmo assim quase amadores de Mason perante o juiz e os jurados, é praticamente impossível e que sua condenação é certa. E esse objetivo é mais do que alcançado aqui, em que todo o tipo de jogo sujo – dos dois lados, não tenham dúvida! – é empregado para sabotar o “inimigo”, mesmo que Deniz Gamze Ergüven não consiga fugir da estrutura básica de “filme de tribunal” tão comum por aí. Na verdade, é bem possível que a diretora turco-francesa nem mesmo tenha querido assim o fazer, já que ela já havia demonstrado qualidade de sobra nos dois episódios anteriores e provavelmente elegeu colocar Perry Mason em uma linha mais familiar pelo menos nessa sua estreia como advogado de defesa.

Os acontecimentos ao redor do julgamento são interessantes, mas o roteiro nos deixa ver apenas as árvores e não a floresta. Percebe-se que há algum esquema envolvendo terras para desenvolvimento imobiliário e é revelado que o policial corrupto Ennis parece ter agido sozinho quando assassinou os três bandidos, sem que seu parceiro soubesse o que estava acontecendo. Além disso, o envolvimento da igreja – provavelmente sem o conhecimento da Irmã Alice – é sacramentado, mas ainda faltam os encaixes que contem uma história coesa, algo que, não tenho dúvida, virá muito provavelmente já no próximo episódio, penúltimo da temporada. Será interessante ver Mason levar isso tudo ao tribunal para demolir o caso do promotor Maynard Barnes, ainda que eu desconfie que boa parte do problema será revolvido com um acordo para livrar a cara de Barnes da vergonha total.

Merecidamente convertida em série, Perry Mason continua impressionando por sua qualidade em todos os quesitos, criando uma história de origem interessantíssima para seu protagonista e lentamente transformando-o no personagem criado por Erle Stanley Gardner, mas sem que ele perca as características exclusivas, digamos assim, dessa versão da HBO. Com apenas dois episódios pela frente para que Perry, Della, Pete e Paul solucionem o caso do bebê que, diga-se de passagem, está prestes a ser “resssuscitado”, quer parecer que teremos duas semanas bem movimentadas pela frente.

Perry Mason – 1X06: Chapter Six (EUA, 26 de julho de 2020)
Showrunners: Rolin Jones, Ron Fitzgerald (baseado em personagem criado por Erle Stanley Gardner)
Direção: Deniz Gamze Ergüven
Roteiro: Kevin J. Hynes
Elenco: Matthew Rhys, Shea Whigham, John Lithgow, Juliet Rylance, Nate Corddry, Gayle Rankin, Andrew Howard, Eric Lange, Veronica Falcón, Robert Patrick, Tatiana Maslany, Lili Taylor, Stephen Root, Chris Chalk
Disponibilização no Brasil: HBO
Duração: 56 min.

Você Também pode curtir

10 comentários

Felipe Brandon 8 de agosto de 2020 - 09:01

Ver a transformação do Mason em advogado está sendo uma experiência interessantíssima de ver. Ainda bem que não colocaram o personagem como “o melhor de todos pipipi popopo” logo de cara, porque seria pedir demais da audiência e não combina com o show em si.
Me sinto vendo um grande quadro pela fechadura de uma porta. Ainda não dá para ver o todo, mas quando a porta abrir…o caos vem. Estou bem curioso pela resolução da questão da “ressurreição” do bebê. Acredito que isso vi dar muita treta e quem vai acabar sendo enforcada vai ser a Irmã Alice.
No mais, ótima série (uma das melhores do ano e ainda bem que renovaram).
Ótima crítica como sempre, me empolgo bastante e fico ansioso para ver o próximo ep.

Responder
planocritico 9 de agosto de 2020 - 15:44

Obrigado, @felipebrandon:disqus !

Gostei da sua analogia com a visão do quadro pela fechadura. Sem dúvida é isso que parece mesmo. Uma baita construção de personagem. Realmente invejável!

Abs,
Ritter.

Responder
Iann Jeliel Pinto Lima 27 de julho de 2020 - 19:21

Definitivamente entrou pra lista de prioridades para ver esse ano ainda. Espero que consiga!

Responder
planocritico 27 de julho de 2020 - 20:45

Não perca!

Abs,
Ritter.

Responder
Well 27 de julho de 2020 - 13:39

Uma das melhores séries do ano, tranquilamente.

Responder
planocritico 27 de julho de 2020 - 14:16

Sim, sem dúvida!

Abs,
Ritter.

Responder
Rodrigo Rocha Vaz 27 de julho de 2020 - 12:12

A transição de um detetive desgrenhado para um advogado promissor foi bem natural, a meu ver. Perry demonstrava já desde o episódio piloto um conhecimento considerável da lei, talvez não com a devida formalidade e decoro, mas com uma base mais empírica, por assim dizer. A um bom advogado, o conhecimento da lei é apenas um dos aspectos necessários para exercício da profissão, penso que também são necessários visão de mundo, criatividade e uma capacidade de assumir o ponto de vista tanto de clientes quanto de potenciais adversários na arena jurídica. Ver essa transformação é um verdadeiro deleite.Ótima critica, Ritter.

ABS

Responder
planocritico 27 de julho de 2020 - 12:56

Sim, essa evolução ficou perfeita. Mason sempre foi um cara inteligente e com potencial. A guerra “apenas” o destruiu psicologicamente e ele basicamente largou tudo de lado. A advocacia é ele finalmente achando um propósito na vida e a forma como a série vem conduzindo esse desenvolvimento é exemplar!

Abs,
Ritter.

Responder
Camilo Lelis Ferreira da Silva 27 de julho de 2020 - 17:06

Finalmente, Nasce o “Pede Mais Um” que Conhecemos…

Responder
Well 27 de julho de 2020 - 13:39

Uma das melhores séries do ano.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais