Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Phenomena

Crítica | Phenomena

por Gabriel Carvalho
340 views (a partir de agosto de 2020)

“O assassino esconde as suas vítimas e gosta de manter contato físico com elas.’

Os exageros de Dario Argento, grande nome do horror, margeiam algumas das imagens mais espetaculares de toda sua carreira, mesmo naquela que é uma obra com suas irregularidades e inconsistências. Os cacos de uma janela quebrada, rompida por uma agressão violentíssima, aproximando-se cada vez mais do rosto de uma garota confere um senso de angústia em uma cena que apresenta a premissa de Phenomena. Um assassino sanguinário está à espreita de garotas, matando-as e escondendo os seus corpos. Essa menina, no entanto, terminou tendo a sua cabeça cortada fora. Argento sabe cuidar tanto do imaginário que nos introduz a esse monstro sem mostrar o seu rosto, o seu corpo. Do contrário, presenciamos a criatura, o que quer que ela seja, quem que ela seja, apenas através dos rostos assustados de suas presas, e também por meio de uma cena em que correntes são destruídas pela sua força descomunal. Quem é esse ser?

Certas noções do que é horrífico, como quem é o assassino, serão questionadas por Phenomena, horror que é bastante representativo do impacto do gênero em si. Enquanto que o antagonista é um ser que não incomoda visualmente em uma primeira instância – continuará por bastante tempo intocado pela câmera do cineasta -, a protagonista sim. Jennifer (Jennifer Connely) é um garota com poderes paranormais, capaz de comunicar-se com insetos. Dario Argento promove um espaço pequeno, mas significativo e interessante, para cenas mostrando essa relação particular entre o que é convidativo, mais inocente e charmoso – a jovem Connely, no caso – e o que é repugnante – os bichos asquerosos que enxerga, entretanto, com tanto carinho. Com a ajuda de um professor, interpretado por Donald Pleasence, a garota investigará os crimes, usufruindo dos seus poderes psíquicos. O projeto encontra nesses insetos tanto uns ideais macabros quanto ideais de salvação.

O asqueroso, portanto, é tão protagonista quanto antagonista em Phenomena, sustentando o seu corpo na escatologia. Larvas nojentas, por exemplo, prenunciam corpos em decomposição, assim como são prenúncios para os mistérios serem solucionados e as pistas serem descobertas. O suspense reside nesse macabro mais visual, nas imagens, e não numa noção mais racional do que está para vir nessa narrativa, em termos de construção. Argento guarda surpresas para o nosso imaginativo, enquanto estica o desenvolvimento, em contrapartida, para uma estrutura gráfica que não se justifica em duração, originando uma obra que é invariavelmente estafante por não assumir completamente a sua devoção ao horror que enoja e que assim surpreende. O sensacional terceiro ato, acompanhado por piscinas com corpos com insetos os comendo, deformações faciais e muito sangue, é antecipado por primeiro atos pouco chamativos, que evidenciam o que Dario escanteara.

Os coadjuvantes, por exemplo, entram e saem sem muita discrição do meio do enredo, o que interfere em uma coesão no storytelling, especialmente porque a duração da obra se aproxima das duas horas sem renovar-se. O mistério prolonga-se por meio de uma estrutura mequetrefe e sucateada, composta por exposições prolongadas, segmentos soltos demais e interpretações fraquíssimas. O que o cineasta promove dentro do internato, onde Jennifer estuda, é pouco convincente. Connely não está bem e nenhum vínculo real é criado entre ela e sua amiga, coisa que o roteiro investe em alguns diálogos. Nisso, entra uma tentativa de estudar a maneira como o exterior enxerga anormalidades. Muito melhor quando Argento quer saber como o horror enxerga anormalidades e a si mesmo, dentro de uma visão interna a sua essência. Um macaco com uma lâmina, por exemplo: essa é uma premissa positiva ou negativa para o sucesso dos protagonistas?

Um dos personagens mais cativantes do longa-metragem, tal macaco aparece em uma cena pequena portando uma lâmina, para que questionemos a sua verdadeira natureza, aparentemente pacífica. Um macaco selvagem? Esse relacionamento entre os animais, supostamente mais perigosos e asquerosos, e os homens, supostamente mais controlados, é outra das forças de Phenomena. Mas é uma questão perdida em meio a um conjunto que até estuda bem a revisão ao caráter medonho dos animais, porém, que pouco revisa com cuidado o ponto humano do cerne. Uma relação do antagonista principal e uma outra personagem, por exemplo, sofre de nenhuma profundidade ou disposição do roteiro a entender uma trama relacionada à criação infantil, que é premissa recorrente no gênero. Argento consegue, porém, evidenciar essas tão constantes contraposições pela atuação de Daria Nicolodi. O horror há de sempre transformar as iconografias.

O que é incômodo e o que não é? O que é nojento e o que não é? O que é ameaça e o que não é? O cineasta italiano suja até mesmo uma toalha e um sabonete, simbolismos para a higiene, com larvas, exemplificando que nada, na verdade, está esclarecido. Um arquiteto de composições inesquecíveis, Dario Argento movimenta a sua narrativa – quem é o assassino – pautando-se no que é grotesco e repugnante. Os rocks pesados incomodam cenas banais, como uma fuga, incrementando a tensão através do repulsivo sonoro. O cineasta rejeita continuar essa premissa por sugestões com ares de suspense mais comuns, mas não a preenche com a mesmíssima substância que, ora ou outra, retoma aqui a qualidade artística de suas obras. Uma grande e explosiva resolução, contendo até atuações mais dignas dessa loucura que contempla-se como a verdade, incerta, do gênero do horror, é gratificante para um pavio, entretanto, que é longo demais.

Phenomena – Itália, 1985
Direção: Dario Argento
Roteiro: Dario Argento, Franco Ferrini
Elenco: Jennifer Connelly, Daria Nicolodi, Fiore Argento, Federica Mastroianni, Fiorenza Tessari, Dalila Di Lazzaro, Patrick Bauchau, Donald Pleasence, Alberto Cracco
Duração: 116 min.

Você Também pode curtir

7 comentários

Rafael Lima 17 de abril de 2019 - 13:13

Acho que todos tivemos impressões bem parecidas em relação ao filme. Acho que ele tem momentos visuais bastante inventivos, mas é um filme cuja estrutura é mal cuidada e a narrativa se estende muito mais do que deveria. Todos sabemos que Argento sempre esteve muito mais preocupado com os aspectos sensoriais do que narrativos de sua obra (creio que o próprio subgênero Giallo possui essa tendência), mas chega um ponto em que a gente começa a ser arrancado da inserção, pelo menos eu senti isso. Ainda gosto do filme, mas fica-se com a sensação de que tinha material pra ser muito melhor, sensação que só se tornou maior após ler a sua ótima resenha onde você aponta como o diretor brinca com os elementos repulsivos e sua ligação com o assustador.

Responder
Gabriel Carvalho 18 de abril de 2019 - 19:35

Basicamente isso mesmo, Rafa. Eu até entendo a paixão que muitos podem ter com Phenomena. É uma das obras mais ricas do cineasta e que acaba trazendo um apelo cult consigo. Mas não consigo ultrapassar esse número de estrelas em uma avaliação crítica.

Responder
Luiz Santi🦎Zilla 16 de abril de 2019 - 17:28

Mesmo com as críticas que teceu, você acabou gostando bem mais do filme que eu. Acho uma obra estilosa e que ainda detém os bons elementos do diretor e certas escolhas recorrentes do giallo, que é um gênero todo estiloso em si, especialmente na maneira diferente de estruturar investigação (no cinema e também nos giallos da literatura e dos quadrinhos). Mas aqui, parece tudo meio jogado, meio… duvidoso demais. Algo que você levanta no final da crítica e que diz muito sobre essa dubiedade da obra está nos vermos no sabonete, na toalha… A intensão de destacar uma coisa parece interferir demais no todo e torna tudo bem estranho.

Sem contar o final que se estende demais. Eu até gosto do tipo de vilão que “não morre”, mas o ritmo da obra precisa obedecer certas nuances para que isso funcione, o que não ocorre aqui. É um filme com bons momentos e algumas sequências realmente bacanas, mas está dentre os que eu menos gosto do diretor. 2/5

Responder
Gabriel Carvalho 16 de abril de 2019 - 22:23

Concordo e esperava que você não gostasse mesmo! O que eu acho é que Argento, mesmo naquela que é uma obra extremamente irregular sua, consegue trazer relações sensoriais e imagens que marcam bastante o meu imaginário. O que é horror, o que é grotesco, o que é perigoso… Isso marca muito a obra, como ele vai sempre revirando nossas noções nesse quesito. Só que podia ser muito melhor conduzida essa premissa.

Eu fico muito incomodado com a quantidade de personagens indo e vindo sem a menor discrição. É uma maneira, no entanto, do cineasta brincar com nossas expectativas, sobre quem é culpado e quem não é. Um mero figurante, por exemplo, termina sendo revelado como o culpado. Existe algo subversivo nisso que transforma o meu incômodo. Mas é um longa também bastante desleixado, não sei… As interpretações são fraquíssimas e a obra não é tão imaginativa como poderia ser, sobre construir situações interessantes com esses insetos e esse charme todo. O que é bom parece jogado. Donald Pleasence tá fazendo o mesmo personagem que ele sempre fez, né?

Contudo, eu gosto do final “estendido” porque, para mim, é o único lugar em que o cineasta realmente está confortável para expor essas suas brincadeiras com o gênero, construindo algo mais coeso e menos preocupado. O resto é muito perdido e as boas ideias ficam no meio de uma estrutura bastante engessada. Já a resolução é mais livre nesse sentido, deixando-se levar pelas reviravoltas de uma maneira até mais objetiva mesmo. Os últimos 5 minutos tem três: o funcionário ser morto, a mãe estar viva e o macaco salvar o dia. Gosto bastante.

Responder
Luiz Santi🦎Zilla 16 de abril de 2019 - 22:43

O pior é que esse final, mesmo eu tenho problemas com ele, está cheio de cenas que eu acho isoladamente fantásticas, e nesse ponto eu concordo contigo: adoro aquela piscina de gente (que nojo, aquele negócio puta merda!) e adoro a cena da chimpanzé salvando o dia.

E sim, cara, Donald Pleasence tá ligadíssimo no piloto automático aqui haahahahhahahahaha. Eu até fiquei esperando que ele fizesse algo diferente, mas… nada….

Responder
Gabriel Carvalho 16 de abril de 2019 - 22:51

Eu quero Top 10 – Melhores Macacos do Cinema para ontem. Só para colocar esse chimpanzé!

Responder
Luiz Santi🦎Zilla 17 de abril de 2019 - 01:25

Aí sim!!!

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais