Crítica | Preacher – 4X08: Fear of the Lord

plano critico Preacher – 4X08 Fear of the Lord

  • Há SPOILERS do episódio e da série. Leia aqui as críticas dos outros episódios. E leia aqui as críticas dos quadrinhos.

Mesmo me divertindo em boa parte do tempo, Fear of the Lord foi, até aqui, o capítulo bem menos cuidado dessa 4ª Temporada de Preacher. De cara, o caráter filler é o que mais incomoda no texto de Wes Brown, já que nada aqui necessitava realmente de um episódio inteiro para se desenvolver, sendo todas as cenas e todas as sequências apenas uma extensão de situações que víramos em outros episódios, complementos que, para passar o tempo, até forçam ações de personagens (Jesus street dancer, por exemplo) que deixam tudo ainda mais ridículo. E o curioso é que, apesar de tudo, este não foi um episódio ruim — embora eu vá entender perfeitamente quem tiver essa leitura.

Novamente temos dois blocos principais e um secundário, onde os “peões” são movidos por Deus, facilitando ou complementando a jornada de chegada do apocalipse. Por incrível que pareça, o bloco com Cass e Tulip é o mais bem azeitado aqui, talvez porque a dinâmica estranha entre os dois é cortada pela ótima presença de Humperdoo, e isso é tão fortemente sentido que quando o personagem é levado embora por Starr e o Graal, as coisas voltam a ficar meio fora da curva para o vampiro e a briguenta. Mas até esse momento, eu realmente gostei de tudo, até da cena nojenta e sem sentido do vômito, quase um flerte com aquela coisa horrorosa e hilária de O Sentido da Vida.

Ironicamente, é nesse momento que a direção de Iain B. MacDonald tem mais delicadeza ao abordar as coisas, e a fotografia procura ser o mais sutil possível, diferença enorme em relação a todo o restante do episódio, embora cada bloco aqui, ao menos no viés fotográfico e de figurinos, seja impecável. Infelizmente, quando passamos para o bloco de Jesse no Inferno, sendo tentado para sentar no trono de Deus; e para o bloco de Starr sendo mutilado, só sobram mesmo os pontos de humor estranho típicos do show, desta vez, com poucos momentos realmente notáveis. Ao fim, ver Jesse agindo pateticamente diante de Deus só me fez ter imensa raiva, com uma pequena mudança no momento em que o Criador literalmente arranca a dentadas o olho do ex-pastor. Bem feito. E foi pouco.

Eu preferiria que a temporada tivesse um episódio a menos a ter um filler como este. Algumas vezes os fillers são perdoados porque serem totalmente divertidos, mas este aqui compensa bem pouco a sua existência e a todo custo quer se disfarçar de necessário com aquela história atrasada sobre a beleza de Herr Starr no passado e a “origem” de seu sonho. Ou seja, tudo o que a gente definitivamente menos precisava nesta última temporada. Sigo agora cruzando os dedos agora para que os dois episódios restantes sejam inteiramente bem aproveitados e tenhamos pelo menos um ótimo encerramento. Fé em Deus.

Preacher – 4X08: Fear of the Lord (EUA, 15 de setembro de 2019)
Direção: Iain B. MacDonald
Roteiro: Wes Brown (baseado nos personagens de Garth Ennis e Steve Dillon)
Elenco: Dominic Cooper, Joseph Gilgun, Ruth Negga, Graham McTavish, Ian Colletti, Pip Torrens, Noah Taylor, Julie Ann Emery, Mark Harelik, Tyson Ritter, Tom Brooke, Cam Goodall, Rob Brown, Rob Brown, Adam Willson
Duração: 41 min.

LUIZ SANTIAGO (OFCS) . . . . Após recusar o ingresso em Hogwarts e ser portador do Incal, fui abduzido pela Presença. Fugi com a ajuda de Hari Seldon e me escondi primeiro em Twin Peaks, depois em Astro City. Acordei muitas manhãs com Dylan Dog e Druuna, almocei com Tom Strong e tive alguns jantares com Júlia Kendall. Em Edena, assisti aulas de Poirot e Holmes sobre técnicas de investigação. Conheci Constantine e Diana no mesmo período, e nos esbaldamos em Asgard. Trabalhei com o Dr. Manhattan e vi, no futuro, os horrores de Cthulhu. Hoje, costumo andar disfarçado de Mestre Jedi e traduzo línguas alienígenas para Torchwood e também para a Liga Extraordinária. Paralelamente, atuo como Sandman e, em anos bissextos, trabalho para a Agência Alfa. Nas horas vagas, espero a Enterprise abordar minha TARDIS, então poderei revelar a verdade a todos e fazer com que os humanos passem para o Arquivo da Felicidade, numa biblioteca de Westworld.