Home FilmesCríticas Crítica | Quo Vadis, Aida?

Crítica | Quo Vadis, Aida?

por Iann Jeliel
1092 views (a partir de agosto de 2020)

Quo Vardis Aida?

Não é preciso entender completamente os pormenores do contexto político específico em que se passa a história de Quo Vadis, Aida? para compreender seu direcionamento crítico as figuras que deveriam ser regulamentadoras da paz mundial. O exercício de tensão do filme, na verdade, até melhora caso não conheça nada sobre o fatídico incidente descrito como “O Massacre de Srebrenica”, porque sua construção narrativa é pensada num aspecto plural de encenação, onde a protagonista sequer existiu nos eventos reais e foi criada justamente para trazer um ponto de vista presencial da total apatia da Organização das Nações Unidas (ONU) perante uma tragédia que poderia ser evitável. A lente da cineasta Jasmila Žbanić tem como principal motivação, a exposição através de Aida (Jasna Djuricic) da impessoalidade das figuras políticas e como o freio de burocracias consolidou um dos eventos mais sombrios da guerra civil iugoslava.

Quando está em seu epicentro, no caso, a protagonista, o filme possui uma dramaturgia poderosa. A emulação da montagem consegue passar o teor exaustivo da rotina da tradutora que caminha para todos os lados sendo a mediadora de todo tipo de situação criada pelo refúgio precário onde abrigavam os civis afastados da cidade em guerrilha nos arredores. O primeiro ato consegue estabelecer muito bem a personalidade da personagem através de suas interações. Seu espírito empático nos conquista rapidamente e consequentemente, o filme introduz de maneira igualmente veloz sua narrativa particular, envolvendo a entrada da familia sobre proteção maior. Um implante cuidadosamente calculado no timing ideal para o texto apresentar seu primordial dilema: o individualismo ou a coletividade? Aida irá se ver entre priorizar a família ou obedecer às reges burocráticas da ONU algumas vezes durante o longa e para esse conflito funcionar era necessária a introdução explicativa de seu senso de discernimento, para que eles não se misturassem.

Vejamos, uma coisa não anula a outra. É possível querer o bem coletivo e ainda por cima, querer o seu próprio bem, das pessoas que você gosta e colocar elas como prioridade. O que a burocracia deveria fazer, em teoria, era aliar ambas. Pensar em soluções que correspondessem a todos, mas não ignorar a meritocracia, porque de alguma forma é através do mérito que são selecionados critérios a chegar num equilíbrio de decisões nessas situações envolvendo vida ou morte de inúmeras pessoas. A diferença, é que tais decisões não correspondem a especificações emocionais de contextos, que deveria ser fundamental, no mínimo, para corroborar com a imagem de uma justiça salvadora. O primeiro ato é o melhor por reservar esse tempo ao povo, mas a obra perde força quando não consegue nesse momento converter a voz dos civis em uma perspectiva tão ampla, tampouco, consegue direcionar Aida como um símbolo dele ao final, apesar do drama familiar.

Porque, primeiro, não sobra tanto tempo para adentrar nessa relação entre ela, o marido e os filhos e segundo, da metade para a frente, o filme descarta essas interações mais secundárias que seriam fundamentais para trazer esse espírito unitário as vítimas para focar ainda mais na intensidade da corrida de resolver situações a protegê-los. Nesse meio tempo, é onde a narrativa consegue impor a graduada frieza da ONU diante da situação. Há uma cena muito boa onde um grupo de soldados sérvios procuram outros soldados em meio aos civis. Além de ser bastante tensa pelo fator imprevisibilidade, ela se torna bastante reflexiva, quando os mesmos responsáveis pela criação da guerra demonstram mais empatia do que os próprios protetores do povo contra ela. A sensação de injustiça humanitária sai muito mais daí e da expectativa da reação de Aida, do que exatamente pela conjuntura dos civis como um grande personagem a ser vítima, ou mesmo, dos personagens individuais representantes da família.

Se o terror da guerra são puramente mentais e emocionais, falta essa maior pessoalidade também em outras figuras importantes impedidas pelo seu lado mais forte que é na crítica a metodologia burocrática de situações adversas. Era plenamente possível, traçar a crítica a falta de empatia sem que ela fosse o único recurso a ser usado a conseguir empatia das vítimas de modo natural. A denúncia é muito bem-feita, o contexto histórico é recriado perfeitamente pela mise en scene, mas faltou a Quo Vadis, Aida?, aquele envolvimento aproximado mais assertivo para sentirmos devidamente o peso do luto em memória.

Quo Vadis, Aida? (Idem | Bósnia & Herzegovina, 2020)
Direção: Jasmila Zbanic
Roteiro: Jasmila Zbanic
Elenco: Jasna Djuricic, Izudin Bajrovic, Boris Ler, Dino Bajrovic, Johan Heldenbergh, Raymond Thiry, Boris Isakovic, Emir Hadzihafizbegovic, Reinout Bussemaker, Teun Luijkx
Duração: 101 minutos

Você Também pode curtir

2 comentários

Felipe Brandon 27 de abril de 2021 - 22:29

Achei esse filme confuso. Talvez fosse melhor aprofundar em um ponto dos vários que o filme tenta abordar do que ficar transitando entre um e outro.
Aquela cena do massacre é poderosa e vale “de certa forma” o filme. Bem como a cena posterior das crianças no mesmo local. É bem triste na verdade.

Responder
Iann Jeliel Pinto Lima 29 de abril de 2021 - 21:19

Também acho. A confusão é até proposital, mas cria um distanciamento emocional na história. O imapacto é bem mais imagético do que narrativo. Ademais, ainda é um bom filme!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais