Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Raposa de Fogo

Crítica | Raposa de Fogo

por Ritter Fan
387 views (a partir de agosto de 2020)

Em seus aspectos principais, Raposa de Fogo lembra muito Escalado para Morrer, também dirigido e estrelado por Clint Eastwood. Lá, como aqui, um profissional é retirado da aposentadoria para um serviço que envolve infiltração e espionagem e lá, como aqui, o filme se perde em dois longos terços de enrolação que servem como armação para todo o propósito de sua existência: as respectivas e incomuns sequências finais de ação. Pelo menos Raposa de Fogo consegue manejar um pouco melhor seu começo, sem as bizarrices do filme de escalada de Eastwood, ainda que seu “grande momento” seja inferior aos stunts do ator/diretor na obra de sete anos antes.

Figurinha fácil da televisão aberta brasileira dos anos 80, o longa é baseado no romance homônimo de Craig Thomas de 1977 que, como tantos outros, se beneficia do clima paranoico trazido pela Guerra Fria e de inspiração no episódio real da defecção do piloto Viktor Belenko, que trouxe ao ocidente informações mais detalhadas sobre o MiG-25. No filme, o major Mitchell Gant (Eastwood), piloto durante a Guerra do Vietnã que sofre de transtorno do estresse pós-traumático que o paralisa em momentos de crise e que largou a força aérea para uma aposentadoria idílica no Alasca, é arrancado de seu pequeno paraíso e convocado a roubar um moderníssimo avião soviético que não só consegue chegar a Mach 6, como é invisível ao radar e tem um sistema de armas que funciona com o pensamento do piloto, pensamento esse que, claro, precisa ser em russo, justificando a escolha de Gant apesar de seu distúrbio, já que ele tinha mãe russa e fala a língua com fluência desde o berço.

Começa, então, o treinamento do ex-piloto e a revelação dos detalhes da infiltração, que começa com ele assumindo a identidade de um traficante de drogas americano procurado pela KGB. Durante pelo menos 70 minutos de projeção, o filme é praticamente composto de estratagemas de fuga em plena Moscou, com constante trocas de identidades e um Gant completamente perdido na arte da espionagem, mais parecendo um senhor de idade com Alzheimer tendo que ser lembrado do que precisa fazer a cada segundo, algo que fica ao encargo de Pavel Upenskoy (Warren Clarke), dissidente soviético que odeia a KGB.

O roteiro de Alex Lasker e Wendell Wellman (o primeiro em seu primeiro texto e, o segundo, em seu único) não sabe muito bem o que fazer e investe tempo demais nesse jogo de gato e rato que, porém, carece não só de verossimilhança, como não consegue criar tensão alguma. Eastwood, na direção, também não parece saber construir uma narrativa sólida e deixa o filme correr solto entre perseguições noturnas a pé e de carro e uma infiltração na base soviética que ocorre tão facilmente que chega a ser engraçada. É como se toda a equipe técnica não estivesse muito interessada nos momentos anteriores ao roubo do avião, mas precisava esticar o filme já que o orçamento não permitiria muito tempo de perseguições aéreas.

Quando o grande momento chega – o roubo – ele é completamente anticlimático e mais uma vez cheio de conveniências que cansam um pouco o espectador e fazem gato e sapato da suspensão da descrença. Mas, como em Escalado para Morrer, quando finalmente a ação principal começa, o filme muda quase que completamente. Claro que as peripécias de Eastwood sem dublê no monte Eiger são mais impressionantes do que ele sentado o tempo todo no cockpit de um avião, mas a tecnologia à época inédita usada para fotografar o avião em voo – uma espécie de chroma key invertido – impede aquela impressão visual ruim de objetos destacados do fundo, criando uma razoavelmente perfeita integração (para 1982, claro!).

No entanto, quando a novidade se esgota e o espectador percebe que ainda faltam alguns bons minutos para o longa acabar, fica visível mais uma vez que o roteiro não tinha muita história para contar e Eastwood acaba usando tomada atrás de tomada para mostrar as habilidades do avião, mas que, curiosamente, jamais enfatizam justamente suas características únicas: a hipervelocidade, a invisibilidade a radar e o sistema de armas acionado pelo pensamento. Para começar, Gant permanece voando em velocidade razoavelmente baixa o tempo todo, jamais alcançando o mítico Mach 6. Além disso, a invisibilidade é patética, pois o avião é mantido sob os olhos soviéticos o tempo todo, seja pela assinatura de som e de calor das turbinas, seja usando a tecnologia do “olhômetro” mesmo. Finalmente, as “sensacionais” armas acionadas pelo pensamento não só são mostradas em câmera com Gant falando seu pensamento, o que automaticamente elimina a velocidade com que tudo deveria acontecer, como em momento algum isso é trabalhado como uma vantagem na prática. Já que estamos falando de Rússia, então cabe citar que Eastwood tinha não só uma, mas três “armas de Tchekhov” e ele não usa nenhuma delas corretamente… Pelo menos o transtorno traumático de Gant ganha relevo ao longo do filme, sendo usado em momentos-chave, mas com resolução constantemente simples demais.

Apesar de ter marcado sua época, Raposa de Fogo é um filme que em momento algum faz verdadeiro uso do potencial inato de sua história. Não consegue ser bem sucedido como um filme de espionagem e não consegue ser bem sucedido como filme de ação ou thriller. Ainda tem seus momentos divertidos e as tomadas do avião em voo e, depois, reabastecendo, são bem trabalhadas, mas não muito mais do que isso.

Raposa de Fogo (Firefox, EUA – 1982)
Direção: Clint Eastwood
Roteiro: Alex Lasker, Wendell Wellman (baseado em romance de Craig Thomas)
Elenco: Clint Eastwood, Freddie Jones, David Huffman, Warren Clarke, Ronald Lacey, Kenneth Colley, Klaus Löwitsch, Nigel Hawthorne, Stefan Schnabel, Thomas Hill, Clive Merrison, Kai Wulff, Dimitra Arliss, Austin Willis, Michael Currie, Alan Tilvern, Hugh Fraser, Wolf Kahler
Duração: 136 min.

Você Também pode curtir

10 comentários

Lucio Adriano Mendonça 6 de julho de 2020 - 16:38

Lembro bem desse filme.

Creio que a velocidade maxima nao é
alcançada porque deveria diminuir muito o alcance do aviao. Lembrando
que ele deveria pousar pra reabastecer. (Spoiler)Mas ele deu uma
palhinha quando escapou do missel do navio.

Quanto o capacete ele
demorou a responder porque certamente ele deveria ter alguma calibragem
pra determinada pessoa. Quanto a furtividade ai sim não ficou
convincente. Há não ser novamente que os russos tenham colocado algum
aparelho no aviao para eles mesmos acharem.Pra um filme dos anos 80 foi muito bom.

Responder
planocritico 6 de julho de 2020 - 16:55

Não compro a questão do alcance, pois o avião é reabastecido e tem um dog fight. Eastwood tinha que ter mostrado o potencial efetivo da velocidade do avião.

Sobre o capacete, a questão não é nem de calibragem, mas sim de efetividade. Repare que nem o controle mental do piloto soviético tem algum tipo de vantagem… E não dá para dizer que aquele ali não estava calibrado.

Abs,
Ritter.

Responder
Lucio Adriano Mendonça 6 de julho de 2020 - 16:55

Realmente ficou meio inutil a demora de resposta do aviao.

Responder
planocritico 7 de julho de 2020 - 18:46

Pois é. Podiam ter explorado isso e outros aspectos do avião, tornando o filme um Top Gun quase sci-fi!

Abs,
Ritter.

Responder
Lucio Adriano Mendonça 6 de julho de 2020 - 15:54

Lembro bem desse filme.

Creio que a velocidade maxima nao é alcançada porque deveria diminuir muito o alcance do aviao. Lembrando que ele deveria pousar pra reabastecer. (Spoiler)Mas ele deu uma palhinha quando escapou do missel do navio.
Quanto o capacete ele demorou a responder porque certamente ele deveria ter alguma calibragem pra determinada pessoa. Quanto a furtividade ai sim não ficou convincente. Há não ser novamente que os russos tenham colocado algum aparelho no aviao para eles mesmos acharem.
Pra um filme dos anos 80 foi muito bom.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de julho de 2020 - 21:31

0% a ver com o filme, mas eu vou compartilhar mesmo assim, porque estava procurando um meme pra fazer piada com o filme e acabei chegando nela mesma… essa lindeza aqui:

https://uploads.disquscdn.com/images/9a0c264a095af4be3466e739bd140267453c5d899472edd9833609c6d3a7567d.jpg

Responder
Eloyzyo Nascimento 5 de julho de 2020 - 18:43

Daqueles filmes que a galera das ”antigas sempre lembram” rsrsrs

Responder
planocritico 5 de julho de 2020 - 19:33

Como eu, por exemplo…

Abs,
Ritter.

Responder
Fernando Siqueira 7 de dezembro de 2020 - 17:27

galera das antigas é sacanagem… kkk. Mas o ponto que eu achei mais fraco no filme foi a infiltração na base aérea russa. Sendo um projeto moderno de avião, deveria haver segurança máxima multiplicado ao infinito. Por exemplo, quando o Clint Weastwood disfarçado de oficial fala com os soldados e depois fala com um oficial soviético, tipo deveriam perceber que ele não era conhecido na base, tipo, ei quem é esse oficial que nunca vimos por aqui. Sem falar que um caça como aquele super moderno e ultra secreto deveria ter algum mecanismo de segurança que impedisse qualquer um de conseguir ligar o caça e sair pilotando. Esse foram os pontos que eu achei fracos no filme. A infiltração e o roubo propriamente do caça.

Com relação ao resto eu achei legal, era jovem na época, e gostei muito do combate e da passagem pelo navio de guerra russo que mesmo lançando os mísseis não conseguiu derrubar a raposa de fogo.

Muito bom o filme. É uma dos bons filmes daquele início de anos 80.

Responder
planocritico 7 de dezembro de 2020 - 20:50

A infiltração foi algo do tipo “ah, vamos fazer de qualquer jeito porque o que interessa aqui é o voo da Raposa de Fogo”.

Mas o filme é bem divertido, ainda que eu me lembre de ter gostado mais na época do lançamento do que agora, mais velho, revendo para escrever a crítica.

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais