Home TVEpisódio Crítica | Scooby Doo: Episódios Especiais – Parte 2

Crítica | Scooby Doo: Episódios Especiais – Parte 2

por Iann Jeliel
272 views (a partir de agosto de 2020)
Scooby Doo
  • Leia, aqui, as críticas de todo nosso material de Scooby-Doo. E aqui, todos os compilados de curtas especiais.

Esta é a segunda parte compilado que passeia por diferentes episódios de Scooby-Doo, os quais não se encaixam cronologicamente em nenhuma das séries oficiais do desenho. Entraram aqui, os especiais de TV de curta ou média duração, os filmstrips do educativos, web episodes ou episódios crossover do personagem em alguma outra série animada. Vale destacar, que ao longo da minha pesquisa, não foi possível encontrar todos os episódios para assistir, logo, esses não serão criticados, mas serão mencionados, seguindo a ordem cronológica de lançamento desses episódios.
.

Crossover com Harvey, O Advogado

Personagem da Hanna-Barbera, o Homem Pássaro passou a se chamar Harvey, o Advogado, nessa série classificada como Adult Swim pela Cartoon Network. Confesso que é o primeiro episódio que vejo desse desenho e achei simplesmente sensacional! Trás um humor irreverente que utiliza o universo da advocacia e suas brechas para parodiar criativamente os desenhos participantes se tivessem casos inusitados onde a leia resolveria. É um exemplo perfeito de como animações adultas não precisam bancar apenas o duplo sentido ou a escatologia explicita para serem engraçados. Há muito da questão do contraste, da inocência de Scooby-Doo com o olhar malvado que o super-herói Harvey (e o público também) tem da situação, mas as escolhas visuais junto ao texto sabem tratar essa dualidade num mesmo cenário com uma habilidade bem direta e honesta com o seu público, independentemente da idade.

Talvez seja esse o maior ponto que me conquistou, existe ainda um princípio inocente ali, mas que é convertido pelo natural corrupção do espaço de abordagem. Salsicha é basicamente preso por ser hippie e o episódio a partir disso brinca com as especificações dele nunca ter sido pego antes por resolver os mistérios que a polícia tanto procura. Há um momento fantástico que a promotoria apresenta uma fita com momentos da animação original de Scooby-Doo Cadê Você, reeditadas fora de contexto a parecer que não só o Salsicha, mas como se toda a turma cometesse atos ilícitos durante a resolução dos mistérios. É engraçado demais! Fora as várias inserções de piadas sem sentido no meio – como aquela da publicidade – que tornam a identidade ainda mais autêntica do desenho e não só do conteúdo da semana que ele aborda.

Harvey, O Advogado – 1X03: Shaggy Busted | EUA, 7 de Julho de 2002
Criadores: Michael Ouweleen, Erik Richter
Direção: Vincent Waller, Erik Richter
Roteiro: Michael Ouweleen, Erik Richter
Elenco: Gary Cole, Michael McKean, Thomas Allen, Stephen Colbert, Jeff Bergman, Grey Griffin, Scott Innes, Erik Richte, B.J. Ward, Frank Welker
Duração: 11 minutos
.

Uma Noite Com a Turma do Scooby-Doo

A fase do O Que Há de Novo Scooby-Doo é minha favorita do desenho, então, esperava bem mais desse curta a despeito de parodiar sua própria versão ao invés de antigas. No máximo a excentricidade da Daphne enquanto estilista é tocado, o resto é as mesmas piadas de sempre: a comilança e covardia do Salsicha e Scooby, a inteligência entusiasmada de Velma e sua dificuldade com os óculos, a paixão de Fred com a Máquina Mistério e armadilhas, tá tudo ali num bloco resumido na estrutura de entrevista. Falta dinâmica no curta, aquela sinergia tão presente na modernização tecnológica da série mãe a qual se encaixa o design do filme que forneceu o curta como Extra de DVD, Olá, Scooby-Doo.

Sobra mesmo a surpresa final de colocar o convidado como um monstro, o que traz uma inversão interessante, é um monstro disfarçado de humano. Ao mesmo tempo que é surpreendente, acabar o curta assim é meio estranho. Pois de todas as séries, essa foi a que menos aceitou interferência sobrenatural e fica a entender, que aquele monstro, é um monstro de fato, porque o mistério não é resolvido. De qualquer forma, dava para ser mais divertido, ficando no rótulo apenas de bônus de DVD, nada mais.

Uma Noite Com a Turma do Scooby-Doo (An Evening with the Scooby-Doo Gang | EUA, 2005)
Curta Bônus, vindo no DVD do filme Aloha, Scooby-Doo!
Duração: 6 minutos

  • OBS: Existe um outro curta bônus de DVD, da versão The Best of the New Scooby-Doo Movies, denominado The Hanna-Barbera Kennel Club Roasts Scooby-Doo, onde vários cachorros da Hanna-Barbera conversam sobre o que acham do Scooby-Doo. Infelizmente, o curta não pode ser encontrado fora das edições limitadas do box, e portanto, foi um dos que não foram vistos.
    .

Crossover com Batman: Os Bravos e Destemidos

Eu adoro a série do Batman: Bravos e Destemidos, principalmente pelo fator crossover natural que o universo se permite a ter em cada episídio. Infelizmente, o episódio em questão da participação especial  da turma do Scooby-Doo não faz parte dessa naturalidade, é uma pausa esporádica, sem qualquer referência a história principal, que decide fazer sem critério paródia com as versões ditas como “mais bizarras” do Batman. Mesmo sendo sem critério, se o capítulo se estabelece com essa premissa, é porque ele está comparativamente colocando as aparições do Batman em Scooby-Doo, lá atrás em Os Novos Filmes de Scooby-Doo, é porque ela acha tão bizarra quanto a versão do Batman japonesa ou a versão do Batman meio com cara de porco junto a um Robin esquisito dos primeiros minutos, o que é absolutamente nada a ver.

Eu até entendo o caráter homenagem que existe ali, até pelo tratamento de blocos separados, mas o humor simplesmente não funciona por ter esse deslocamento completo da linguagem da série. Seria bem mais legal se o episódio se assumisse uma estrutura conjunta de zuação com homenagem, revisitando uma aventura junto a turma do Scooby, que geralmente combatiam o Coringa e o Pinguim sobre aquele mesmo design e se divertindo com aquilo. No entanto, como dito, a premissa não permite, ela tá lá apenas pela graça, tanto que há uma pausa absolutamente gratuita para o Batman falar como escapar se você estiver cercado por tubarões perigosos (?). Ainda bem que houve um filme crossover entre as duas franquias novamente que é bem melhor do que isso aqui.

Batman: Os Bravos e Destemidos – 2X25: Bat-Mite Presents: Batman’s Strangest Cases! | EUA, 1 de Abril de 2011
Criação: Michael Jelenic, James Tucker
Direção: Ben Jones
Roteiro: Ben Jones, James Tucker
Elenco: Diedrich Bader, Jeff Bennett, Corey Burton, Mindy Cohn, Grey Griffin, Matthew Lillard, Jason Marsden, Paul Reubens, Frank Welker, ‘Weird Al’ Yankovic
Duração: 22 minutos
.

Scooby-Doo! Jogos Assombrados

Episódio feito sobre medida para o clima da Olimpíada de Londres de 2012, lançado diretamente para home-vídeo. No curta, Salsicha é convidado para ser um dos competidores dos 100 metros livres, por conta da sua incrível velocidade quando está com medo. Coincidentemente, a competição acaba sendo assombrada pela estatua do primeiro vencedor dos jogos ganhando vida e assim a turma se depara com mais um mistério.

O estilo de animação aqui marca um período transicional de design bem sútil do desenho, que mistura traços mais lisos das versões de O Que Há de Novo Scooby-Doo, com a linguagem mais retro/moderna, característica de Scooby-Doo Mistério S.A. O episódio, é como se fosse mais um bom capítulo dessa segunda, e não é à toa, a maioria dos envolvidos criativamente dela está presente, tanto aqui, quanto na maioria dessas curtas especiais do período de 2012 a 2015. Há um equilíbrio ideal entre o desenvolvimento estimulante do mistério – encarado como relevante no episódio – com as divertidas interações de contexto dos personagens dentro das Olimpíadas. Sinto falta da participação das meninas nesse contexto, as olimpíadas são retratadas exclusivamente no lado masculino, mas ao menos, isso é justificado quando as duas o resolvem praticamente sozinho, enquanto os homens ficam com a parte atlética, Salsicha como corredor e Fred disputando salto com vara por ciúmes de Daphne se gamar no candidato a campeão.

É um episódio bem característico dessa fase do desenho, onde há uma preservação de tradicionalismos implícitos, mas com conjunções modernizadas. Ainda que ache que dentro dessa linguagem, caberia alguma menção ou homenagem mais direta do desenho no seu período de Ho-Ho Olímpicos, no balanço geral, a proposta equilibrada trás mais um ótimo episódio de Scooby-Doo.

Scooby-Doo! Jogos Assombrados (Scooby-Doo! Spooky Games | EUA, 2012)
Direção: Curt Geda
Roteiro: Mark Banker
Elenco: Frank Welker, Casey Kasem, Nicole Jaffe, Mindy Cohn, Matthew Lillard, Gary Owens, Marilyn Schreffler, Mel Blanc, Scatman Crothers, John Stephenson
Duração: 22 minutos
.

Scooby-Doo! Natal Assombrado

Outro da linha de episódios lançados diretamente para home-vídeo, e mais um de Natal, dentre tantos outros que Scooby-Doo possui, ao longo de suas séries. Gosto da ameaça do vilão, um boneco de neve transmorfo faz questionar mesmo que por alguns segundos, sobre sua verossimilhança. Podia ser – e no fim acaba sendo, mas não no sentido inicialmente sugerido – daquele exercício de flertes com o sobrenatural que costumamente tem no desenho. Além do design ser assustador do monstro, o episódio utiliza bem a dupla ambientação da loja de brinquedos e casa congelada, para trazer um jogo imagético de contrastes característicos desse período da animação, que como bem costumo dizer, ficam exatamente nesse limiar do retro com o moderno.

O interessante é que o curta sabe bem transacionar as etapas do mistério, de modo a desconstruir o sobrenatural inicialmente e depois surpreender com o assumir dele na figura do Papai Noel bem no meio da climática. Enquanto as pistas vão desmistificando a lenda do boneco e apontando culpados, a situação fica mais tensa quando Salsicha e Scooby precisam resolver tudo no final, o momento oportuno para o verdadeiro velhinho aparecer, com uma justificativa respaldada na resolução do mistério que ganha contornos surpreendentes, embora óbvios, do clima natalino. Tudo ocorre um tanto rápido demais é verdade, diluindo um pouco o efeito do fantástico a uma resolução mais típica e clichêzinha para esse tipo de especial natalino, mas ainda assim, existiu ali uma construção bem calcada para esse efeito ter a proporção necessária para sua mensagem solidificadora ser passada com eficiência.

Scooby-Doo! Natal Assombrado (Scooby-Doo! Haunted Holidays | EUA, 2012)
Direção: Victor Cook
Roteiro: Michael Ryan
Elenco: Frank Welker, Mindy Cohn, Grey Griffin, Matthew Lillard, Carlos Alazraqui, Crispin Freeman, Fred Tatasciore
Duração: 22 minutos
.

Scooby-Doo! e o Espantalho Sinistro

A linha de episódios de Halloween de Scooby geralmente tem Espantalhos como o principal representante vilanesco e esse especial lançado direto para home-vídeo é mais um exemplo. O que é uma pena, pois faz ele cair num território bem genérico do desenho. Não há nem uma tentativa de construção particular, de um interior particular, é uma lenda local de um local igualmente genérico. A animação inclusive, começava a aparentar uma metamorfose a um lado cômico mais forte, tirando o peso da resolução do mistério enquanto suspense de lenda urbana.

Isso é bem perceptível no caráter imagético, relativizado, embora a linguagem da animação ainda quisesse remeter a Scooby-Doo Mistério S.A. Sobra pouco volume no episódio inclusive para explorar a questão temática, a atmosfera de Halloween, que é parcialmente escanteada na elaboração rítmica um pouco desordenada de tom. Ainda é um episódio divertido porque mantém uma estrutura tradicional protocolarmente divertida.

Scooby-Doo! e o Espantalho Sinistro (Scooby-Doo! and the Spooky Scarecrow | EUA, 2013)
Direção: Michael Goguen
Roteiro: Paul Dini, Misty Lee, Len Uhley
Elenco: Frank Welker, Mindy Cohn, Grey Griffin, Matthew Lillard, Jeff Bennett, Steve Blum, Kelly Hu, Josh Keaton, Wendie Malick, Gary Anthony Williams
Duração: 22 minutos
.

Scooby-Doo! A Ameaça do Mecachorro

Legal que o episódio não faz uma clássica do desenho que é colocar Scooby-Doo com ciúmes de seu vilão robótico, geralmente sinônimo de uma solução da superação do cachorro “raiz” para o cachorro “falso”. Há essa altura esse tipo de estruturação seria previsível, mas o episódio também não trás tantos recursos para escapar para um lado mais interessante. Quando ele entrelaça o caminho de ciúmes da Daphne a Melanie (personagem exclusiva do episódio) com o Fred, fica claro que a estrutura a direcionara-la como a vilã final, para promover a piada de “tá vendo, ninguém me escutou?”.

Mas a construção disso é bem chatinha, talvez pela falta de elementos imagéticos que reforcem a ameaça. O robô cão é gigante, mas não parece oferecer desafios a turma. Tanto que a solução passa um pouco do ponto do exagero e acaba quebrando o clima do episódio que na linguagem, ainda puxa para o lado da série Mistério S.A, mas sem o aspecto retro para impulsionar contrastes onde está seu brilho. No fim, se torna outro especial de home-video lançado às pressas para um compilado de DVD com a mesma temática.

Scooby-Doo! A Ameaça do Mecachorro (Scooby-Doo! Mecha Mutt Menace | EUA, 2013)
Direção: Michael Goguen
Roteiro: Rick Copp
Elenco: Frank Welker, Matthew Lillard, Grey Griffin, Mindy Cohn, Julie Bowen, Lacey Chabert, Phil LaMarr, Alan Rachins, Paul Reubens
Duração: 22 minutos

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais