Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Scooby-Doo na Ilha dos Zumbis

Crítica | Scooby-Doo na Ilha dos Zumbis

por Luiz Santiago
20 views (a partir de agosto de 2020)

Uma das coisas mais interessantes que pode acontecer com um personagem ou equipe totalmente focada na ciência, na lógica, na explicação racional da realidade, é a possibilidade de um dia encontrarem uma situação que não só desafia essa visão, como também muda a opinião desses indivíduos para sempre. Aqui em Scooby-Doo na Ilha dos Zumbis (1998), a equipe de investigadores do sobrenatural deparam-se “pela primeira vez” com um mistério que a lógica e a racionalidade não podem resolver, e é maravilhoso vê-los numa tentativa desesperada de provar, negar e finalmente aceitar a inexplicável realidade diante de seus olhos.

Escrito por Glenn Leopold, o roteiro tem um ponto de partida uma separação anterior do time. Este é um daqueles inícios que nos chamam imensamente a atenção, pela novidade que traz. Quando acompanhamos aventuras de equipes por um longo tempo (nos quadrinhos, em franquias como Scooby-Doo e em tantos outros exemplos), não imaginamos o que será de cada uma das partes quando o grupo, enfim, se separar. Aqui, porém, isso acontece, e a primeira parte da trama lida justamente com essa vida pós-Mistério S/A, com cada um dos ex-integrantes fazendo o trabalho que gosta, mas não estando plenamente feliz com isso.

É coerente vermos Daphne e Fred trabalhando na TV, Velma administrando uma loja de livros de terror e mistério e Salsicha e Scooby trabalhando como fiscais de bagagem num aeroporto, confiscando toda a comida contrabandeada que conseguem identificar nas malas. Trata-se de um começo engraçado e de aura realista, mas o impacto dessa separação se dissipa rápido, poque uma certa necessidade e uma boa ocasião aparecem para juntar novamente o grupo, que segue para a região pantanosa do Estado da Louisiana, onde vão à procura de casas assombradas para um novo programa de Daphne.

O elemento mais importante desta animação é a sua direção de arte e fotografia. Os desenhos aqui são maravilhosos, especialmente as paisagens, com belíssimos planos abertos pelo pântano em diversos momentos do dia; a propriedade de Simone (que tem esse nome por fazer referência à personagem-gato de Simone Simon no filme Sangue de Pantera), com sua plantação de pimentas; e o mistério da casa, que ao que tudo indica, é “verdadeiramente assombrada“. A beleza da direção de arte aqui se mistura com o estilo simples da animação e a comicidade macabra do enredo, tornando a aventura um retorno e tanto para a equipe. Aqui eles se deparam com uma ameaça que desafia o que imaginavam da ocorrência do sobrenatural, cada um lidando com essa novidade a seu modo.

É evidente que um conjunto de exageros, bobagens meio fofas, conveniências e resoluções absurdas do roteiro aparecem aqui, o que não deve ser uma novidade para um espectador da franquia ou de produções endereçadas a uma baixa faixa etária. O quanto isso é aceitável ou é interessante depende de cada espectador, mas penso que o roteiro não é beneficiado, mesmo dentro de sua proposta, por parte dessas decisões, especialmente no ato final da história. O desfecho e a partida da equipe sem um documento que prove a experiência que viram é uma daquelas fatalidades esperadas diante de um tema inacreditável. Um aprendizado curioso, meio traumático e hilário, à sua maneira, servindo de mudança de perspectiva para os medrosos, valentes, crentes e céticos. Nada como zumbis em cena para ensinarem uma boa lição a todos.

Scooby-Doo na Ilha dos Zumbis (Scooby-Doo on Zombie Island) — EUA, 1998
Direção: Hiroshi Aoyama, Kazumi Fukushima, Jim Stenstrum
Roteiro: Glenn Leopold
Elenco: Scott Innes, Billy West, Mary Kay Bergman, Frank Welker, B.J. Ward, Adrienne Barbeau, Tara Strong, Cam Clarke, Jim Cummings, Mark Hamill, Jennifer Leigh Warren, Ed Gilbert
Duração: 77 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais