Home Diversos Crítica | Sombra e Ossos, de Leigh Bardugo

Crítica | Sombra e Ossos, de Leigh Bardugo

por Kevin Rick
636 views (a partir de agosto de 2020)

Sempre que eu começo um livro de fantasia, meu interesse inicial é em relação ao ambiente e a temática fantasiosa em si, seja ela Espada e Feitiçaria, High Fantasy medieval, Conto de Fadas, Ficção Mítica, entre outros subgêneros da nossa tão amada literatura fantasiosa. Sombra e Ossos, o primeiro livro do Grishaverso, da autora Leigh Bardugo, logo de cara me pareceu um interessantíssimo universo por causa do background de Europa Oriental, especialmente com a Rússia, que a construção de mundo recebe, e também com o sistema Elemental de magia ciência dado aos Grishas, pessoas favorecidas com poderes de manipulação da matéria. Tudo soa um tantinho clichê, como YA normalmente são, mas eu tinha esperanças que a escritora soubesse trabalhar com os clichês em sua mitologia e personagens que inicialmente encantam o leitor. Infelizmente, Bardugo amarra o potencial de seu universo para oferecer um tipo de fantasia quase que inteiramente monárquico.

E, isso, poderia ser bom, viu? Talvez um contexto político ou intrigas nobres que preencheriam um tipo de Fantasia mais reclusa, especialmente para o público-alvo adolescente que certamente não se encontra com esse tipo de literatura todo dia. Contudo, a autora tem uma estranhíssima abordagem, que não me faz contestar a popularidade da obra, mas com certeza a qualidade narrativa, no qual grande parte da trama tem como ponto central a aparência, os figurinos e o status, em uma longa leitura, quase cômica, sobre os dramas de uma moça constantemente refém da opinião alheia.

Antes de adentrar um pouquinho mais nessa questão, é preciso dar algum contexto para quem não leu o livro: a moça em questão, a protagonista da obra, é Alina, uma órfã, que juntamente com seu amigo de orfanato, Maly, conseguiram encontrar posições comuns no exército de Ravka, como uma cartógrafa e um soldado rastreador, respectivamente. E desde o início, a autora faz questão de caracterizar Alina como feia, fraca e insegura, em um exercício narrativo apático da personagem. Após ambos personagens adentrarem “A Dobra”, uma faixa de escuridão cheia de monstros alados conhecidos como Volcras, dividindo a nação ravkiana, a jovem retraída descobre ter os poderes da Conjuradora do Sol, podendo manipular a luz, sendo a habilidade mais poderosa no meio Grisha.

É a partir do desenrolar desse acontecimento que Alina vai parar no palácio, envolta pela família real, os Grishas e o poderoso Darkling, o membro mais poderoso da obra, que busca destruir a Dobra. Até aí, eu estava interessado e até animado com a cadência da narrativa, que assume sua proposta demográfica no estilo de escrita simples, objetivo e um tantinho genérico, mas a premissa estava delineada, e apesar da péssima protagonista, eu tinha esperança que as escolhas da autora seriam em prol de algum arco de evolução e pertencimento, extremamente interessantes no âmbito da maturidade e autodescoberta para seu público-alvo. Infelizmente, todo o núcleo de Alina no palácio, ao redor de 2/3 do livro, é uma experiência superficial em torno do, sendo honesto, nada.

Eu entendo a proposta de drama-girl aqui, e certamente não esperava uma fantasia a lá Senhor dos Anéis, As Crônicas de Gelo e Fogo ou até mesmo O Nome do Vento, mas é complicado comprar uma narrativa insubstancial que tem como núcleos principais, ênfase nos principais, pois não são pequenos diálogos, camadas ou subtexto, mas sim o foco da história em longas discussões sobre as distinções faciais entre Grishas e pessoas normais, as diferenças de roupagem de acordo com a hierarquia, rixas femininas pela atenção do Darkling e um forçado triângulo amoroso. É preciso frisar isso, pois esses são os temas predominantes nas primeiras 200 páginas da obra! Tediosa, supérflua e sem qualquer elipse, pois o contexto maniqueísta e futilmente focado no exterior é constantemente jogado na cara do leitor em narrações superexpositivas da preocupação alheia de Alina, compondo uma terrível experiência de aprendizado adolescente, cheia das piores mensagens possíveis em relação à maturidade, independência e aceitação, trabalhando tais temáticas por uma ótica inversa na contínua contração da protagonista.

O ato final do livro parece tentar puxar algo épico para o desfecho da obra, e de certa forma, dentro dos limites do subgênero, a narrativa faz isso eficientemente ao retornar com a mitologia como meio de compor suspense na aventura em busca de um “objeto” – para não dar spoilers – e parar o antagonista principal, que, também de maneira inesperada, consegue ser interessante na caracterização maquiavélica. A pura fantasia aventureira entra em ação e Bardugo tem êxito nos momentos de grande escopo e no clímax, melhorando o quadro geral do livro. O problema é que a experiência já foi perdida, e Bardugo, sem motivo plausível, restringe seu interessante universo político, mitológico e mágico para oferecer uma dramaturgia sem substância em uma das mais estranhas fantasias que já li, tendo a aparência e a busca por opinião alheia como ponto central da obra.

Sombra e Ossos (Shadow and Bone) — EUA, 2012
Autora: Leigh Bardugo
Editora original: Fierce Reads
Edição lida para esta crítica: Gutenberg (2013)
Tradução: Eric Novello
288 páginas

Você Também pode curtir

9 comentários

Bela 28 de abril de 2021 - 23:31

Espero que apesar de não ter gostado desse livro, você dê uma chance a Six Of Crows. Eu não gosto da trilogia e honestamente acho que só piora a cada livro, transformando a Alina numa pessoa desejada por todos os homens importantes do universo.
Mas a duologia dos Crows é incrível, não o melhor livro e muito menos a melhor fantasia, mas um livro que te prende do início ao fim tanto pelo plot quanto pelos personagens, e te faz querer mais.

Só um ps, acho que no livro o Darkling não é chamado de General Kirigan, esse foi um nome dado apenas na série, não?

Responder
Kevin Rick 29 de abril de 2021 - 02:43

Olá, Bela! Primeiramente, obrigado pelo toque. Eu consumi a série e o livro juntos, e acabei misturando o nome do Darkling hehehe

Sobre continuar as obras do Grishaverso, bem, confesso que meu interesse no restante da trilogia principal é… pouco, para dizer o mínimo. E seu comentário sobre o desenvolvimento da Alina diminuiu ainda mais a vontade hahahahaha

Mas, curiosamente, eu já estava pensando em dar uma chance a duologia dos Crows, pois na série eles são tão divertidos e carismáticos que fiquei com uma pontinha de curiosidade. Bacana saber que a sua experiência foi positiva. Certamente vou ler um dia.

E sobre a série, chegou a ver? Gostou?

Responder
Bela 29 de abril de 2021 - 16:21

Eu imaginei que fosse por causa da série mesmo, por isso achei melhor comentar hahahah

Peço desculpas por isso, maaaas se você é uma pessoa que não gosta de abandonar um universo, deve terminar e tirar suas próprias conclusões, obviamente. Talvez eu tenha sido um pouco dura, mas esse detalhe foi algo que realmente me incodomou.

Honestamente, eu só assisti a série pelos Crows e porque estava curiosa para saber como juntariam os plots, já que a duologia passa 2 anos após o final da trilogia e foi uma surpresa agradável, ficou muito interessante e eles conseguiram respeitar a personalidade de cada personagem, além de me fazer gostar do Maly, algo que não achei que seria possível ahahha estou torcendo por novas temporadas, principalmente para chegar no plot do livros dos Crows!

Não sei se você realmente tem algum interesse em fantasias YA ou só leu por causa da série, mas Trono de Vidro é uma série com foco mais monárquico e apesar de estar longe de ser uma obra prima, é bem interessante, tem muitos livros e isso pode ser desanimador, mas achei que deveria recomendar só pra você saber da existência mesmo ahahahaha

Responder
Luan Sousa 29 de abril de 2021 - 22:57

Só passando pra dizer que Trono de Vidro é bem divertido mesmo, só tem que ter fôlego pra encarar os tantos livros hahaha.

Responder
Bela 30 de abril de 2021 - 18:51

Além de ser muitos livros, alguns são bem grandes, mas se consegue chegar no 3º, acho que dá pra ler todos tranquilo hahahah

Kevin Rick 30 de abril de 2021 - 02:49

Eu tô adorando o fato de que todo mundo que comenta sobre a série adora os Crows mas não curte a Alina. É quase unânime hahahaha

Eu não sou um entusiasta de YA não. Li bem poucas. Mas nada contra. Esse livro mesmo eu fui de coração aberto, mas me decepcionei. Fiquei interessado nessa Trono de Vidro! Já guardei na listinha. Adoro recomendações hehe

Responder
Bela 30 de abril de 2021 - 18:49

Os Crows são perfeitos, fazer o que ahhahaha

Já que você gosta de recomendações, vou aproveitar pra recomendar uma trilogia de ficção científica perfeita que li ano passado, A Terra Partida, o primeiro livro chama A Quinta Estação!

H-Alves 29 de abril de 2021 - 18:17

Estou quase na metade do livro e estou achando bem okzinho. Vi 3 episódios da séries pra me ambientar antes de ler o livro e me parece que os personagens de Six os crows são os mais interessantes mesmo. Se eu não continuar a trilogia, com certeza darei uma chance a duologia, que todos dizem ser melhor mesmo.

Responder
Bela 1 de maio de 2021 - 13:25

Não é que a trilogia seja horrível, mas Six of Crows é muuuuuito melhor hahaha acho que não vai se arrepender de dar uma chance pra esse livro!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais