Home TVEpisódio Crítica | Star Trek: Lower Decks – 1X05: Cupid’s Errant Arrow

Crítica | Star Trek: Lower Decks – 1X05: Cupid’s Errant Arrow

por Ritter Fan
422 views (a partir de agosto de 2020)

  • spoilers. Leia, aqui, as críticas dos demais episódios e, aqui, todo nosso material sobre Star Trek.

Depois de Temporal Edict e Moist Vessel, dois episódios que quebraram o que parecia ser o molde da série e arriscaram de verdade com histórias diferentes e muito boas sob a premissa dos “bastidores” da Federação de Planetas, Lower Decks retorna ao modelo de Second ContactEnvoys, ou seja, às duplas padrão de personagens interagindo separadamente, mas sem que isso representasse retrocesso narrativo. Ao contrário, Cupid’s Errant Arrow vem justamente para mostrar o potencial desse artifício básico e batido quando há um roteiro realmente interessante por trás.

E o padrão de sempre é o pareamento de Mariner com Boimler de um lado e Rutherford e Tendi de outro, agora com a Cerritos em uma missão conjunta com a ultra-moderna U.S.S. Vancouver para explodir uma lua instável de um planeta. A tarefa em si fica inteligentemente em segundo plano, funcionando apenas como uma desculpa para colocar os quatro personagens à bordo da Vancouver, mas sem perder completamente o sentido, já que ela permanece como um ótimo subtexto que critica ferrenhamente decisões tomadas para salvar vidas, mas que acabam caindo no redemoinho político com interesses opostos inconciliáveis.

Enquanto a capitã Freeman tenta equilibrar as disputas que impedem que a missão seja cumprida, acompanhamos Boimler apresentando sua namorada Barb (Gillian Jacobs) cuja existência Mariner simplesmente duvida, mas que acaba mostrando-se real e, mais do que isso, linda, apaixonada por Brad (que se chama Bradward!) e nada menos do que uma tenente da Vancouver. Enquanto o relacionamento de Brad com Barb surpreende qualquer um pela implausibilidade, Mariner não se convence e tenta de toda maneira provar que Barb é alguma coisa menos o que diz que é, seja uma transmorfa, seja uma espiã, seja uma parasita. Por seu turno, Brad mostra toda sua insegurança quando Barb mostra-se particularmente íntima de um oficial musculoso da Cerritos. A receita para o desastre – ou não – é mais do que perfeita e maneira como o roteiro de Ben Joseph trabalha os diálogos e até mesmo duas hilárias cenas risqué é muito inteligente e, claro, repleta de referências à franquia.

Rutherford e Tendi, por seu turno, ficam como pintos no lixo diante da maravilhosa nave da Federação, querendo ver tudo o que é possível e usar todos os modernos aparelhos que têm à disposição. Não há, aqui, uma história propriamente dita como no caso da dupla principal, mas a narrativa envolvendo a obsessão dos dois com tudo ao seu redor, particularmente um aparentemente moderníssimo analisador portátil, faz um ótimo comentário sobre consumismo, sobre vício tecnológico e, claro, sobre a pressão que alguns trabalhos criam sobre os funcionários e o valor que deixamos de dar ao que temos, algo que é reiterado pela intensa competição que é estabelecida entre os dois e pela tentação de ficar na Vancouver.

Apesar de as três histórias permanecerem paralelas o tempo todo, sem jamais sequer encostarem umas nas outras, Cupid’s Errant Arrow prova que um bom roteiro é capaz de curar quase tudo, algo que a direção de Kim Arndt ajuda muito pelo quanto ela alcança um equilíbrio cuidadoso entre cada linha narrativa, sabendo quando pular entre histórias e o quanto mostrar de cada uma. Parece trivial, mas quando roteiros arriscam-se dessa maneira, mesmo em episódios curtos como este, a tendência é que haja uma desagregação do conjunto, mas isso, felizmente, não acontece aqui. É como o delicado equilíbrio em castelo de cartas, em que um movimento em falso pode derrubar o todo, mas que cada carta colocada corretamente sustenta mais um andar. E as histórias separadas funcionam exatamente assim, cada uma sustentando a outra e ganhando o espaço que precisa e não dividindo-o de maneira equânime.

Lower Decks, portanto, continua reiterando a qualidade do trabalho de Mike McMahan em uma aposta polêmica, especialmente considerando o quão estritos são os fãs de Star Trek. Nada como arriscar com uma ideia nova e executá-la de maneira diferente e inovadora a cada episódio.

Star Trek: Lower Decks – 1X05: Cupid’s Errant Arrow (EUA, 03 de setembro de 2020)
Showrunner: Mike McMahan
Direção: Kim Arndt
Roteiro: Ben Joseph
Elenco (vozes originais): Tawny Newsome, Jack Quaid, Noël Wells, Eugene Cordero, Dawnn Lewis, Jerry O’Connell, Fred Tatasciore, Gillian Vigman, Paul Scheer, Gillian Jacobs
Duração: 25 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais