Home TVEpisódio Crítica | Star Trek: Lower Decks – 1X06: Terminal Provocations

Crítica | Star Trek: Lower Decks – 1X06: Terminal Provocations

por Ritter Fan
393 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há spoilers. Leia, aqui, as críticas dos demais episódios e, aqui, todo nosso material sobre Star Trek.

Creio ser natural que uma série estreante tenha seus altos e baixos, especialmente quando seu formato é, substancialmente, de “caso da semana”, pois exige que a criatividade para situações completamente novas mantenha-se constantemente em alerta, sem espaço para descanso. Terminal Provocations, portanto, parece encerrar – ou, como eu espero, apenas intervalar – a muito bem-sucedida sequência de três episódios seguidos, Temporal Edict, Moist Vessel e Cupid’s Errant Arrow, que a temporada inaugural conseguiu sustentar.

O episódio, assim como o anterior, mantém a estrutura das duplas-padrão, Mariner com Boimler e Rutherford com Tendi, em duas histórias que são substancialmente independentes uma da outra. No entanto, diferente das aventuras originais que a semana anterior trouxe, aqui o roteiro de John Cochran deixa muito a desejar, algo que é tornado ainda mais evidente pelo bom começo de cada mini-história – com um hilário preâmbulo em que os tripulantes imitam os sons dos motores de dobra das mais variadas naves da Frota Estelar – que mostra seu potencial, mas, depois, mergulha em uma mesmice quase que incompreensível.

Pelo menos para variar a história principal, a de Mariner e de Boimler, não é a mais interessante e promissora. A situação geral gira em torno da salvagem de restos de naves (ou talvez de uma base) da Federação que é disputada por uma alienígena que os encontrou antes. Enquanto a capitã Carol Freeman faz de tudo para chegar a um acordo, para a frustração do beligerante tenente Shaxs, Tendi e Rutherford recebem instruções para fazer um passeio espacial, o que revela que Tendi não aprendeu isso na Academia.

O resultado é que Rutherford, querendo mostrar-se solícito e ao mesmo tempo querendo tirar onda, carrega um programa de sua criação no Holodeck para ensinar Tendi a “andar no espaço”. E o que imediatamente aparece por lá? O hilário Badgey (voz de Jack McBrayer), um simpático assistente virtual que é uma hilária sátira do antigo Clippy, da Microsoft, com direito até a eternos tempos de carregamento de programas, que logo se transforma em um psicopata assassino que quer exterminar seu criador e também Tendi, claro. A brincadeira com o mundo real é muito bem bolada e o grande achado do roteiro, mas ela não demora a perder a força e a relevância, passando a ser uma aventurazinha muito básica e repetitiva que talvez não tenha coragem de fazer o que tem que fazer para destacar-se de verdade.

E, como eu disse, essa é melhor história. Afinal, a de Mariner e Boimler, que envolve Fletcher (voz de Tim Robinson), um colega deles que se oferece a fazer o trabalho dos dois para que eles possam dançar o “Chu Chu”, e que começa a inventar histórias que deságuam em um monstro cibernético (sim, isso mesmo), é cansativa do começo ao fim. Para início de conversa, o personagem em si é insuportavelmente chato e ele, infelizmente, é o que tem o maior número de falas. Mesmo que o trabalho de voz de Robinson seja bom, ele não é brilhante e nem de longe compensa os diálogos modorrentos e, pior ainda, o tal “monstro” que faz pouco sentido até mesmo para uma história da franquia Star Trek.

Mas muito pior do que não fazer sentido – algo que eu poderia relevar muito facilmente -, a progressão da narrativa é sem graça e transforma o curto episódio em algo arrastado a ponto de, em comparação, tornar a fuga de Tendi e Rutherford do psicopata Badgey extremamente interessante e movimentada. Sim, há o tema da tecnologia rebelando-se contra os criadores perpassando todo o episódio, mas isso é apenas a cola temática, pois não há qualquer desenvolvimento decente para ele que justifique até mesmo essa semelhança entre as histórias.

Claro que, pela natureza cômica e duração do episódio, o saldo não é tão terrível quanto meus comentários podem fazer crer. É apenas aquilo que Lower Decks simplesmente não devia se dar mais ao luxo de ser a essa altura do campeonato, faltando quatro episódios para a temporada inaugural acabar. Mesmo que altos e baixos sejam esperados, a aposta de Mike McMahan é arriscada para o universo Star Trek e um erro pode ser fatal.

Star Trek: Lower Decks – 1X06: Terminal Provocations (EUA, 10 de setembro de 2020)
Showrunner: Mike McMahan
Direção: Bob Suarez
Roteiro: John Cochran
Elenco (vozes originais): Tawny Newsome, Jack Quaid, Noël Wells, Eugene Cordero, Dawnn Lewis, Jerry O’Connell, Fred Tatasciore, Gillian Vigman, Paul Scheer, Jack McBrayer, Tim Robinson
Duração: 25 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais