Home TVEpisódio Crítica | Star Trek: Lower Decks – 1X07: Much Ado About Boimler

Crítica | Star Trek: Lower Decks – 1X07: Much Ado About Boimler

por Ritter Fan
399 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há spoilers. Leia, aqui, as críticas dos demais episódios e, aqui, todo nosso material sobre Star Trek.

É bom constatar que Terminal Provocations parece mesmo ter sido apenas um “soluço” em Lower Decks, série animada de humor da franquia Star Trek, uma proposta por si só ousada, especialmente por ser considerada canônica. Se o episódio anterior tropeçou com uma história principal completamente desinteressante e a secundária apenas com lampejos de qualidade, Much Ado About Boimler dá a volta por cima ao costurar muito bem os artifícios clássicos da criação de Gene Roddenberry – a começar pelo título referenciando Shakespeare, algo comum especialmente em A Nova Geração – em uma história original, inteligente e divertida.

Como em Temporal Edict, as duplas usuais são desfeitas e Mariner é pareada com uma personagem diferente, desta vez uma comandante substituta muito amiga dela, quando sua mãe e os dois mais graduados oficiais da Cerritos têm que sair em missão secreta nada importante. A Capitã Amina Ramsey (Toks Olagundoye) imediata – mas temporariamente, claro – promove Mariner a Primeiro Imediato, colocando-a como seu braço direito e segundo em comando de uma equipe altamente eficiente que começa a resolver duas situações diferentes, com a segunda sendo o salvamento da tripulação de outra nave que aparentemente foi atacada por uma criatura que se alimenta de energia.

O interessante da dinâmica aqui é que Amina, conhecendo Mariner como ela a conhece, espera só o melhor da amiga, enquanto os demais de sua equipe entranham ela ainda ser apenas uma mera alferes. A explicação vem em seguida, com Mariner metendo os pés pelas mãos o tempo todo nas missão, sem a menor familiaridade com protocolos e com equipamentos, chegando até mesmo a ameaçar os resultados. Essa “nova Mariner”, por assim dizer, pega o espectador de surpresa, ao mesmo tempo que causa estranhamento, mas que começa a fazer sentido se compreendermos que ela, mesmo tendo se mostrado completamente despachada em capítulos anteriores, não é – ou, melhor dizendo, não quer ser – material para oficial.

E é refrescante notar, ao final, quando a situação realmente aperta, que tudo era fingimento exatamente por Mariner não saber com certeza o que ela é ou quer se tornar, elemento narrativo que, se para frente ganhar mais relevo, pode funcionar como uma boa forma de unificar os diversos capítulos e até temporadas sob a premissa de crescimento profissional dela e de seus colegas. Claro que isso traria problemas para a própria premissa da série, que é lidar com o pessoal “sem nome” que fica ao fundo das grandes missões que vemos nos filmes e séries da franquia, mas, por outro lado, traria uma sensação de unicidade, saindo da fórmula padrão de “casos da semana”. Mas, claro, teremos que aguardar para ver o caminho que Mike McMahan pretende trilhar com sua criação.

Na segunda história, uma experiência de Rutherford com teletransporte acaba deixando Boimler “faseado”, ou seja, quase como um fantasma sem completa materialização. Juntamente com o cachorro geneticamente manipulado por Tendi e que é apresentado no preâmbulo, Boimler é enviado para a nave da misteriosa Divisão 14 da Federação, responsável por “doenças espaciais insolúveis” e que, diz a lenda, gerencia uma espécie de spa de recuperação em algum planeta paradisíaco. Com isso, o roteiro de M. Willis brinca com toda a seção, divisão ou personagem misterioso/secreto/sombrio que a franquia Star Trek já nos apresentou ao longo dos anos, com direito um circo de aberrações que segundo elas próprias, a Federação procura esconder dos olhos do universo. É nessa linha narrativa que o lado humorístico funciona melhor, com uma progressão muito bem articulada e trabalhada que subverte expectativas o tempo todo.

Mais uma vez, Lower Decks demonstra que sabe entregar boas histórias quando sai do padrão que a própria série estabeleceu em seu começo. Há um sem-número de possibilidades para a série e McMahan parece disposto a explorá-las se a ele for dada a oportunidade que precisa. Ainda falta constância e ainda falta ele realmente arriscar mais, mas, no geral, ele está fazendo um trabalho realmente diferente e valioso nesse fascinante universo.

Star Trek: Lower Decks – 1X07: Much Ado About Boimler (EUA, 17 de setembro de 2020)
Showrunner: Mike McMahan
Direção: Barry J. Kelly
Roteiro: M. Willis
Elenco (vozes originais): Tawny Newsome, Jack Quaid, Noël Wells, Eugene Cordero, Dawnn Lewis, Jerry O’Connell, Fred Tatasciore, Gillian Vigman, Paul Scheer, Toks Olagundoye
Duração: 25 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais