Home Diversos Crítica | Star Wars: Estrelas Perdidas, de Claudia Gray

Crítica | Star Wars: Estrelas Perdidas, de Claudia Gray

por Pedro Cunha
140 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas perdidas

estrelas 5,0

Espaço: Alderaan, Coruscant, Hoth, Jelucan, Tatooine, Oulanne, Zeitooine
Tempo: Império Galáctico até queda do regime. Passando pela Trilogia Clássica, até a batalha de Jakku.

Lançado às sombras do “irmão maior”, Marcas da Guerra, livro que prometeu contar importantes detalhes sobre o novo cânone de Star Wars, Estrelas Perdidas começou comendo pelas beiradas e hoje é tido como um dos melhores livros da franquia. Escrito por Claudia Gray, o romance tem uma proposta diferente do convencional da saga, ser uma história desenvolvida para o público jovem-adulto.

Essa proposta torceu o nariz de muitos fãs da saga, desde que a Disney comprou a Lucasfilm, a sombra da romantização e da transformação da franquia em uma história de princesas era algo que assustava muitos apaixonados. Sendo assim, a casa do Mickey foi muito ousada, já que recentemente Claudia Gray deu uma entrevista dizendo que o livro que lhe foi pedido já era originalmente um romance.

Mesmo com uma proposta controversa, Estrelas Perdidas não tem medo de dizer o que é. Logo nas primeiras páginas, ele já apresenta para o leitor clichês do gênero. Mas quem disse que ser clichê é ruim? A autora conhece tão bem sua obra e o ramo que está trabalhando, que consegue colocar algo que já vimos milhões de outras vezes em outras franquias, mas que raramente vimos em Star Wars.

Mesmo estando escondido, o romance sempre foi um grande fator na saga: Han Solo e Leia, o primeiro a ser mostrado e também o mais lindo casal de toda a galáxia. Anakin e Padmé, o amor que deu inicio a tragédia dos Skywalker, Kanan e Hera, Luke e Mara, Obi-Wan e Satine e até a paixão entre droids, R2D2 e C3PO… Brincadeiras a parte, o amor é algo muito presente na franquia, todavia, ele nunca tinha sido tratado como elemento principal da narrativa, aqui ele é.

O livro conta a história de Ciena Ree e Thane Kyrell ambos do planeta Jelucan, a menina (Ciena) nasceu em uma região chamada Vale, local onde os moradores não são apegados a valores materiais, vivem em comunidade e tem a honra e palavra como elemento principal de sua comunidade. O menino, é da alta sociedade do planeta, criado em uma casa totalmente diferente de Ciena, seus pais sempre foram mais ligados ao físico e a fortunas do que ao espiritual.

Ambos são unidos por um único objetivo: se tornarem imperiais. O Império, que é tido como algo ruim para todos os fãs da saga, em Jelucan é considerado o salvador da destruição que as Guerras Clônicas causaram. Isso é um elemento muito interessante inserido por Claudia, para nós, a bandeira vermelha e preta é tida como algo horrível, mas para quem está realmente vivendo as manipulações de Sidious, tudo fica mais nebuloso. Nós já presenciamos aqui, na nossa realidade, ditaduras tomando países e sua população enxergando tudo aquilo como a verdadeira salvação.

Com muito empenho os dois conseguem entrar para a academia Imperial. Não entrarei em detalhes, pois não quero estragar com minhas vãs palavras o livro criado com tanto esmero por Claudia Gray. O que você precisa saber para ter um bom entendimento dessa crítica é que a amizade dos dois cresce muito durante o treinamento que ambos fazem para tentar ingressar no Império. A autora escreve de forma tão segura essa parte que, o que era para ser o mais lento e entediante de sua trama, o temido segundo arco, acaba sendo uma das partes do plot que mais brilham no romance.

Não é apenas no segundo ato da narrativa que vemos os talentos de Claudia Gary, durante todo o novel é possível ver a leveza que a autora escreve. O livro é viciante, o leitor simplesmente não tem vontade de parar de ler e fica triste quando vê que a sua aventura com Ciena e Thane acabou. Outra grande escolha feita pela escritora é o desenvolvimento, não só de ambos os protagonistas, mas também de todos os outros personagens.

Mas talvez a opção mais bem-sucedida do livro é o tempo percorrido por ele. A narrativa percorre grande parte da linha do tempo de Star Wars, começando logo nos primeiros anos do Império e terminando um pouco depois da Batalha de Jakku. Porém, diferente do que é apresentado nos filmes, aqui vemos os acontecimentos pelas lentes dos capacetes de Stormtroopers. Toda a narrativa é vista pela ótica imperial.

Essa inversão acaba transformando aquilo que já vimos em algo totalmente novo. O livro relata a captura de Leia, a destruição de Alderaan, a queda da primeira e da segunda Estrelas da Morte, e até a captura dos planos da grande Arma, que não é uma lua e sim uma nave espacial, é mencionado durante a leitura (trama que acompanharemos em Rogue One).

Tudo isso é apresentado tão bem que faz esses acontecimentos terem um significado totalmente diferente. A destruição de Alderaan, vira uma ato necessário, a Estrela da Morte, se transforma em terrorismo. Tudo isso graças a excelente forma que Gray sabe lidar com seus personagens, ela sabe o que cada um é, e não falha em retratar um pensamento se quer em toda a narrativa.

Estrelas Perdidas é uma linda história de amor em Star Wars. Contrariando as expectativas, Claudia Gray mostra o quanto a saga é abrangente e pode se adaptar a vários gêneros diferentes. O novel nos impressiona, emociona e anima durante todas as suas páginas. No final, os fãs ganharão uma excelente história que não precisa se apoiar em Luke, Han e Leia e em um determinado gênero para se desenvolver.

Hoje vemos que a Disney não quer se prender a esses dois fatores para contar a grande história de Star Wars, O Despertar da Força já foi uma obra que nos apresentou ótimos novos personagens e honrou os “santos” já conhecidos. Agora temos Rogue One: Uma História Star Wars, um filme que promete narrar um conto da saga com uma ótica totalmente diferente do que já apresentado. Fiquemos na expectativa e que, no futuro, a galáxia muito, muito distante possa ser cada vez maior.

Star Wars: Estrelas Perdidas (Star Wars: Lost Stars) — EUA, 2015
Autor: Claudia Gray
Publicação original: 2015
Editora original: Del Rey
Editoras no Brasil: Editora Seguinte
Tradução para português: Fábio Fernandes, Zé Oliboni
Páginas: 444

Você Também pode curtir

1 comentário

Mario 3 de janeiro de 2018 - 14:43

Gostaria de saber se O livro Estrelas perdidas el tem continuação ou ligação com outro livros da saga

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais