Home TVEpisódio Crítica | Supergirl – 6X11: Mxy in the Middle

Crítica | Supergirl – 6X11: Mxy in the Middle

por Davi Lima
1.975 views (a partir de agosto de 2020)

myx

  • Há SPOILERS deste episódio e da série. Leia aqui as críticas dos outros episódios.

 

myx Information doesn’t hurt people. Secrets do. – Andrea Rojas

Essa frase da editora chefe da empresa de jornalismo chamada CATCO funciona bastante por ser dita por ela e por centralizar o drama do episódio Mxy in the Middle. Se o espectador aplicar os principais momentos da história a essa frase, a compreensão dos objetivos narrativos se potencializa muito; mas será que a frase é executada bem para as propostas desse capítulo de transição na temporada? Entre as duas tramas principais – a do título, que põe o duende Mxy (Thomas Lennon) no olho do furacão secreto da vilã Nyxly (Peta Sergeant), e a da Lena Luthor, que cria novas informações para a personagem ter poderes – os segredos são pouco relevantes e as informações machucam a expectativa do quanto a série ainda pode ser criativa.

Começando pela personagem Sonhadora (Nicole Maines), seu medo de contar a experiente Supergirl (Melissa Benoist) que a jovem heroína havia sido enganada por Nyxly para libertar a vilã é um drama plausível sobre um segredo que poderia machucar a relação das personagens; no entanto, a própria atuação de Melissa Benoist parece reagir de maneira “desprezível” ao drama de Nia Nal, como algo infantil que não deveria ser importante demais para a história. Isso faz sentido, porque a ex-princesa da Quinta Dimensão põe um terror muito maior com um gato gigante no meio da cidade, um dragão para queimar e pressão psicológica que a atriz Peta Sergeant parece bem a vontade de interpretar maleficamente.

O que não parece interessante é que a direção Glen Winter não conversa com uma certa infantilidade, ou linha lúdica fantasiosa, do roteiro de Elle Lipson e Chandler Smidt. A direção padroniza em algo mais realista, algo mais associado com a frase de Andrea, algo que aos olhos do espectador é mais verossimilhante de ver os personagens em tela, enquanto o roteiro abusa mais da ficção, em relação aos dois episódios anteriores, para engrenar novas perspectivas da temporada.

Então, chegamos as novas informações que se tornam segredos na história escrita por Rob Wright para Mxy in the Middle. Se é possível perdoar Sonhadora de maneira bem simples para muito drama, Mxy cantando como forma de resumir as explicações sobre a vilã Nyxly fica num impasse de perdoar. Brainic-5 (Jesse Rath) faz a síntese, em que há um grande plano da duende pentadimensional para reunir sete totens de virtudes para uma bola de cristal, que antes precisa de Mxy, por questões sanguíneas, para ativa o poder.

Bem, vê-se qual será a trama dos próximos episódios atrás de totens, mas ao menos é algo a se seguir com uma personagem recheada de história como ex-princesa que Supergirl encontra como desafio para convencer sobre sua bondade interior. Outra característica da vilã é que sua luta contra o patriarcado da sua família e reino da Quinta Dimensão, tornando-a com mais camadas em relação a como ela se apresentou na Zona Fantasma e por isso um desafio maior para série em sua ficção e temáticas sociais sempre em contato.

Glen Winter não ajuda para que essa trama toda seja móvel, só se harmonizando nas cenas de ação heroicas, como Brainic-5 correndo em cima de um carro e a pose de ataque a Nyxly. Ainda assim, a “dramédia” de Myx também é tão infantil quanto a insegurança de Nia, que apesar do ator Thomas Lennon ser carismático, ele fica perdido literalmente, não apenas para o efeito cômico e dramático. Isso é consequência de um story usando-o como deus ex-machina para Supergirl e Nyxly, mas que se torna inútil por não poder usar os poderes para não ser achado na Torre de Vigilância; porém, esse é só o MEIO do problema do episódio.

Sem dúvida , e não por acaso, a trama de Lena Luthor (Katie McGrath) é uma verdadeira carroça não criativa para retornar com a personagem. Sua ida para sua terra natal encontrar com sua mãe, algo que faz parte da personagem desde sua origem na segunda temporada, soava natural acontecer após os acontecimentos da quinta temporada com a família Luthor e especialmente o episódio A Few Good Women dessa sexta temporada; mas o que ninguém esperava, tenho certeza, é que as novas informações sobre a amada pelos fãs fosse tão novelesco para introduzir seus poderes.

Sim, o problema em si, tão forte, não é necessariamente os segredos descobertos pelos espectadores que soa forçado na história escrita por Rob Wright, até porque todo mundo ganha poderes nesse mundo dos heróis da CW; o problema é que se o story já não é criativo, ainda mais roteirizado por Elle Lipton dos episódios recentes de A Few Good Women e Fear Knot envolvendo problemas de ritmo com organização, Glen Winter desaba tudo com sua direção realista padrão.

Não me entenda mal, ele é o diretor e diretor de fotografia que fez a CW fazer sucesso, dirigindo o piloto de Stargirl, Doom Patrol, Legends of Tomorrow e da própria série Supergirl, além de ser o diretor de fotografia do piloto de Arrow e The Flash, sem contar seu trabalho extenso em Smallville; no entanto, porque seu estilo de direção seja preferível pelos showrunners para manter menos estranheza com o público e animá-lo com cenas de ação para iniciar séries com segurança, não significa que com determinados roteiros menos realistas sua visão não torne a fantasia em novela ruim.

Esse é o grande problema do episódio Mxy in the Middle, sendo inconsistente na sucessão de novas informações para estender a temporada para os próximos episódios, esvaziando os dramas dos segredos que ainda faltam ser contados entre os personagens e desestabilizando em como o roteiro é contado pelo experiente Glen Winter, agitando pelo excesso de informações, mas simplificando demais como uma novela se revelando ao público. O que não torna tudo pessimista é porque essa caça aos totens pode ser uma aventura legal com uma boa vilã, Sonhadora teve uma visão que o traficante Mitch (Matt Baram) vai ajudar Nyxly, o legal Mxy pode reaparecer e, quem sabe, Lena pode ser menos sofredora quando entender seus poderes e deixar de ser cética com a magia que aprendeu com sua mãe. Vai que essa versão das Bruxas de Salem de Supergirl não surpreende? A tristeza, estranhamente, é quando as séries da CW começam a se levar muito a sério sem uma boa esticada de desenvolvimento. Esse foi o sentimento em Mxy in the Middle.

Supergirl – 6X11: Mxy in the Middle– EUA, 14 de setembro de 2021
Direção: Glen Winter
Roteiro: Elle Lipson, Chandler Smidt
Elenco: Melissa Benoist, Chyler Leigh, Katie McGrath, Jesse Rath, David Harewood, Peta Sergeant, Nicole Maines, Azie Tesfai, Julie Gonzalo, Staz Nair, Matt Baram, Kari Matchett, Thomas Lennon, Emmanuelle Vaugier, Colleen Wheeler, Larry Hoe, Bronwen Smith
Duração: 43 minutos

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais