Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Tarzan (1999)

Crítica | Tarzan (1999)

por Gabriel Carvalho
651 views (a partir de agosto de 2020)

“Não importa aonde eu vá, você sempre será minha mãe.”

O encontro do homem civilizado com o homem incivilizado é uma das premissas mais constantes da narrativa. A desconstrução de tais termos e de todo o seu significado, ao mesmo tempo, também desconstrói a própria história do mundo, sendo que a “descoberta” da América é um dos grandes momentos da narrativa mundial. Pocahontas, em 1996, já havia explorado essa vertente de uma maneira equivocada. Já Tarzan, produção de 1999, caminha, ao invés de desbravar o Novo Mundo, para o continente africano e, embora seja uma aventura de época, situada no século XIX, abrange questões que ainda são extremamente atuais, como o rigor das pesquisas científicas e a caça de animais exóticos. Edgar Rice Burroughs, no início do século XX, apresentou um dos personagens mais icônicos da literatura ao mundo, e que, não muito tempo depois, também tornar-se-ia um dos personagens mais icônicos do cinema, em razão de muitas adaptações cinematográficas, entre elas, a primeira, Tarzan, o Homem Macaco, de 1918. O homem “incivilizado” era objeto primário de estudo dentro do âmbito de uma das construções mais significativas da civilidade, o cinema. Não tardaria para uma das grandes das animações decidir colocar o pé nessa selva.

A decisão da Walt Disney Animation Studios em, muitas décadas após o lançamento de Burroughs, produzir uma animação protagonizada por esse indivíduo fictício extremamente vivo no imaginário popular, contudo, soa atrasada para o final do século XX. Mogli, o Menino Lobo, em 1967, adaptação do clássico de Rudyard Kipling lançado antes mesmo de Tarzan, o Filho das Selvas, também era uma narrativa sobre o homem nascido na selva. Com diferenças cruciais entre a jornada de Mogli e a de Tarzan, além das intenções proferidas em cada uma das histórias, Pocahontas, apenas quatro anos mais velha, termina por ser a verdadeira obra que questiona a realização de Tarzan, quase como uma carta de desculpas aos espectadores, descontentes com a história da mulher indígena, Pocahontas, que se apaixonou pelo homem inglês, John Smith. Já no longa de 1999, os papéis são invertidos, com Tarzan (Tony Goldwyn) sendo a figura “incivilizada” e Jane Porter (Minnie Driver) a figura “civilizada”. A redundância de uma abordagem tão similar, entretanto, não consegue ignorar a grande capacidade de Tarzan em encantar o espectador que se frustara, sendo esta uma viagem por terras desconhecidas, a segunda, muito mais charmosa e engajante.

O resultado é, dessa forma, muito mais positivo, mesmo que os conflitos deste longa-metragem sejam menos complexos que os de Pocahontas, pois, por exemplo, o interesse amoroso do personagem principal não passa por qualquer questionamento interno, pois sua paixão por Tarzan não desbrava territórios proibidos, embora existam barreiras. A figura do grande antagonista, portanto, é bastante distanciada da de Jane –  e também da de seu pai, o carismático Professor Porter (Nigel Hawthorne, em seu último papel, anterior ao falecimento do ator em 2001). O filme, em sua simplicidade, acaba, contudo, por ser muito mais honesto com os espectadores do que Pocahontas foi, sem tentar desconstruir um maniqueísmo, pretendendo estar quebrando estereótipos, para apenas transferi-lo a outro lugar, mas entendendo as construções dos arquétipos de uma narrativa como facilitadores necessários para o desenvolvimento da história de amor. Tarzan, em sua proposta, é uma obra muito menos complicada para que sejam cumpridos os objetivos traçados do que Pocahontas, mas, ao menos, consegue atingir em cheio a sua simplicidade, abraçando, no mesmo passo, acessórios para o storytelling direcionados a encantar o espectador.

A magnífica montagem inicial, embalada pela voz de Phil Collins – apesar de Tarzan ter uma identidade musical forte, com melodias e letras aclamadas e relembradas, a obra não é um musical -, define ao espectador a capacidade da direção em nos guiar para um caminho dramático, convencendo-o, após essa sequência, da necessidade de Tarzan em encontrar suas raízes e, a partir dela, decidir finalmente qual caminho trilhar. A jornada do personagem é clássica, sem muitos mistérios, mas, por outro lado, não menos emocionante, apesar da familiaridade e previsibilidade. O formato da trajetória é genérico, mas a obra, que vai muito além de uma estrutura de roteiro, não pode ser categorizada dessa maneira. A afeição que os espectadores desenvolvem pelos personagens, não apenas arquétipos, mas também seres com nomes e identidades, transforma a receita em um prato especial. Em um desses casos, o protagonista, paralelamente a perda de seus pais, acaba ganhando novos, adotivos, mas que são, contudo, gorilas. A carinhosa Kala (Glenn Close), então, mostra ser uma representação da maternidade belíssima, relacionando-se com o público através dessa criação dramática inicial, que concilia ambas as perdas – pois Kala também perde o seu filho -, amarrando-as, consequentemente, em fortes níveis emocionais.

Quando, em um dos primeiros aspectos similares e também distintos entre as obras, Tarzan, o homem criado por gorilas, busca comunicar-se com os ingleses, o longa-metragem de Chris Buck e Kevin Lima entende ser necessário mostrar o processo de aprendizado e, consequentemente, dar espaço para a criação de cenas específicas que possuem o intuito de desenvolverem tanto laços quanto espirituosidade. A solução para distanciar a comunicação entre as duas culturas, a dos homens e a dos gorilas, também é eficiente, exemplificando o momento de primeiro contato entre Jane e companhia e o povo de Tarzan, com o protagonista emitindo grunhidos para aqueles que fazem parte de sua família, mostrando uma consciência mais bem apurada dos realizadores na construção de universo, vide que, em Pocahontas, a distinção entre as duas línguas é extremamente confusa. Com isso, a obra também ganha camadas consideráveis de aproximação entre os personagens, uma questão extremamente forte tanto entre Tarzan e os humanos – principalmente Jane – e entre Tarzan e os gorilas – principalmente Kala. O protagonista, no final das contas, parece ser a personificação do ser mais amistoso do mundo, a mistura ideal entre homem e primata.

O antagonismo também é bastante válido, pois, diferentemente da presença maligna do longa-metragem de 1995, Clayton (Brian Blessed) é, embora saibamos de sua índole, repulsiva sob a nossa ótica, um personagem aparentemente inócuo de início, aproximando-se do protagonista assim como Jane e seu pai se aproximam. Quando o clímax surge, os momentos que ambos os personagens tiveram juntos, em trocas que, de um outro olhar, fomentaram o amor entre Jane e o protagonista, se não afetaram em nada a personalidade de Clayton, certamente afetaram a de Tarzan, tornando tudo, portanto, muito mais intenso e a traição mais poderosa. Para reiterar, não podemos esquecer que o protagonista é, teoricamente, um poço cheio de bondade, interessado em apenas descobrir coisas novas, como, obviamente, quem ele é. Do outro lado da floresta, Kerchak (Lance Henriksen) também é uma espécie de antagonista, sem aceitar a presença de Tarzan, um homem, no meio do seu bando. Nesse escopo, temos conflitos nos dois meios em que o protagonista se apresenta, sendo que, enfim, ambas funcionam perfeitamente, ainda mais por se unirem em última instância, em uma conversa com o espectador sobre pertencimento.

Celebrando um encontro de culturas que agrega e não destrói nenhuma delas, e combinando isso com uma das criações visuais mais fenomenais do Renascimento Disney, mesclando animação tradicional com computação gráfica de modo impecável e, em consequência, dando margem a cenas de ação espetaculares, bastante dinâmicas e fluidas, temos a prova cabal de que a última incursão dessa fase de ouro também é uma de suas melhores. Assistir Tarzan balançando-se pelos cipós ou escorregando entre as árvores, de um tronco a outro, é um deleite imensurável. Um ponto menor, porém, seria a vertente cômica, não tão apurada, mas nunca totalmente desnecessária, pois existe, ao mesmo tempo, uma construção do discurso, visto que permite-se, concomitantemente, a criação de vínculo entre Tarzan e os seus amigos da floresta, como Terk (Rosie O’Donnel) e Tantor (Wayne Knight). Mesmo assim, os alívios estão distantes da narrativa, como, por exemplo, Tantor, o elefante, que termina sendo desperdiçado como um paralelo a Tarzan, saindo do meio de seus iguais para se unir a uma espécie diferente. O elefante é, no final das contas, apenas um personagem engraçado, nada mais além disso.

Enquanto O Estranho Mundo de Jack coloca Jack Esqueleto no seu devido lugar, não como Papai Noel, mas como Jack Esqueleto, Tarzan abraça o mundo em que o personagem fora criado, tornando-o uma possibilidade para a sua vida continuar. O personagem, por exemplo, em momento algum vai para o continente. O seu encontro com o seu eu interior não precisaria, necessariamente, o distanciar do mundo que aprendeu a amar. São dois mundos possíveis de serem conciliados, algo que, curiosamente, Pocahontas e Mogli, o Menino Lobo não quiseram entrar no mérito, separando os protagonistas de John Smith, no primeiro citado, e de Balu e Baguera, no segundo citado – um aspecto que o longa-metragem de Jon Favreau fez questão de “consertar” – com aspas mesmo, embora a conclusão da animação de 1967 contrarie a construção de relacionamentos do longa original e, por isso, foge de uma ordem mais interessante de resolução para a problemática principal da obra clássica, que se revela menos poderosa do que poderia ser. Tarzan, diferentemente desses seus outros companheiros, por muito tempo, poderá gritar o quanto quiser, no lugar em que ele verdadeiramente pertence, que ele escolheu pertencer.

Tarzan (EUA, 1999)
Direção: Chris Buck, Kevin Lima
Roteiro: Tab Murphy, Bob Tzudiker, Noni White (adaptação da obra de Edgar Rice Burroughs)
Elenco (vozes originais): Tony Goldwyn, Minnie Driver, Brian Blessed, Glenn Close, Nigel Hawthorne, Lance Henriksen, Wayne Knight, Rosie O’Donnell.
Duração: 88 min.

Você Também pode curtir

29 comentários

Herbie: The Love Bug 26 de setembro de 2018 - 19:27

Tarzan é um dos personagens que mais recebeu adaptações, já que é domínio público. Talvez tenha sido por isso que o Walt Disney tenha optado pela adaptação de Mogli, que se não me engano só possuía um filme (live-action). Me surpreende como a Disney, com essa tara de remake, ainda não tenha anunciado um Tarzan em live-action. Como o personagem tem muita história que ainda não foi contada, esse seria interessante de ver…mas não está nem nos planos (ainda).
A Renascença Disney diversificou bastante seus filmes. Há filme de selva, filme de mar, filme de índio, filme na China, filme de Leão misturado com Hamlet, filme de monstro transformado kkkkkkkkkkkk

Responder
Bosque Perdido 8 de abril de 2018 - 21:53

Bem interessante, ainda não vi esse filme, mas pretendo ver logo, só queria saber qual traz uma melhor experiência, se é a versão com audio original ou a dublada?

Tenho essa dúvida com Lilo and Stitch também (outro que vou ver), deixando claro que o rei leão, corcunda e outros clássicos prefiro a versão dublada (porque vi quando pequeno)

=^~^=

Responder
planocritico 8 de abril de 2018 - 21:59

@bosqueperdido:disqus , sempre considero a versão com o áudio original melhor, pois foi a intenção original dos criadores, com as vozes servindo inclusive para moldar os personagens, isso quando a aparência dos atores originais também não ajudam a estabelecer a personalidade do personagem animado. Perde-se muito com a dublagem, em minha opinião.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 8 de abril de 2018 - 21:59

@bosqueperdido:disqus , sempre considero a versão com o áudio original melhor, pois foi a intenção original dos criadores, com as vozes servindo inclusive para moldar os personagens, isso quando a aparência dos atores originais também não ajudam a estabelecer a personalidade do personagem animado. Perde-se muito com a dublagem, em minha opinião.

Abs,
Ritter.

Responder
Camilo Lelis Ferreira da Silva 1 de setembro de 2018 - 23:41

@planocritico:disqus E Um adendo: A Versão Dublada nossa, por mais que tenhamos dubladores profissionalíssimos e a adaptação de Ed Motta (que merece algumas críticas da Equipe “Plano Crítico”), pecou por dar ao protagonista, a interpretação abaixo da média do Du Moscovis (na época, galã da novela “Pecado Capital” -Remake de 98, passado ás 18:00h-) e sua interpretação bisonha.
Quando Tarzan virou série de TV (“A Lenda de Tarzan” do Disneytoon Studios), a Disney consertou a cagada que vez, convocando o Guilherme Briggs no lugar…

Responder
Ian Luz 7 de setembro de 2018 - 17:15

Esse é um que eu só faço questão de ver dublado pelas adaptações do Ed Motta que são brilhantes. De resto , a dublagem não supera o original nem iguala.

Caso unico na Disney dos anos 90 , devo ressaltar.

Responder
Mari Os 26 de agosto de 2016 - 17:38

esse filme é demais, meu favorito da Disney e merece muito destaque a trilha sonora, simplesmente maravilhosa.

Responder
Mari Os 26 de agosto de 2016 - 17:38

esse filme é demais, meu favorito da Disney e merece muito destaque a trilha sonora, simplesmente maravilhosa.

Responder
Laila Santos 23 de julho de 2016 - 03:05

Tarzan é uma das melhores animações da Disney,apesar de não ser uma das minhas favoritas (nenhuma supera Aladdin e Rei Leão) é muito estranho pensar que esta animação foi uma das ultimas (se não a útima) animação feita a mão que fez sucesso.
A única coisa que eu questionável é a estatueta de Melhor Música Original,não acho que You’ll Be In My Heart merecia o Oscar naquele ano,sendo que havia músicas melhores,como Blame Canada,Save Me,When She Loved Me,não acho injustiça (injustiça foi no Oscar que a música do filme Pocahontas tirou a estatueta da música do filme Toy Story) mas acho questionável.

Responder
geraldo veras 26 de julho de 2016 - 20:38

Também fico com Rei Leão e Aladdin. Quem viu no cinema (na época) nunca mais irá esquecer.

Responder
geraldo veras 26 de julho de 2016 - 20:38

Também fico com Rei Leão e Aladdin. Quem viu no cinema (na época) nunca mais irá esquecer.

Responder
Lord Galahad 7 de agosto de 2018 - 17:24

A última foi o mediano “A princesa e o sapo”.

Responder
Laila Santos 23 de julho de 2016 - 03:05

Tarzan é uma das melhores animações da Disney,apesar de não ser uma das minhas favoritas (nenhuma supera Aladdin e Rei Leão) é muito estranho pensar que esta animação foi uma das ultimas (se não a útima) animação feita a mão que fez sucesso.
A única coisa que eu questionável é a estatueta de Melhor Música Original,não acho que You’ll Be In My Heart merecia o Oscar naquele ano,sendo que havia músicas melhores,como Blame Canada,Save Me,When She Loved Me,não acho injustiça (injustiça foi no Oscar que a música do filme Pocahontas tirou a estatueta da música do filme Toy Story) mas acho questionável.

Responder
Leonardo Pires de Oliveira 21 de julho de 2016 - 11:23

Excelente crítica! Fico em dúvida sobre qual animação da Disney gosto mais: Tarzan ou Rei Leão!

Responder
Leonardo Pires de Oliveira 21 de julho de 2016 - 11:23

Excelente crítica! Fico em dúvida sobre qual animação da Disney gosto mais: Tarzan ou Rei Leão!

Responder
Guilherme Coral 22 de julho de 2016 - 03:37

Muito obrigado, Leonardo! A minha com certeza é Rei Leão, mas Tarzan é inesquecível.

Responder
Junior Oliveira 21 de julho de 2016 - 10:37

Esse foi o único filme que eu tinha o VHS, aquele verde, com um selo brilhante do Mickey! Devo ter assistido umas duzentas vezes na minha infância e nunca enjoava. Até hoje as músicas tocam em minha cabeça: tanto a versão do Ed Motta, quanto a do Phill Collins, que tocava direto nessas rádios estilo Antena 1; aliás, até hoje, né? Clássico.

Responder
Guilherme Coral 22 de julho de 2016 - 03:38

Não lembro da versão do Ed Motta, mas as músicas são realmente sensacionais. E esse VHS verde, que saudades hahaha

Responder
Guilherme Coral 22 de julho de 2016 - 03:38

Não lembro da versão do Ed Motta, mas as músicas são realmente sensacionais. E esse VHS verde, que saudades hahaha

Responder
Junior Oliveira 22 de julho de 2016 - 12:14

Como não, véi?
“Quero entender/ Conte tudo/ Quero saber sobre os estranhos como eu/ Fale mais, me mostre/ Quero entender sobre os estranhos como eu..

Mito! KKKKKKKKKK

Responder
Kate Bishop 24 de julho de 2016 - 01:05

MELHOR MÚSICA <3

xx

Responder
Kate Bishop 24 de julho de 2016 - 01:05

MELHOR MÚSICA <3

xx

Responder
Junior Oliveira 25 de julho de 2016 - 10:23

EVER!

Junior Oliveira 25 de julho de 2016 - 10:23

EVER!

Junior Oliveira 21 de julho de 2016 - 10:37

Esse foi o único filme que eu tinha o VHS, aquele verde, com um selo brilhante do Mickey! Devo ter assistido umas duzentas vezes na minha infância e nunca enjoava. Até hoje as músicas tocam em minha cabeça: tanto a versão do Ed Motta, quanto a do Phill Collins, que tocava direto nessas rádios estilo Antena 1; aliás, até hoje, né? Clássico.

Responder
Kate Bishop 21 de julho de 2016 - 09:05

Esse é meu filme favorito de todos os tempos. Tô tão feliz em ver cinco estrelas! :’)

xx

Responder
Kate Bishop 21 de julho de 2016 - 09:05

Esse é meu filme favorito de todos os tempos. Tô tão feliz em ver cinco estrelas! :’)

xx

Responder
Guilherme Coral 22 de julho de 2016 - 03:38

O filme realmente é maravilhoso!

Responder
Guilherme Coral 22 de julho de 2016 - 03:38

O filme realmente é maravilhoso!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais