Home Audiodramas Crítica | Sarah Jane Smith: Test of Nerve / Ghost Town / Mirror, Signal, Manoeuvre

Crítica | Sarah Jane Smith: Test of Nerve / Ghost Town / Mirror, Signal, Manoeuvre

por Luiz Santiago
1 views (a partir de agosto de 2020)

Aqui temos as críticas para os três episódios finais da 1ª Temporada de Sarah Jane Smith, na Big Finish. Eles foram lançados entre setembro e novembro de 2002. Esta primeira temporada da série foi curta, com apenas 5 episódios. Confira também a crítica para os capítulos de abertura da série, Comeback e The TAO Connection.

.

Test of Nerve

1X03
estrelas 4

Equipe: Sarah Jane Smith, Josh Townsend, Natalie Redfern
Espaço-tempo: Metrô, Vila Cloots Coombe (Reino Unido), 2002.

A temporada de perseguição e desgraças para Sarah Jane Smith continua. Neste terceiro episódio da série temos mais uma rodada no jogo de caça à ex companion do Doutor, que começou em Comeback e que tem se intensificado com o passar das semanas (na perspectiva dela). Essa visão positiva, no entanto, me deixa com medo, porque está claro que estamos diante de um arco ou uma saga, e que tudo isso irá convergir num único ponto, no futuro. Meu temor é que toda essa perseguição e preparação não tenha um final que lhe faça justiça. Mas deixemos de sofrer por antecipação e vamos à trama.

O episódio começa com Sarah recebendo um presente bastante incomum. Com o bom humor de Josh e as perguntas iniciais de Natalie, temos uma introdução quase familiar para o episódio, algo que se quebra logo em seguida, quando os ratinhos morrem por inalarem um gás venenoso. O presente vem junto com um aviso de que Sarah tem pouco tempo para para encontrar a verdade ou toda Cloots Coombe irá pagar por isso.

O plano é executado de maneira cuidadosa e sua falha não necessariamente é uma derrota — o que torna o enredo geral ainda mais interessante –, bem como a ameaça em questão não é um “impasse” ou “caso da semana”, mas o andamento de um plano de vingança que a cada episódio revela surpresas e informações assustadoras (aqui, sabemos que Sarah está sendo vigiada por muito tempo e sua ‘destruição’ cuidadosamente preparada).

Temos aqui a primeira briga de Sarah com Josh. Também nos chama a atenção a postura de Sarah em relação a vida de sua companion Natalie, que corria perigo num momento da aventura. A opção de Sarah é de salvar primeiro a cidade e não a de uma única pessoa, o que seria a postura do Doutor, por exemplo, se ele fosse obrigado a escolher. E isso, claro, gera ressentimentos em Natalie, que decide se afastar. Essa atitude mostra o amadurecimento de Sarah (que em outro tempo não faria uma escolha em campo macro) e reflexos de seu aprendizado como viajante da TARDIS. Pena que essa postura mais madura e turrona não tenha sido a marca da personagem em Sarah Jane Adventures. Talvez o fato dela ter se tornado mãe tenha algo a ver com isso.

Sarah Jane Smith – 1ª Temporada (2002)
Roteiro:
 David Bishop
Direção: Gary Russell
Elenco: Elisabeth Sladen, Jeremy James, Sadie Miller, Robin Bowerman, Caroline Burns-Cook, Juliet Warner, Mark Donovan, Roy Skelton, Patricia Maynard, Alistair Lock
Duração: 1 episódio de 61 min.
Distribuidora: Big Finish Productions

.

Ghost Town

1X04
estrelas 4

Equipe: Sarah Jane Smith, Josh Townsend
Espaço-tempo: Romênia, 2002

E aqui estamos mais uma vez em uma trama de um cientista maluco. Desta vez, o lugar escolhido foi perfeito e o motivo, o mais casual possível. Sarah está em uma “missão de férias”. A convite de uma amiga e precisando dar um tempo de sua vida complicada no Reino Unido, ela vai para a Romênia, numa certa região dos Cárpatos onde uma grande mansão com ares assustadores a espera.

Toda trama envolvendo fantasmas e coisas sobrenaturais, se bem trabalhadas, pode se tornar algo muito interessante, especialmente no contexto da vida pregressa de Sarah Jane e sua imersão no mundo da ciência, tecnologia alienígena, monstros e afins. Sua razão e seu medo são postos lado a lado, testados até o fim por alguém que se comporta de maneira muito semelhante com os vilões de Comeback — embora não haja nenhuma ligação.

A história é bem contada, desacelerando um pouco no final do episódio, mas não perdendo o brilhantismo. Agora, quem brilha do começo ao fim e cada vez mais forte é a relação entre Sarah e Josh. Que maravilha é ver esses dois juntos! As piadas, os puxões de orelha e os (des)entendimentos mesmo em situações de crise fazem dessa amizade e companheirismo uma das mais interessantes da série e por isso mesmo nem sentimos falta de Natalie, que se afastou de Sarah após se sentir desprezada nos eventos de Teste of Nerve. Por falar nisso, a morte da amiga de Sarah, Claudia Coster, ocorrida no episódio passado, também é citada aqui.

Ghost Town é uma ótima história de terror, bem localizada geograficamente e com uma ótimo roteiro, direção e produção da Big Finish, além de atuações memoráveis de Elisabeth Sladen e Jeremy James.

Sarah Jane Smith – 1ª Temporada (2002)
Roteiro:
 Rupert Laight
Direção: Gary Russell
Elenco: Elisabeth Sladen, Jeremy James, Ingrid Evans, Brian Miller, Robert Jezek, Elizabeth Faulkner, Mark Donovan
Duração: 1 episódio de 56 min.
Distribuidora: Big Finish Productions

.

Mirror, Signal, Manoeuvre

1X05 – Season Finale
estrelas 4,5

Equipe: Sarah Jane Smith, Josh Townsend, Natalie Redfern
Espaço-tempo: Reino Unido e Arquipélago Chagos (Oceano Índico), 2002

Excelente Season Finale! O tom de urgência do roteiro, nos primeiros minutos do episódio, me preocupou um pouco, mas a trama não foi desenvolvida às pressas e todos os braços narrativos tiveram a devida atenção do texto e boa ligação entre si. 

Natalie volta a falar com Sarah e, pela primeira, vez ela aparece como uma companion interessante na série. Sua relação com Sarah lembra bastante a que vimos em Comeback, o que é algo bom, porque o roteiro ali não tentava forçar a jovem em uma relação amigável com Sarah, tentando fazê-la tão importante quanto ao insuperável Josh (sim, ele é um personagem genial e o ator Jeremy James o interpreta maravilhosamente bem).

Nessa história, Josh está trabalhando e Sarah está resolvendo algo que a colocará numa situação bastante complicada. A questão da arma biológica (dessa vez relacionada a um escândalo causado por testes durante a II Guerra Mundial) volta à tona e se fixa como uma questão recorrente nas tramas da série, tendo aparecido como mote central em Comeback, The TAO Connection e Teste of Nerve.

Fica implícito que K-9 Mark III é desmontado e parte de suas peças utilizadas para outros fins pelos perseguidores de Sarah. Eventualmente ele volta a ser montado, mas não funciona perfeitamente. Sarah percebe aqui que seus perseguidores são realmente pessoas de seu passado, ressentidos vencidos pela UNIT e com novas atividades criminosas, tentando renovar impérios e investimentos do passado.

A trama ganha ares de investigação e suspense, culminando com um estado de coisas em que sabemos ser só o começo. Peter Anghelides realmente escreveu um roteiro incrível e sob a direção de Gary Russell, a 1ª Temporada de Sarah Jane Smith termina com chave de ouro.

Sarah Jane Smith – 1ª Temporada (2002)
Roteiro:
 Peter Anghelides
Direção: Gary Russell
Elenco: Elisabeth Sladen, Jeremy James, Sadie Miller, Robin Bowerman, Louise Falkner, Peter Miles, Toby Longworth, Mark Donovan, Patricia Maynard
Duração: 1 episódio de 60 min.
Distribuidora: Big Finish Productions

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais