Crítica | The Big Bang Theory – 12X16: The D&D Vortex

Contém spoilers.

The D&D Vortex é um episódio que comumente chamaríamos de gratuito: nenhuma informação referente à trama central à temporada avança e o enredo em questão gira em torno apenas de si mesmo, sem mais nada a por. No entanto, ainda mais para uma sitcom, fillers são comuns e, quando bem pensados, podem originar episódios sensacionais, especialmente se não tentam ser coisas que não conseguem ser com eficiência. Daqueles capítulos capazes de instigar um telespectador desprevenido a assistir mais e mais episódios de uma série, The D&D Vortex é um dos ápices do melhor que The Big Bang Theory conseguiu ser em muitos anos de altos e baixos.

Antes de tudo, eis o roteiro de altíssima qualidade, pois a narrativa é costurada com uma grande perfeição, contendo apenas uma premissa. Os personagens, portanto, se desdobram nos acontecimentos sugeridos de uma maneira natural, unindo-se todo o elenco regular da série para participar de uma história em que, não eles, mas a história vem em primeiro lugar. É um episódio que não se interessa nenhum pouco por uma veia dramática, e sim pela comédia plena e coerente dentro da proposta do seriado, que é envolver o mundo nerd comicamente. Simples, Wil Wheaton está organizando confraternizações com celebridades e todos os personagens querem se misturar.

Ao mesmo tempo, as participações especiais – e são várias – estão servindo integralmente ao humor e à narrativa. Os meninos se interessam por Kevin Smith e William Shatner. Já as garotas ficam fascinadas com a presença de Joe Manganiello, mostrando que a cultura popular é um espaço mais plural do que parece ser, vide as referências a Magic Mike. O jogador de basquete, a exemplo, é interesse apenas de Penny (Kaley Cuoco). The D&D Vortex também deve ser um dos episódios com o maior número de acertos cômicos, apesar de certas repetições pontuais – como a zoação a Sheldon (Jim Parsons), após o personagem ter vomitado sem querer em William Shatner.

Por fim, a estrutura narrativa do capítulo também contém uma repetição em sua fórmula, enquanto um personagem qualquer comenta acidentalmente, acerca das confraternizações de Wheaton, para um outro. Mas é com as reviravoltas inesperadas, e a graça inerente a isso, que a comédia do episódio funciona verdadeiramente. The D&D Vortex vai sendo digerido enquanto o espectador desprevenido, esperando alguma mensagem mais ordinária do seriado, presencia Will Shatner fazendo referências a Jornada nas Estrelas no meio de uma partida de Dungeons & Dragons. Quando um filler é produzido com essa espirituosidade e criatividade, o resultado é bem agradável.

The Big Bang Theory – 12X16: The D&D Vortex – EUA, 21 de fevereiro de 2019
Criação: Chuck Lorre e Bill Prady
Direção: Mark Cendrowski
Roteiro: Steve Holland, Maria Ferrari, Anthony Del Broccolo
Elenco: Johnny Galecki, Jim Parsons, Kaley Cuoco, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Mayim Bialik, Melissa Rauch, Wil Wheaton, William Shatner, Kevin Smith, Kareem Abdul-Jabbar, Joe Manganiello
Duração: 20 min.

GABRIEL CARVALHO . . . Sem saber se essa é a vida real ou é uma fantasia, desafiei as leis da gravidade, movido por uma pequena loucura chamada amor. Os anos de carinho e lealdade nada foram além de fingimento. Já paguei as minhas contas e entre guerras de mundos e invasões de Marte, decidi que quero tudo. Agora está um lindo dia e eu tive um sonho. Um sonho de uma doce ilusão. Nunca soube o que era bom ou o que era ruim, mas eu conhecia a vida já antes de sair da enfermaria. É estranho, mas é verdade. Eu me libertei das mentiras e tenho de aproveitar qualquer coisa que esse mundo possa me dar. Apesar de ter estado sobre pressão em momentos de grande desgraça, o resto da minha vida tem sido um show. E o show deve continuar.